Tex Gigante a CORES e duas novas séries para 2014 com o selo da Mythos Editora

janeiro 1, 2014

Tex Gigante a CORES
.
e duas novas séries para 2014
.
com o selo da Mythos Editora

Caros pards e leitores do blogue português do Tex,

Dia 1º de Janeiro é um óptimo dia para contar boas notícias, não é mesmo? Pois então é com prazer que o blogue do Tex divulga duas ÓPTIMAS novidades para o público bonelliano e todos os amantes de Banda Desenhadas em geral.
Este ano de 2014 a Mythos Editora vai lançar DUAS NOVAS SÉRIES que, temos certeza, vão fazer grande sucesso entre os leitores da editora com a mítica fogueirinha.

Tex Gigante A CORES!

Tex Gigante a cores chega ao Brasil em 2014

Será a republicação, na mesma ordem em que saíram na Itália, das magníficas aventuras desta colecção totalmente a cores, com 240 páginas, formato grande e CAPA DURA. Além de um novo texto, cada edição vai trazer também matérias inéditas. Será sem dúvida um precioso item de colecção.

Demian-Cassidy!

Como todos sabem, já há alguns anos a Bonelli vem lançando na Itália mini-séries de grande sucesso com personagens e temas os mais variados. A Mythos Editora resolveu trazer essa bela novidade para o Brasil e Portugal para dar aos seus leitores a chance de conhecer essas novas criações de grandes argumentistas e desenhadores.

Tratar-se-à de uma revista que terá 224 páginas em preto & branco, e trará sempre uma história de Demian e uma de Cassidy. Tendo cada série 18 aventuras.

Ambas as revistas (Tex Gigante a cores e Demian/Cassidy) serão bimestrais e o contrato prevê um mínimo de seis edições. Se agradarem aos leitores do Brasil e Portugal, continuarão até o fim. A Mythos Editora quer lançar já neste mês de Janeiro ou na pior das hipóteses em Fevereiro e assim que tivermos mais detalhes daremos conhecimentos a todos os nossos leitores aqui no blogue do Tex, mas para ficarem já a saber mais sobre estas duas magníficas mini-séries eis as respectivas sinopses:

DEMIANO ÚLTIMO CHEVALIER

Anjo ou demónio? Assassino ou justiceiro? Sobre o seu passado, a sombra do mistério, e no seu futuro, uma missão a cumprir. Temido pelos criminosos da sua Marselha, mas respeitado e admirado por quem teve a vida salva por ele, Demian é um justiceiro que age em um mundo em que as linhas que separam bem e mal são extremamente ténues. Com pouco mais de trinta anos de idade, alto, longos cabelos loiros, seus estranhos olhos cor de violeta parecem perscrutar os pensamentos de seus interlocutores que, se têm a consciência suja, ficam pouco à vontade diante dele. É um homem de acção mas gosta de poesia, adora conviver com os amigos, é amante da boa mesa e adora os pequenos prazeres da vida – afinal, não se pode ser o herói o dia inteiro. A tatuagem (ou cicatriz?) em forma de espada que tem no peito sugere que no passado ele foi ligado à Fraternité, uma casta de cavaleiros devotada ao bem e à justiça, cujas origens remontam a sir Lancelot du Lac, cavaleiro da Távola Redonda e antepassado de Demian. Talvez seja isso mesmo, talvez ele seja realmente um moderno chevalier, o último de uma estirpe de heróis cujas origens se perdem na noite dos tempos. Antigamente, a razão de vida desses homens era simples: combater os prepotentes e defender os inocentes. Eles eram chamados à corte dos grandes réis e encarregados das missões mais arriscadas. Mas na Marselha dos nossos dias a coisa é bem mais complicada, mocinhos e bandidos não têm os seus papéis muito claros, sempre há alguém que trama na sombra, o que torna difícil, quase impossível, escolher um lado. Essa dificuldade em escolher fez Demian tomar uma decisão: ele será dono da própria vida e o único responsável pelas suas acções, ciente que a espada que carrega em seu peito escavará, depois de cada aventura, um novo ferimento em sua alma. Aventuras que se desenrolam, em sua maior parte, nas vielas e no submundo da Marselha de hoje, e onde o restaurante Gardien du Phare, dos amigos Edmond e Viviane, num belo lugar da costa da Provença, constitui um oásis de serenidade. Mas o nosso herói também age no interior da França e em outros locais do Mediterrâneo, incluindo a Espanha, a Córsega, o norte da África, até o Médio Oriente. Demian considera o casal Edmond e Viviane Colbert como seus pais adoptivos, depois que eles o encontraram em ponto de morte numa praia, dez anos antes, e entre seu círculo de pessoas queridas estão Gaston Velasco, um fascinante contrabandista franco-espanhol sempre pronto para se lançar de cabeça na aventura, por amizade ou simplesmente pelo gosto de uma boa briga, apesar dos protestos de Marie Velasco, filha dele e também inspectora da polícia, e que tem um fraco pelo cavaleiro sempre montado em sua possante moto Ducati SS carenada. Sem falar do enigmático Tristan, que sempre sabe de tudo e que tem ligações com a casta da Fraternité e com os eventos que condicionaram o passado e o presente de Demian.

Demian

Criada pelo prolífico Pasquale Ruju, autor de belas aventuras de Tex Willer, Demian é uma mini-série em 18 edições mensais publicadas na Itália de Maio de 2006 a Outubro de 2007, e que, tantos foram os pedidos dos leitores, teve uma continuação em quatro volumes especiais.

CASSIDY - ENCONTRO COM O DESTINO

Na noite de 16 de Agosto de 1977 (a mesma em que Elvis Presley morreu) um assalto dá errado e um homem acaba ferido gravemente a bordo do seu Dodge crivado de balas. Ele ainda não sabe que ali começam os factos que o levarão a cumprir o seu destino. Esse é o início da saga de Raymond Ray Cassidy, 42 anos, físico treinado para a acção, um sujeito duro e decidido, assaltante que age na América do Norte da década de 1970 mas que, antes de ser incriminado numa armação do Serviço Secreto, havia sido um respeitado fuzileiro em missão no Vietname. Um profissional que vive de furtos e assaltos, é habilidoso e despreza a violência inútil, agindo de acordo com um modus operandi preciso e seguindo um código de honra pessoal: seus golpes são organizados como uma acção de comandos, e sempre busca evitar envolver os civis (como ele chama as pessoas que respeitam a lei), se não for absolutamente forçado a isso, obedecendo às regras de não atirar em civis e de não tomar civis como reféns; se necessário, Cassidy sabe ser impiedoso, mas jamais é cruel, e todas essas atitudes o fazem ser respeitado no submundo do crime. Durante os golpes, usa sempre o mesmo terno preto e carrega no dedo a aliança, lembrança de um casamento que acabou mal e cuja esposa lhe foi roubada por um senador corrupto. Guia um Dodge Aspen 360 V8 preto turbo, bastante útil para escapar da polícia. Seus cúmplices mais leais são o gigante mexicano Juan Cuervo e o amante da jogatina Aaron Ace Gibson, seus ex-parceiros do Vietname.

Cassidy

Criada pelo argumentista italiano Pasquale Ruju - conhecido dos leitores de língua portuguesa por suas envolventes aventuras de Tex Willer -, Cassidy é uma mini-série que foi publicada na Itália de Maio de 2010 a Outubro de 2011, em 18 edições mensais, uma para cada um dos dezoito meses de vida que o protagonista descobriu que ainda lhe restavam, como lhe foi concedido pelo misterioso bluesman cego que apareceu quando Cassidy estava moribundo depois do assalto fracassado que abre a saga e que se desenrola de Tucson (Arizona) e passa por Phoenix, Las Vegas, San Francisco, México, Los Angeles e Hollywood. Entre certas passagens são recordados momentos emocionantes do passado militar de Cassidy no Vietname, um tempero adicional, como acontecia com as aventuras bélicas de Mister No, um dos pontos altos das aventuras do piloto amazónico criado por Guido Sergio Bonelli Nolitta e que deixou saudades.

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

33

Um “brinde” TEXiano ao Novo Ano, por Giancarlo Malagutti

janeiro 1, 2014

Um “brinde” TEXiano ao Novo Ano,
.
por Giancarlo Malagutti

Com o magnífico, inusitado, mas apropriado desenho de Tex num duelo inédito (pela arma usada pelo nosso Ranger) com um adversário, realizado em EXCLUSIVO para o blogue português do Tex pelo prestigiado autor italiano GIANCARLO MALAGUTTI, reiteramos os votos de um proveitoso ano novo e de elevada consideração e apreço por todos os nossos leitores que nos continuam a prestigiar com as suas visitas neste ano de 2014 que se está a iniciar, desejando a todos ao redor do mundo, um ano novo maravilhoso e cheio de novidades positivas, que os seus sonhos se realizem e que ainda possamos continuar a dividir o nosso conhecimento em prol de toda a vasta comunidade TEXiana que nos segue um pouco por todo o mundo.

Um "brinde" inusitado de Tex ao Novo Ano

GIANCARLO MALAGUTTI é um dos mais conceituados autores italianos, cuja mais recente obra é Mathias, série que aborda as aventuras de duas crianças, Mathias e Anna. Mathias encontra Anna na montanha onde ela vai passar as férias com os avós, e ali começam as aventuras com um toque fantástico. Por enquanto o seu projecto desenvolve-se em 9 edições, aventuras de 44 páginas cada, com histórias auto conclusivas mas que, lidas na ordem (têm um desenvolvimento temporal), dão uma ideia melhor das personagens, mas para saber mais sobre esta magnífica série, acesse o site www.mathias.is.it.

Giancarlo Malagutti

GIANCARLO MALAGUTTI nasceu em Virgilio, Mantova, num dia de Abril de 1955 e define-se como sendo um roteirista que às vezes desenha. Para a Casa Bonelli colaborou no passado em Martin Mystère, depois de um período como publicitário, mas para saber tudo sobre este consagrado autor (inclusive ver fantásticos desenhos relacionados com Tex e o seu mundo) leia a extensa e interessante entrevista que o próprio GIANCARLO MALAGUTTI nos concedeu em exclusivo e que pode ser degustada clicando AQUI.

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

2

Bom Ano Novo, com Lucio Filippucci

janeiro 1, 2014

Bom Ano Novo, com Lucio Filippucci

Com este magnífico desenho de Lucio Filippucci, todo o staff do blogue português do Tex diz adeus a 2013 e deseja um FELIZ ANO NOVO e um 2014 repleto de esperanças, realizações, harmonia e muito sucesso a todos os Texianos que nos honram com as suas assíduas visitas!

Bom Ano Novo, por Lucio Filippucci

(Para aproveitar a extensão completa do desenho, clique no mesmo)

3

ESTATÍSTICAS BONELLIANAS – 2013; O ANO DO FANTÁSTICO… BOSELLI

dezembro 31, 2013

O final de cada ano é desde sempre o momento para fazer balanços. E, claro, Saverio Ceri não poderia deixar de nos dar os números totais relativos à produção Bonelliana ocorrida em 2013. Convidamo-vos a encontrar as edições anteriores da sua rubrica se acabou por as perder, pois estamos seguros que após estas novas estatísticas, ficarão tal como nós, à espera da próxima.

ESTATÍSTICAS BONELLIANAS – 2013
-
O ANO DO FANTÁSTICO… BOSELLI

Por Saverio Ceri

Como todos os finais de ano eis o momento de fazer o habitual relatório anual contendo os números bonellianos. 2013 foi o ano da fantasia  (Dragonero), da ficção científica (Órfãos com as suas cores), mas sobretudo do fantástico… o fantástico record de Mauro Boselli, como descobrirão mais adiante. Antes de iniciar renovamos de seguida as premissas para os recém-chegados.

Órfãos, uma das novidades de 2013. Ilustração de Massimo Carnevale

Aqueles que se seguem são rankings de quantidade, não de qualidade; são levados em conta apenas as páginas inéditas produzidas na editora Bonelli e publicadas nos álbuns da Sergio Bonelli Editore no decurso do ano que hoje chega ao fim. Não encontrarão assim todos os autores bonellianos, que dia após dia trabalham para o editor, mas apenas aqueles que nos últimos doze meses foram publicados; encontrarão por isso autores que talvez não trabalhem mais, mas cujas histórias não tinham ainda sido publicadas; não encontrarão por sua vez alguns autores que actualmente estejam a produzir material para a editora, mas cujas histórias não foram ainda publicadas nas várias séries da editora de Tex & companhia. Também não encontrarão as páginas produzidas pela Bonelli, mas publicadas por outras entidades (como por exemplo as histórias curtas publicadas em revistas ou jornais). Também não serão contabilizadas páginas não inéditas, mesmo que tenham visto a luz pela primeira vez em álbuns bonellianos, como por exemplo as histórias curtas de Dylan Dog reeditadas como suplemento na série Super Book.

Vamos então começar: em 2013 as páginas inéditas publicadas pela editora Bonelli foram exactas 19.304, precisamente 750 a mais comparativamente com o ano precedente,  representando um aumento de 4,04%. Trata-se do sexto melhor resultado de sempre: os anos mais prolíficos continuam a ser os do quinquénio 2000-2004. 158 foram os álbuns de material inédito, 13 a mais do que no ano passado (+9%). Em declínio encontra-se a média de páginas por álbum conforme se comprova pelas 122,18 paginas (-4,5% comparativamente a 2012) por edição: resultado inevitável, visto que as novas séries, que têm contribuído para o incremento da produção, nascem obviamente com um número clássico de páginas e desprovidas, por agora de edições especiais, normalmente mais encorpados.

Os argumentistas envolvidos na realização das mais de dezanove mil páginas foram 53 (record absoluto de escritores num único ano civil), doze a mais do que em 2012. Determinantes para o record os oito estreantes liderados por Walter Venturi nesta sua primeira experiência como autor completo; Barzi e Masperi em Nathan Never; Zamberletti em Zagor; Astori, Rose, Tedesco e Tinnirello ao serviço do Investigador do Pesadelo.
De seguida o elenco completo por ordem de páginas publicadas:

ARGUMENTISTA
PAG.
SÉRIE
Boselli
2774
Tex, Dampyr, Zagor
Enna
1128
Saguaro, Dylan Dog
Mignacco
913
Zagor, Martin Mystère, Saguaro
Burattini
840
Zagor
Berardi
803
Julia
Vietti
800
Dragonero, Universo Alfa, Nathan Never
Chiaverotti
724
Brendon
Gualdoni
695
Dylan Dog, Le Storie, Agenzia Alfa
Di Gregorio
678
Dylan Dog, Dampyr, Le Storie
10°
Perniola
642
Nathan Never, Agenzia Alfa
11°
Vigna
515
Asteroide Argo, Nathan Never; Universo Alfa
12°
Rigamonti
469
Nathan Never, Agenzia Alfa
13°
Calza
441
Julia
14°
Bilotta
440
Dylan Dog, Le Storie
15°
Enoch
438
Dragonero, Lilith
16°
Recagno
436
Martin Mystère, Storie da Altrove
17°
Recchioni
424
Dylan Dog, Orfani, Le Storie
18°
Marzano
376
Dylan Dog
19°
Mantero
362
Julia
20°
Manfredi
314
Shanghai Devil, Tex
21°
Eccher
310
Nathan Never, Agenzia Alfa
22°
Cajelli
298
Dampyr, Le Storie
23°
Capone
286
Zagor
24°
Castelli
285
Martin Mystère
25°
De Nardo
282
Dylan Dog
25°
Falco
282
Dampyr
27°
Morales
264
Martin Mystère, Le Storie
28°
Venturi W.
261
Romanzi a Fumetti
29°
Ruju
260
Le Storie, Dylan Dog, Tex
30°
Faraci
252
Tex
31°
Nizzi
220
Tex
32°
Simeoni
205
Nathan Never, Le Storie
33°
Ambrosini
204
Dylan Dog, Le Storie
34°
Cavaletto
188
Dylan Dog
35°
Zamberletti
160
Zagor
36°
Badino
154
Martin Mystère
37°
Rauch
126
Zagor
38°
Serra
124
Nathan Never, Dylan Dog, Agenzia Alfa
39°
Accatino
110
Le Storie
39°
Barbato
110
Le Storie
41°
Piani
99
Nathan Never
42°
Colombo
94
Dampyr
43°
Masperi
94
Nathan Never
43°
Sammartino
94
Nathan Never
43°
Secchi
94
Nathan Never
46°
Artusi
47
Dampyr
46°
Lombardo
47
Dampyr
48°
Barzi
46
Nathan Never
49°
Astori
32
Dylan Dog
49°
Caccivio
32
Dylan Dog
49°
Tedeschi-Tinnirello-Rose
32
Dylan Dog


Destaca-se a façanha de Mauro Boselli que com as suas
2774 páginas foi capaz de superar o record de páginas publicadas num só ano por um escritor; primado que resistia desde 1976 e era detido por Guido Nolitta com 2770 páginas. Record também as 1646 páginas de avanço sobre o segundo autor mais prolífico do ano. O resultado é tão “histórico” que mereceu um post especial quando se tornou claro que o velho record de Sergio Bonelli, com quase quatro décadas, iria ser superado este ano. Se devêssemos ter que esperar pela superação de outro reinado similar ao de Guido Nolitta teríamos que esperar até 2050 para ver Mauro Boselli destronado! Com tudo isto tivemos então a décima vitória anual para Boselli, registando o primeiro pódio, com um record pessoal, para Bruno Enna e o regresso, após dez anos ao degrau mais baixo desse mesmo pódio, de Luigi Mignacco. Para além de Enna entra também pela primeira vez no top ten Giovanni Di Gregorio (também para ele a sua melhor época de sempre), retornando, depois de um ano de ausência, Chiaverotti e Vietti; em contra-partida saem dos primeiros dez, Ruju, Faraci, Rigamonti e após uma ininterrupta presença de 17 anos, Manfredi. Embora desde há alguns anos não frequente mais os lugares cimeiros um destaque especial para Alfredo Castelli pelos seus 37 anos de publicação ininterrupta nas edições Bonelli, seguido por Mignacco com o seu 27°ano de presença contínua, Vigna (26 anos), Chiaverotti (25), Boselli (24), Burattini (23) e Manfredi (20). O mesmo Castelli é o “veterano” do pelotão dos escritores publicados este ano: a sua estreia bonelliana remonta a 1971.

Mauro Boselli, o homem dos records, mostra um álbum especial do seu Dampyr

Passemos aos ilustradores: este ano foram 144, seis a mais do que em 2012, seis a menos do que no ano do record, 2003, quando foram publicadas 150 assinaturas diferentes nas páginas da SBE. Notável o número de estreantes, espalhados um pouco por todas as séries, desde Dylan Dog a Dragonero, de Le Storie a Nathan Never: 23 novos desenhadores. Segue a classificação deste ano:

DESENHADOR
PAG.
SÉRIE
Venturi W.
387
Zagor, Romanzi a fumetti
Roi
380
Dylan Dog, Dampyr
Piccatto
376
Dylan Dog
Matteoni
349
Dragonero
Alessandrini
344
Martin Mystère, Dylan Dog
Casertano
330
Le Storie, Dylan Dog, Tex
Fernandez
316
Tex
Ambrosini
314
Le Storie, Dylan Dog
Sedioli
299
Zagor
10°
Cassaro Bros.
286
Zagor
10°
Chiarolla
286
Zagor
12°
Foderà
282
Saguaro
12°
Montanari & Grassani
282
Dylan Dog
14°
Toffanetti
281
Nathan Never
15°
Lazzarini
268
Nathan Never, Agenzia Alfa
16°
Boraley
252
Julia
17°
Enoch
250
Lilith
17°
Orlandi
250
Martin Mystère, Storie da Altrove
19°
Della Monica
246
Zagor
20°
Bertolini
241
Nathan Never, Universo Alfa
21°
Ferri
236
Zagor
21°
Filippucci
236
Tex, Martin Mystère
23°
Venturi A.
224
Tex
24°
Acciarino
220
Tex
24°
Andreucci
220
Tex
24°
Dotti
220
Tex
24°
Frisenda
220
Tex
24°
Genzianella
220
Dampyr, Tex
24°
Mastantuono
220
Tex
30°
Rubini
218
Zagor
31°
Simeoni
205
Nathan Never
32°
Freghieri
204
Dylan Dog, Le Storie
33°
Piccioni
189
Julia
34°
Bisi
188
Zagor
34°
Busticchi-Paesani
188
Saguaro
34°
Cropera
188
Dampyr
34°
Rizzato
188
Dragonero
34°
Siniscalchi
188
Saguaro
39°
Bacilieri
176
Dampyr
40°
Bonazzi
174
Universo Alfa
41°
Bormida
171
Asteroide Argo, Nathan Never
41°
Gradin
171
Nathan Never, Martin Mystère
43°
Esposito Bros.
167
Martin Mystère
44°
Bastianoni D.
160
Nathan Never
44°
Brindisi
160
Dylan Dog
44°
Mangiantini
160
Zagor
44°
Ticci
160
Tex
44°
Viglioglia
160
Brendon
49°
Camagni
154
Martin Mystère
49°
Ongaro P.
154
Martin Mystère
51°
Armitano
141
Saguaro
51°
Di Clemente
141
Agenzia Alfa, Natne Never
51°
Mandanici
141
Nathan Never
51°
Verni
141
Zagor
55°
Laurenti
130
Zagor, Dampyr
56°
Torti
128
Martin Mystère
57°
Antinori
126
Julia
57°
Biglia
126
Shanghai Devil, Tex
57°
Bignamini
126
Dylan Dog, Orfani
57°
Cossu
126
Dylan Dog
57°
Marinetti
126
Julia
57°
Michelazzo
126
Julia
57°
Piccoli
126
Julia
57°
Pittaluga
126
Julia
57°
Rinaldi R.
126
Dylan Dog
57°
Soldi
126
Julia
57°
Spadoni
126
Julia
57°
Zaghi
126
Julia
69°
Vercelli
115
Nathan Never
70°
Accardi
110
Le Storie
70°
Cremona
110
Le Storie
70°
Gomez
110
Tex
70°
Mosca
110
Le Storie
70°
Pontrelli
110
Le Storie
70°
Ripoli
110
Le Storie
70°
Vitrano
110
Le Storie
77°
Airaghi
94
Brendon
77°
Barletta
94
Saguaro
77°
Bigliardo
94
Dylan Dog
77°
Candita
94
Julia
77°
Cascioli
94
Nathan Never
77°
Cavenago
94
Orfani
77°
Dall’Agnol
94
Dylan Dog
77°
Dell’Uomo
94
Dylan Dog
77°
Di Vincenzo
94
Dylan Dog
77°
Forlini
94
Nathan Never
77°
Fortunato
94
Dampyr
77°
Franzella
94
Brendon
77°
Giéz
94
Nathan Never
77°
Majo
94
Dampyr
77°
Mammucari
94
Orfani
77°
Mari
94
Dylan Dog
77°
Maroto
94
Brendon
77°
Mattone
94
Saguaro
77°
Pagliarani
94
Dragonero
77°
Perovic
94
Shanghai Devil
77°
Piccininno
94
Dampyr
77°
Rossi L.
94
Dampyr
77°
Rotundo
94
Shanghai Devil
77°
Russo F.
94
Dampyr
77°
Spadavecchia
94
Brendon
77°
Talami
94
Brendon
77°
Valdambrini
94
Saguaro
77°
Vetro
94
Dylan Dog
77°
Zoni
94
Agenzia Alfa
106°
Arduini
88
Agenzia Alfa
107°
Del Campo
87,5
Dampyr
108°
Fiorelli
84
Nathan Never, Universo Alfa
109°
Bagnoli
77
Martin Mystère
109°
Cardinale
77
Martin Mystère
109°
Corbetta
77
Asteroide Argo
112°
Giardo
68
Nathan Never, Agenzia Alfa
113°
Giurlanda
63
Julia
114°
Martino
58
Nathan Never
115°
De Cubellis
55
Le Storie
115°
Morales
55
Le Storie
115°
Regazzoni
55
Agenzia Alfa
118°
Oskar
48
Universo Alfa
119°
Furnò
47
Saguaro
119°
Piazzalunga
47
Dampyr
119°
Santucci
47
Dampyr
122°
Martusciello
46
Agenzia Alfa
122°
Meli
46
Nathan Never
124°
Boccanfuso
45
Agenzia Alfa
125°
Ricciardi
35
Brendon
126°
Catacchio
32
Dylan Dog
126°
Cestaro Bros.
32
Dylan Dog
126°
Martinello
32
Dylan Dog
126°
Raffaele
32
Dylan Dog
126°
Raimondo
32
Dylan Dog
126°
Scascitelli
32
Tex
132°
Fattori
29,5
Brendon
132°
Pugliese
29,5
Brendon
134°
Pueroni
28
Universo Alfa
135°
Malisan
27,5
Dragonero
136°
Caretta
24
Dylan Dog
136°
Romeo
24
Dylan Dog
138°
Da Sacco
17,5
Universo Alfa
138°
Santoro
17,5
Universo Alfa
140°
Artusi
6,5
Dampyr

.
Vencedor pela segunda vez, depois da vitória em 2009, Walter Venturi, com a curiosidade de que, contrariamente ao sucedido entre os escritores, fê-lo com o mínimo de esforço, ou seja com o menor número de páginas desenhadas desde 1954 até aos nossos dias. Para encontrar um vencedor com menos de 400 páginas é necessário recuar quase sessenta anos, quando as páginas como hoje as conhecemos ainda não existiam. “Mínimo esforço”, por assim dizer; muitos desenhadores bonellianos já se contentariam em realizar uma página por dia: 387 páginas é um óptimo resultado que normalmente garante a entrada no top ten; este ano porém levou o Venturi de Roma à vitória. Entre os primeiros dez, apenas um consegue repetir a presença na classificação do ano passado, trata-se de Luigi Piccatto, novamente em terceiro, como em 2012. Primeira presença no top ten para Matteoni, Fernandez e Ambrosini; entre as habituais presenças nos lugares cimeiros destacamos Roi com a sua nona presença no top ten, Chiarolla com a oitava e Alessandrini com a sétima. Freghieri detém, com 29 anos o record de presenças consecutivas na classificação geral, seguido de Montanari&Grassani publicados regularmente sem interrupções desde há 28 anos, Piccatto há 27 e Brindisi há 24, Torti e Siniscalchi há 21. Os veteranos presentes este ano nesta classificação são Giovanni Ticci que trabalha com personagens bonellianas desde 1957 e Gallieno Ferri que desde 1961 até hoje não foi publicado em apenas dois anos recentes, o mesmo se aplica a Alessandrini, embora a sua carreira tenha um início um pouco mais recente: 1977. Para a série “às vezes retornam”, este ano reapareceram nas páginas bonellianas, Artusi ausente por 11 anos como ilustrador, Dante Bastianoni reaparece após duas décadas e Onofrio Catacchio ausente por 7 anos. Curioso igualmente o caso de Masperi, aparecido até agora nos créditos bonellianos somente em 1995 como desenhador de 18 páginas de Nathan Never, e agora de volta à ribalta como argumentista para a mesma série.

Walter Venturi comparando-se com o "seu" Grande Belzoni

Os ilustradores de capas em 2013 foram 25, um a menos do que no ano do anterior record. Para além dos álbuns inéditos foram chamados desenhadores para ilustrar 15 capas para reimpressões (Dylan Dog e Nathan Never Granderistampa, Dylan Dog Superbook), ocasiões especiais (o volume dedicado a Sergio Bonelli que foi publicado junto com o DVD “Come Tex nessuno mai”) ou edições anexas (Martin Mystère presenta). Abaixo os encontrarão a todos, como sempre por ordem de quantidade de capas realizadas. Uma curiosidade Alessandrini e Di Gennaro surgem ambos com meia capa, porque realizaram a quatro mãos a do mais recente Almanacco del Mistero.

Capista
Capa
Série
Villa
18
Tex
Ferri
17
Zagor
Stano
17
Dylan Dog
Riboldi
14
Dampyr
Di Gennaro
13,5
Le Storie,  Romanzi a fumetti, Martin Mystère
Furnò
12
Saguaro
Giardo
12
Nathan Never
Spadoni
12
Julia
Bertolini
9
Asteroide Argo, Universo Alfa,  Nathan Never Granderistampa
10°
Alessandrini
8,5
Martin Mystère
11°
Matteoni
7
Dragonero
12°
Roi
6
Dylan Dog  Granderistampa
13°
Rotundo
6
Brendon
14°
De Angelis
5
Nathan Never, Agenzia Alfa
15°
Mastantuono
3
Shanghai Devil
16°
Carnevale
3
Orfani
17°
Enoch
2
Lilith
18°
Bianchi
1
Dylan Dog
19°
De Cubellis
1
Dylan Dog
20°
Filippucci
1
Martin Mystère Presenta
21°
Soldi
1
Julia
22°
Venturi A.
1
Tex
23°
Venturi W.
1
Romanzi a fumetti
24°
Viglioglia
1
Brendon
25°
Zuccheri
1
Tex

.
Décima sexta vitória, nona consecutiva, para Claudio Villa. Estreia na editora Bonelli no que diz respeito a capas para dois autores que gozam de grande fama nos Estados Unidos da América: Massimo Carnevale e Simone Bianchi; estreia também nas capas bonellianas para Walter Venturi, Giuseppe Viglioglia e Davide De Cubellis, este último após a experiência como autor das últimas capas de John Doe (Eura Editoriale). Duplo regresso na classificação das capas: reaparecem Andrea Venturi após os primeiros 31 álbuns de Mágico Vento (falamos do final do século passado), e Giuseppe Matteoni depois do primeiro dos Romanzi a Fumetti.

Claudio Villa, o homem das capas

A propósito de Romanzi a Fumetti, este ano provavelmente será a última vez que encontraremos esta série no ranking das séries bonellianas. A classificação das personagens 2013, que podem ver mais abaixo, foi dominada pela 8ª vez, a sétima consecutiva, por Dylan Dog, que pelo terceiro ano totaliza 2438 páginas, record de páginas publicadas num só ano por uma única personagem. Tal registo, segundo rumores, está destinado a ser novamente batido em 2014 pelo Investigador do Pesadelo, no ano do seu renascimento, a ir além das 2500 páginas anuais.

Série
Páginas
Álbuns
Dylan Dog
2438
19
Tex
2258
17
Zagor
2222
17
Nathan Never
1878
16
Julia
1606
13
Dampyr
1590
14
Le Storie
1320
12
Martin Mystère
1148
8
Saguaro
1128
12
10°
Brendon
724
7
11°
Dragonero
658
7
12°
Agenzia Alfa
559
2
13°
Universo Alfa
344
2
14°
Orfani
282
3
14°
Shanghai Devil
282
3
16°
Romanzi a Fumetti Bonelli
261
2
17°
Lilith
250
2
18°
Asteroide Argo
154
1
18°
Storie da Altrove
154
1
20°
MM Presenta
48
0

.
Classificações históricas
.

Com as páginas publicadas este ano, na classificação absoluta de todos os tempos da editora Bonelli, entre os escritores Burattini desaloja Manfredi do sétimo lugar, Chiaverotti rouba uma posição no top ten de todos os tempos a Piani, enquanto Vigna rouba o 18ç posto ao amigo Serra.
Entre os desenhadores, permanece inalterado o Top Ten, mas entre os primeiros vinte ascendem Alessandini e Roi às posições de Guzzon, respectivamente nos 13° e 14° posto, ganhando uma posição a Chiarolla (agora 18°); graças ao segundo pódio consecutivo, chega também aos primeiros vinte lugares Piccato, actual 19°.

Na classificação parcial da segunda década do vigésimo primeiro século, Boselli com a façanha de 2013, já atingiu dois terços das páginas que normalmente são suficientes para ser o escritor mais prolífico de uma inteira década. Em tal caso será uma confirmação visto que Mauro Boselli foi o autor bonelliano mais publicado na primeira década deste século. Até hoje apenas G. L. Bonelli conseguiu impor-se por mais de uma década. A classificação da década para os escritores é bastante estável comparando com 2012, a dos desenhadores por sua vez é mais movimentada, com uma troca na parte superior e quatro novas entradas no top ten. Seguem-se os dois Top Ten da década em curso:

Bonelli anos 10 (2010-2013)
Argumentista
Páginas
Precedente
Desenhador
Páginas
Precedente
Boselli
8029
1(-)
Roi
1452
2()
Ruju
4256
2(-)
Freghieri
1308
1()
Vietti
4160
3(-)
Piccatto
1285
5()
Burattini
3648
4(-)
Mangiantini
1088
4(-)
Mignacco
3503
6(↑)
Enoch
1000
13()
Berardi
3212
8()
Di Clemente
999
6(-)
Manfredi
2994
5()
Diso
930
3(↓)
Chiaverotti
2896
9()
Bonazzi
904
14 ()
Faraci
2663
7()
Laurenti
886
12()
10°
Perniola
2589
10(-)
10°
Boraley
874
16()

.
Classificação por séries


Demos agora uma rápida olhada aos números anuais de cada série.
Comecemos com Brendon: Claudio Chiaverotti com as habituais 724 páginas anuais, é obviamente, por ser o único, o mais publicado entre os escritores; Giuseppe Viglioglia graças às 160 páginas do especial vence entre os desenhadores pela segunda vez, depois do sucesso de 2003.

Para Dampyr foi um ano record para o número de páginas publicadas, precisas 1590. Destas a maior parte foram de Mauro Boselli, pelo 14º ano consecutivo o argumentista mais produtivo com 646 páginas; entre os desenhadores salientamos que pela primeira vez desde a criação da série este ano não foi publicada uma única página de Maurizio Dotti, que continua sendo, de longe, o desenhador mais publicado da série;  primeiro sucesso na série de Draka, para Corrado Roi com 286 páginas.

Dragonero: primeiros “títulos” da série para Stefano Vietti (470 páginas) e Giuseppe Matteoni (348,5 páginas).

Nas várias séries de Dylan Dog entre os escritores confirma-se, pelo segundo ano consecutivo, Giovanni Gualdoni. Vencedor também Luigi Piccatto na categoria dos ilustradores depois do successo de 2004.

Em Júlia vence como tem sido regra Giarcarlo Berardi entre os escritores com as habituais 803 páginas anuais, enquanto entre os desenhadores impõe-se pelo segundo ano consecutivo Steve Boraley, com 252 páginas.

Nas série relacionadas com Martin Mystère vence o seu sexto “título” Carlo Racagno com 436 páginas; empate por sua vez entre os desenhadores do Detective do Impossível: Giancarlo Alessandrini e Alfredo Orlandi totalizaram ambos 250 páginas publicadas, tratandose-se respectivamente do quinto e do primeiro sucesso anual na série. Curiosidade: Giancarlo Alessandrini volta a realizar um almanaque do mistério após 26 anos, após aquele no longíquo ano de 1987 em que Castelli criou uma nova edição fora de série “natalício” para o seu Detective do Impossível e que em seguida foi copiado ao longo dos anos por outras personagens da editora Bonelli.

Treze foram os escritores empenhados este ano com Nathan Never: para a série é o record; destes o mais publicado pela primeira vez  foi Mirko Perniola com 642 páginas. Curiosamente é a primeira afirmação também para o veterano Romeo Toffanetti que lidera a classificação anual dos desenhadores com 281 páginas publicadas.

Para a recém criada série Órfãos, primeiro título para Roberto Recchioni e triplo empate entre os desenhadores envolvidos até agora, Emiliano Mammucari, Alessandro Bignamini e Gigi Cavenago.

Em Saguaro vence Bruno Enna, obviamente, entre os escritores e Marco Foderà entre os desenhadores.

Le Storie: Primeira vitória anual para Bilotta entre os escritores e Ambrosini entre os desenhadores, ambos com 220 páginas publicadas nesta série iniciada em 2013.

Em Tex sétima vitória na série para Boselli com 1722 páginas dedicadas ao Ranger, record pessoal na série, mas não absoluto por um escritor: em 2003 Nizzi viu publicadas 1768 páginas. Primeiro sucesso, e logo na sua estreia, entre os desenhadores para Lito Fernandez com as 316 páginas publicadas no Maxi.

Ano record com 2222 páginas inéditas publicadas também para Zagor. Burattini com 840 páginas, conquistou a 21ª vitória anual, 16 consecutiva; Sedioli, pela segunda vez depois do ano record de 2008, destaca-se com 299 páginas entre os desenhadores do Espírito com a machadinha em 2013.

33 os álbuns especiais, dois a menos comparativamente com o ano passado. O argumentista mais publicado nestes volumes extras foi, pela primeira vez, Mauro Boselli com 1018 páginas; algumas destas páginas, mais precisamente 316, são as desenhadas por Lito Fernandez que desse modo acaba também por ser o desenhador mais publicado nesta categoria. Gallieno Ferri, Angelo Stano e Roberto De Angelis são os autores das capas mais “especiais” de 2013 com cinco capas fora de série para cada um; cinco capas que levaram  Gallieno Ferri, primeiro entre todos, a alcanºar a quota 100 no que diz respeito a capas fora de série.

Por este ano é tudo. Bom Ano Novo a todos os leitores.

Saverio Ceri

Material apresentado no blogue Dime Web em 24/12/2013; Tradução e adaptação (com a devida autorização): José Carlos Francisco.
Copyright: © 2013, Saverio Ceri

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

5

As valiosas carteiras de cromos de Tex

dezembro 30, 2013
Tags:

As valiosas carteiras de cromos de Tex

Por José Carlos Francisco

O coleccionismo é a prática que as pessoas têm de guardar, organizar, seleccionar, trocar e expor diversos itens por categoria, em função dos seus interesses pessoais e um dos itens com mais coleccionadores são os cromos.

Álbum e cromos italianos de Tex

Caderneta de cromos, álbum de cromos ou álbum de figurinhas, como dizem os nossos pards brasileiros, é uma publicação onde são colados os ditos cromos (o ritual de abrir as carteiras de cromos ajoelhado na alcatifa da “sala de visitas” e colá-los, foram momentos que ainda hoje recordo com satisfação). Tais álbuns tem reservado espaço para os cromos, sendo estes vendidos separadamente de forma aleatória em carteiras (booster stickers).

O passatempo de coleccionar cromos consiste em completar o álbum, comprando novos pacotes e trocando os cromos repetidos com outros coleccionadores. Há vários temas que podem ser abordados por colecções de cromos, como desportos, música, mundo animal, história e até personagens de banda desenhada, como é o caso específico que abordamos hoje: Tex Willer!

O álbum de cromos de Tex saiu na Itália no longínquo ano de 1979, cerca de trinta anos após o nascimento do Ranger e foi publicado pela editora Edyboy em colaboração com a Daim Press, actual Sergio Bonelli Editore.

A capa do álbum foi desenhada para a ocasião por Aurelio Galleppini no estilo Almanacco del West. Os cromos reproduzem várias vinhetas originais e histórias de Tex com a diferença de que foram coloridas para a ocasião. Naturalmente é um álbum que tem as suas virtudes, mas também os seus defeitos. É um produto que pertence a uma época, aquela dos cromos, que já não está tanto na moda entre os rapazes (e raparigas) de hoje. É no presente uma peça de colecção bastante raro e caro, mas igualmente valiosas são as duas carteiras de cromos de Tex (tanto na versão azul como na vermelha), que mesmo abertas (embora devendo estar obrigatoriamente em bom estado de conservação) chegam a ser negociadas na Itália por valores exorbitantes.

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

1

Póster Tex Nuova Ristampa 222

dezembro 29, 2013

Póster Tex Nuova Ristampa 222

Nesta nova ilustração nocturna de Claudio Villa vemos num bosque próximo da Missão de Santa Rita Tex Willer, de binóculos em punho, na companhia de uma patrulha de “Rurales observando um bando de yaquis e comanches, mais precisamente os capachos de El Lobo, que conduziam uma manada roubada, com cerca de duas mil cabeças, que passava a poucas centenas de metros do bosque.

Desenho INÉDITO no Brasil e inspirado na história “Pista di morte”, de G. L. Bonelli e Fabio Civitelli (Tex italiano #319 a #321).
(Para aproveitar a extensão completa do póster, clique no mesmo)

Texto de José Carlos Francisco

1

A homenagem de Bira Dantas a José Ortiz

dezembro 28, 2013

A homenagem de Bira Dantas a José Ortiz

Por Bira Dantas

Só posso dizer que acompanho o seu trabalho desde que vi a sua arte na saudosa Ebal nos anos 70.
A sua arte fez-me acompanhá-lo na revista Kripta.
Os álbuns europeus com os seus traços surpreenderam-me.
Segui amealhando os seus quadradinhos aqui e acolá.
Jayme Cortez havia me ensinado isso: seguir os Mestres verdadeiros.
Quando o vi desenhando o TEX, fiquei feliz.
Durante 45 anos os desenhos maravilhosos, luz e sombra cinematográficos e a arte-final perfeita de José Ortiz encheram-me os olhos.
Agora enchem-se de lágrimas, pois o que viria pela frente só poderá ser realizado em outro plano.
Vida longa ao Mestre José Ortiz!

A homenagem de Bira Dantas a José Ortiz

(Para aproveitar a extensão completa da ilustração, clique na mesma)

5

Chegou o Almanaque Rocky Lane para 2014

dezembro 27, 2013

Chegou o Almanaque Rocky Lane para 2014

Já saiu, no Brasil, o Almanaque Rocky Lane para 2014, como nos velhos tempos, editado pelo Mestre Primaggio Mantovi, seu desenhador na Rio Gráfica Editora!

Primaggio Mantovi, José Carlos Francisco e Fabio Civitelli em São Paulo, 2010

.
O desenhador e escritor ítalo-brasileiro (nascido na Itália em 1945 e radicado no Brasil desde 1954) Primaggio Mantovi lançou recentemente no Brasil, de forma independente, o Almanaque Rocky Lane, reeditando as histórias clássicas do famoso cobói norte-americano, publicadas originalmente nos anos de 1960, pela RGE.

Celebrado como mestre dos quadradinhos Disney, Primaggio começou a sua carreira em 1964, desenhando as aventuras de Rocky Lane, herói do cinema nos anos 40 do século passado.

Esta edição especial é completada pela biografia da clássica personagem, além de filmografia, cartazes e fotos dos filmes e capas das revistas estreladas por ele no Brasil, trazendo ainda artigos com depoimentos sobre a passagem de Primaggio pela RGE e o seu estilo de escrever roteiros e desenhar histórias e capas de revistas de banda desenhada.

Lançamento Almanaque Rocky Lane 2014

Uma edição verdadeiramente imperdível que pode ser adquirida contactando o próprio Primaggio Mantovi para o e-mail primaggio@gmail.com

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

1