Colóquio Texiano no Clube Português de Banda Desenhada contou com público numeroso e empenhado

Por José Carlos Francisco (texto) e Ana Beatriz, Dâmaso Afonso, Isabel Serejo e Teresa Moreira (fotos)

Sede do Clube Português de Banda Desenhada, na Amadora

Tex foi tema de Colóquio no Clube Português de Banda Desenhada

No âmbito do plano aprovado para o período 2015/2016, o Clube Português de Banda Desenhada (CPBD) — prestes a festejar 40 anos de existência, pois foi criado em 28 de Junho de 1976 — levou a efeito na sua sede social localizada na Avenida do Brasil, 52-A, Reboleira (Amadora),no passado sábado, 11 de Junho um Colóquio Texiano (que inclusive contou com a presença de CINCO dos fundadores do Clube Tex Portugal) subordinado ao tema: COMO CONHECEMOS A PERSONAGEM “TEX”, Colóquio esse que teve a participação de Carlos Moreira, José Carlos Francisco e Mário João Marques (os elementos da direcção do Clube Tex Portugal) como oradores e um numeroso (e empenhado) público assistente que inclusive levou a que as cadeiras disponíveis se esgotassem.

Carlos Moreira, José Carlos Francisco e Mário João Marques, os oradores TEXianos

José Carlos Francisco no uso da palavra

O Colóquio teve a moderação de Pedro Mota, ilustre Presidente do CPBD e arrancou com cada um dos três oradores a contarem precisamente a forma como cada qual conheceu a personagem Tex, desenvolvendo-se depois vários outros temas relacionados ao Tex em Portugal como por exemplo o sucesso de Tex em variados eventos realizados no nosso país ao longo dos anos pelos mais variados Festivais e Salões de Banda Desenhada, fenómeno que levou à criação do Clube Tex Portugal, assim como anteriormente ao nascimento do Blogue Português do Tex, mas também se falou dos já crónicos problemas de distribuição das edições da Mythos Editora e do imenso carinho e amor que os fãs e coleccionadores de Tex possuem pelo Ranger que permitem ultrapassar todo o tipo de obstáculos para que a colecção de cada um continue sempre a crescer, assim como se abordou, entre outras coisas, também o futuro de Tex, mas nesta Conferência também se pôde sair um pouco da esfera de Tex abordando também outras facetas da Nona Arte sobretudo devido à intervenção animada e interessada do público, com especial destaque para as participações de um dos maiores especialistas de banda desenhada em Portugal, o Jorge Magalhães que foi um grande editor de BD em Portugal, assim como continua a ser um dos mais reconhecidos argumentistas portugueses e o José Eduardo Monteiro que mantiveram a bitola sempre alta, este último pôde inclusive falar da sua experiência como professor expressando o contacto que costuma ter com os seus alunos a propósito da Banda Desenhada.

Pedro Mota arrancando com a conferência

Conferência Texiana a decorrer

Entre o numeroso público para além de alguns fãs e coleccionadores de Tex (e não só) destacou-se também a presença de alguns ilustres sócios do CPBD que acompanham o Clube Português da Banda Desenhada desde a primeira hora, como por exemplo do já citado Jorge Magalhães, do Carlos Gonçalves e do Geraldes Lino, estes dois últimos inclusive continuam abnegadamente a exercer funções directivas, havendo também algum público anónimo que não deixou de abrilhantar este Convívio, como refere expressamente um dos principais organizadores, o Carlos Gonçalves: “Embora estivesse à espera de um ligeiro fracasso, em virtude das pontes, afinal foi um sucesso. Não só as cadeiras esgotaram-se, como o pessoal ficou empenhado na discussão e no conhecimento do “Tex”, personagem já bem conhecida da maior parte dos coleccionadores.

