As Leituras do Pedro: Tex Ouro #58 – O homem sem passado

As Leituras do Pedro*

Tex Ouro #58 – O homem sem passado
Claudio Nizzi
(argumento)
Claudio Villa (desenho)
Mythos Editora (Brasil, Janeiro de 2012)
135 x 175 mm, pb, 268 p., brochado
R$ 18,40 / 9,00 €

Resumo

Durante um confronto com um bando de traficantes de armas, Kit é ferido na cabeça e desaparece nas águas de um rio. A partir daí, enquanto Kit Carson e Jack Tigre tentam encontrá-lo – ou pelo menos ao seu cadáver – Tex Willer persegue o chefe do bando com o firme propósito de fazer justiça pelas suas próprias mãos.

Desenvolvimento

Esta história, originalmente publicada em Itália no início de 1997, apresenta algumas curiosidades. Desde logo – como raramente aconteceu em Tex – porque o seu ponto de partida foi uma ideia base do desenhador, depois desenvolvida pelo competente argumentista Claudio Nizzi, um dos mais prolíferos escritores do ranger da Bonelli.


Depois, porque o desenhador tem por nome Claudio Villa, ou seja é o habitual capista da série – o que se reflecte no seu trabalho gráfico nesta banda desenhada. Por isso, plasticamente existem em “O homem sem passado” belíssimas vinhetas (acima da média) e algumas soluções gráficas invulgares na série – embora também seja evidente um menor cuidado nas páginas finais, possivelmente devido ao apertar dos prazos – o que leva a pensar se para ganhar um (renomado) ilustrador não se perdeu um bom autor de quadradinhos porque, de um modo geral, a sequência narrativa e as cenas de acção são bastante ágeis e dinâmicas, com um grande recurso a pontos de vista diferenciados e a grandes planos.


Finalmente, o aspecto mais interessante – tanto para o leitor comum, quanto para os fãs do ranger – é que a história assenta num pressuposto bastante original, o que desde logo a diferencia da longa lista de aventuras do ranger: a perda de memória de Kit Willer, o que – para além funcionar como elemento central, a vários níveis, para o adensar da tensão – lhe vai proporcionar uma vivência diferente – muito marcante – durante dezenas de pranchas (semanas) e conduzirá a história ao (invulgar) momento que a capa de alguma forma antecipa, constituindo-se como o melhor chamariz para o leitor.


É verdade que esse momento chave – no qual a história atinge o seu clímax – acaba por ser algo breve – como tantas vezes acontece em Tex, embora seja legítimo questionar se desta vez poderia ser de outra forma.


No entanto, para além dele, esta longa aventura – como qualquer western que se preza – tem diversas cenas marcantes e o inevitável lote de investigações, confrontos físicos, perseguições e tiroteios que a dotam de um alto ritmo narrativo – o que em combinação com o suspense criado pela sua ideia central e o consequente envolvimento romântico de Kit – lhe conferem as características necessárias para fazer as delícias dos fãs do género e mesmo de alguns mais.

*Pedro Cleto, Porto, Portugal, 1964; engenheiro químico de formação, leitor, crítico, divulgador (também no Jornal de Notícias), coleccionador (de figuras) de BD por vocação e também autor do blogue As Leituras do Pedro.

Um comentário

  1. Esta é uma das poucas aventuras em que um dos personagens principais se envolve com uma mulher.
    O facto de ser desenhada por Claudio Villa torna a história ainda melhor!

Responder a Emanuel Neto Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.