Em 2020 teremos no volume nº 5 de AS GRANDES AVENTURAS DE TEX a estreia de Fabio Civitelli

As Grandes Aventuras de Tex foi este ano (e continua a ser nos próximos) a grande aposta da Mythos Editora dedicada a Tex no Brasil. Uma série luxuosa que o Ranger há muito merecia em língua portuguesa e que foi inspirada numa colecção italiana, também pomposa, intitulada “Le grandi storie di Tex” e que reuniu 40 grandes histórias da saga de Tex Willer, sempre com aventuras completas e coloridas contendo capas inéditas de Claudio Villa.

A estreia desta colecção ocorreu em Março, num volume, intitulado “A morte de Lilyth” que trouxe a famosa história “Juramento de vingança” da dupla Gian Luigi Bonelli & Aurelio Galleppini, com 306 páginas onde “Tex conta ao filho Kit os factos ocorridos anos antes, pelos quais os desonestos comerciantes Brennan e Teller, para se vingarem do Ranger que os havia mandado para a prisão, encarregam capangas sem escrúpulos de levar à aldeia de Flecha Vermelha uma carga de cobertores infectados com varíola, causando a morte de Lilyth e de muitos outros navajos. Tempos depois da tragédia, um dos mandantes do crime cai crivado pelas balas de Tex. Agora os quatro pards saem à caça do patife sobrevivente que, anos antes, havia escapado do justo castigo. Uma velha lança, fincada no túmulo da esposa de Tex, dali não pode ser retirada enquanto não se cumprir a vingança.”

Em Junho tivemos o lançamento do segundo volume, volume esse que trouxe a famosa história “Entre duas bandeiras“, dos mesmos autores que inauguraram a colecção: Gian Luigi Bonelli & Aurelio Galleppini. Uma aventura de 315 páginas. Com o título original Tra due bandiere, a história foi publicada originalmente em Itália nos números 113 a  115 durante o ano de 1970:  “Tudo começa em Abilene, quando Tex, na companhia de Carson e seu filho Kit, ao chegar ao saloon encontra Dick Dayton, um seu velho amigo do tempo da Guerra da Secessão. E é na companhia de outro velho amigo, o xerife Ben Trevor, que Tex e Dick vão narrar alguns episódios que viveram juntos em pleno conflito que opôs norte e sul, mas que sobretudo colocou em lados opostos da barricada velhos amigos.

Em Setembro próximo a Mythos Editora irá lançar o volume número 3 que trará a mítica história “O navio do deserto“, uma aventura de 272 páginas, escrita por Claudio Nizzi e magistralmente desenhada por Claudio Villa onde “El Morisco pede a ajuda de Tex e Carson para localizar o arqueólogo Doberado, que desapareceu enquanto buscava um lendário navio no deserto californiano.

Por sua vez, em Dezembro, teremos a estreia nesta colecção da carismática dupla Mauro Boselli & Carlo Raffaele Marcello com a história “O bando dos irlandeses“, uma aventura de 336 páginas– que a título de curiosidade se pode dizer que foi a primeira que a Mythos editou no Brasil, quando “herdou” os direitos das publicações Bonelli da Globo – onde o argumento de Boselli, como habitualmente, é denso e bem urdido, pois explora o “estado” revolucionário da Irlanda e do México e igualmente o passado de Tex e Kit, fazendo aquele encontrar um amigo de adolescência, a quem quase seguiu para se tornar fora-da-lei. E a quem agora tem a missão de prender, bem como aos seus companheiros – o tal bando dos irlandeses que dá título à narrativa.

Em 2020 teremos no volume nº 5 de AS GRANDES AVENTURAS DE TEX a estreia de Fabio Civitelli

Mas hoje, num rigoroso exclusivo mundial, mais um, podemos anunciar aqui no Blogue do Tex que no primeiro volume de 2020, o quinto desta fantástica colecção, vamos ter a estreia do consagrado desenhador Fabio Civitelli numa história escrita por Claudio Nizzi: Os Espíritos da Noite (também conhecida no Brasil por “A Volta de Zhenda“), com 364 páginas publicadas originalmente nas edições italianas números 346 a 349 da série principal de Tex, em 1989, com o título original Gli spiriti della notte: “A perversa bruxa Zhenda, que todos acreditavam estar morta, reaparece com a sua ideia fixa de destruir Águia da Noite e colocar o seu filho Sagua como chefe de todos os navajos. Desta vez ela alia-se a um renegado mercador de armas e a uma desconhecida tribo de índios bastante primitivos que lhe obedecem cegamente e acreditam que a velha é uma deusa. Com os seus assombrosos poderes, Zhenda domina os índios, animais e tenta de todas as formas liquidar Tex e os seus pards.”

(Para aproveitar a extensão completa das imagens, clique nas mesmas)

12 Comentários

  1. Eu não gostei nada da 5… vai desvalorizar de vez o Tex Ouro 20, eu tenho repetido constantemente que estão perdendo a chance de mostrar outros mestres clássicos ainda não vistos a cores no Brasil.
    A Salvat inovou com “O Substituto” de Fernando Fusco e se não parasse devido a crise de distribuição já teria rodado “Oklahoma” de Guglielmo Letteri, a Mythos vai rodar essa do Civitelli o mesmo Civitelli que sairá em Tex 600, minha coleção vai parar no 2 mesmo, muito transtorno pra conseguir já que esses volumes não vão pras bancas, e sinceramente não gosto bem de “O Navio do Deserto“, e nem de “O Bando dos Irlandeses” mas os compraria pra colecionar se o 5 me alegrasse, é uma boa HQ concordo, mas, eu contava ver “Cheyenne Club” ou “A ameaça invisível“. Bem paciência e rezamos pra que se levante uma outra Salvat.

  2. E uma história ilustrada pelo Ticci , vai sair ou não? Espero que sim , pois há muitas histórias boas com a arte do grande mestre, sabe alguma coisa a respeito, Zeca?

    • Pard Nei Campos, Ticci comparecerá nesta colecção, isso eu posso garantir 😉

  3. Também só gostei dos dois primeiros, acho que deveria ser só histórias clássicas, tipo Caçada Humana, A Noite dos Assassinos, Cheyenne Club, Texas Bill e outros do Bonelli. No máximo Chamas de Guerra, do Nizzi. Também não gostei das capas, enfim tô pensando em parar no número 2.

  4. O editor é muito fã do excelente Civitelli. Estava claro que publicaria essa aventura.
    A verdadeira justiça e outras do Nizzi seriam excelentes pra essa coleção.
    Mas bom mesmo seria clássicos do Bonelli Pai…

  5. Eu também não compreendo esta seleção de aventuras. É verdade, que qualquer que seja a seleção vai existir sempre alguém que demonstra descontentamento, no entanto, numa coleção tão curta, apenas 10 histórias de um universo de centenas, existem histórias que a grande maioria concorda com a escolha. “A morte de Lilyth” e “Entre duas bandeiras“, os dois primeiros números enquadram-se claramente neste critério, assim como “A noite dos assassinos“, “A grande intriga” ou “A cruz trágica“, entre muitas das aventuras da idade de ouro do personagem. “O bando dos irlandeses” não pertencendo à idade de ouro ainda é compreensível, mas as outras duas? Apenas pela parte gráfica? Uma grande história de BD precisa de um belíssimo argumento e não apenas dos desenhos.

  6. A história “A Noite dos Assassinos” desenhada por Ticci é um clássico, e foi considerada por G.L.Bonelli uma das dez melhores histórias de Tex, e deveria de estar nesta coleção.

  7. Claramente na escolha das aventuras 4 e 5 pesou a amizade pelos autores. Não que não sejam boas histórias, mas perdem LONGE para Flechas Pretas assassinas, Os sinos dobram por Lucero, O solitário do oeste, O sinal de Cruzado, Missão em Greatt Falls, Caçada Humana e tantas outras…

  8. Concordo que deveria ter somente as historias clássicas. Infelizmente mais uma coleção que vai ficar pela metade…

  9. Não pode ficar de fora, histórias como O passado de Kit Carson, que conta a história de Carson e aquela que conta a história de Jack Tigre.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.