Pedro Mota moderando a conferência texiana

Os oradores e o público

Outra prova do sucesso deste Colóquio Texiano, para além da duração do mesmo, já que estando previsto para durar 60 minutos acabou por se prolongar por quase 120, é o testemunho da prestigiada desenhadora Catherine Labey: “Foi com muito prazer que assistimos ao Colóquio Texiano que, de todos aqueles em que participámos até agora, na nova sede do CPBD, foi o mais animado… e divertido! Ainda ouço as gargalhadas provocadas pelos vossos comentários 😀 !
A assistência foi também a mais numerosa que tivemos a oportunidade de ver naquela sala. A sua vivência como maior coleccionador de TEX, desde a sua juventude, é muito interessante e proporcionou-nos informações detalhadas sobre o universo bonelliano. Eu que não sou propriamente uma texiana, gostei muito e o Jorge deixou-se levar pelas suas recordações profissionais, o que alargou os horizontes da conversa, e o José Eduardo, com mais outros, manteve o nível alto da animação! Foi, de facto, uma satisfação enorme podermos estar, desta vez, com vocês os três juntos, e ouvi-los dissertar sobre um tema que contagiou, estamos certos, toda a assistência.

Intervenção de Jorge Magalhães

A boa disposição imperou na conferência texiana

Para finalizar, deixamos-vos com várias fotografias que esperamos permitam poder desfrutar também dos belos momentos vividos na tarde deste sábado na Amadora, mais precisamente na sede do Clube Português de Banda Desenhada com Tex Willer como pano de fundo:

Pedro Mota no uso da palavra

Os oradores e a assistência

Conversas à volta da conferência texiana

Conversas tendo Tex como pano de fundo

Três grandes pards – José Carlos Francisco, Mário João Marques e Carlos Moreira

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

6 Comentários

  1. Amigo Zeca,

    Parabéns pelo sucesso alcançado nesta iniciativa.
    A reportagem está muito completa, com bastante informação e fotos mas, numa próxima oportunidade, porque não gravar em vídeo e colocar aqui no blogue do Tex?
    Fica a sugestão.
    Grande abraço

    • Realmente ter gravado em vídeo a conferência teria sido excelente e dava para todos os interessados verem como foi… fica a tua sugestão, Carlos Rico, com a convicção de que tal será possível em próxima oportunidade, se bem que a ausência (justificada) do nosso repórter Orlando Santos Silva é que não tornou possível haver a gravação vídeo…

  2. Foi realmente um grande prazer e uma experiência fascinante ouvir estes três pards e peritos texianos dissertar sobre as suas vivências como leitores e entusiastas do maior herói da BD western, e acompanhar, através dos seus calorosos e bem humorados comentários, todo um extraordinário percurso que culminou na criação do Clube Tex Portugal.
    Pela minha parte, agradeço a referência às intervenções que fiz neste colóquio e espero ter a oportunidade de participar em próximas iniciativas conjuntas do Clube Tex Portugal e do Clube Português de Banda Desenhada, prestigiando novamente a associação do jovem e fogoso espírito texiano com a maturidade e experiência de um dos mais antigos clubes bedéfilos europeus.
    Um grande abraço para o Zeca, o Carlos e o Mário, com muitos parabéns pelo exemplar trabalho realizado em tão curto espaço de tempo e pela enorme paixão que dedicam aos seus ideais texianos.
    Jorge Magalhães

    • Caro Amigo Jorge Magalhães, obrigado por nos prestigiar e pelos seus parabéns. Um grande abraço também para si, que continua em grande forma!

    • Prezado Mauro Silva, para uma conferência de banda desenhada até que foi um público numeroso, pois temos em Portugal conferências de banda desenhada com meia dúzia de pessoas presentes… e na foto de grupo não estão todas as pessoas que estiveram presentes, pois foi a última foto e várias pessoas já tinham ido embora. E quanto aos jovens texianos, eles preferem comparecer nas Mostras onde estão presentes os desenhadores de Tex porque o que os jovens mais querem é ganhar desenhos do nosso Ranger e não estar a ouvir palestras (…risos…)

Responder a Carlos Rico Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *