Tex Willer e Águia da Noite na bela arte de Fabio Civitelli

março 15, 2016

Tex Willer e Águia da Noite na bela arte de

Fabio Civitelli

Tex Willer na arte de Fabio Civitelli

Águia da Noite na arte de Fabio Civitelli

(Para aproveitar a extensão completa dos desenhos acima, clique nos mesmos)

0

Chegou a Portugal o material da SBE para a 3ª Mostra do Clube Tex Portugal

março 14, 2016

Chegou a Portugal o material da SBE para a

3ª Mostra do Clube Tex Portugal

Por José Carlos Francisco


Já chegou a Portugal, mais precisamente à cidade de Anadia, o material enviado pela Sergio Bonelli Editore para a 3ª Mostra do Clube Tex Portugal, a realizar nos dias 23 e 24 de Abril no Museu do Vinho Bairrada, localizado na capital bairradina, material esse que já está a ser devidamente emoldurado e pronto a ser exposto no dia 16 de Abril, dia em que será feita a montagem da Exposição num dos fascinantes Salões do Museu presidido pelo Exmo. Senhor Doutor Pedro Dias.


Tratam-se de 12 pranchas da autoria de Maurizio Dotti, apreciado desenhador de Tex que estará presente neste 3º evento do clube português do Tex, seleccionadas pelo próprio autor que pretendem dar, aos visitantes da 3ª Mostra do Clube Tex Portugal, uma visão geral acerca de uma colaboração especial deste consagrado desenhador italiano para com a Sergio Bonelli Editore, ou seja, pranchas da história (inédita na Itália) escrita por Mauro Boselli e intitulada “Rio Quemado“.


E outras 12 pranchas da autoria de Massimo Rotundo, todas elas da prestigiada aventura “Tempesta su Galveston” (“Tempestade em Galveston“), a mais recente edição do Tex Gigante onde Tex e Carson dirigem-se a Galveston para entregarem ao xerife local um dos membros de um bando de assaltantes que tinham perseguido e abatido nas imediações da cidade, acabando por se ver envolvidos numa história de um tesouro escondido.


(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

0

Vídeo: Entrevista com o coleccionador Edemar Schnornberger

março 13, 2016

Vídeo: Entrevista com o coleccionador

Edemar Schnornberger

Edemar Schnornberger e a sua paixão pelo mundo de Tex

A TV Informativo, um canal de televisão apresentado no canal 20 da NET, que apresenta notícias e novidades da região do Vale do Taquari, no estado brasileiro do Rio Grande do Sul, através do programa “Colecionismo” apresentado por David Orling entrevistou recentemente um dos maiores fãs e coleccionadores brasileiros de Tex: Edemar Schnornberger.

Edemar Schnornberger que abriu as portas de sua casa para dar a conhecer a sua fantástica colecção, ao mesmo tempo em que conta a sua história de vida com o Ranger como se pode ver de seguida no excelente vídeo que apresentamos de seguida:

(Para aproveitar a extensão completa da fotografia acima, clique na mesma)

4

A página de homenagem a Tex realizada por Gabriel Baltazar Souza

março 12, 2016

A página de homenagem a Tex realizada por

Gabriel Baltazar Souza

Por José Carlos Francisco

Gabriel Baltazar Souza e a sua paixão pelo Western

O blogue português do Tex dá hoje a conhecer, aos seus leitores, uma página de homenagem a Tex na belíssima arte de Gabriel Baltazar Souza.

Apreciador de quadrinhos, como é conhecida a banda desenhada no Brasil,  desde o berço, influenciado pelo pai que é coleccionador e que em bons tempos teve aproximadamente 3000 histórias de banda desenhada Gabriel Baltazar Souza é um talentoso fã com (muito) jeito para a nona arte.

Com dez anos de idade leu a sua primeira edição de Tex, mais precisamente a Edição Histórica nº 7 e desde então não parou mais, tendo inclusive concluído o curso de História em Quadrinhos da Gibitéca de Curitiba.

Actualmente faz fanzines tendo ilustrado há não muito tempo também um livro, tendo ainda um blogue com desenhos seus mas também da sua esposa Angel, que também é ilustradora, blogue esse que pode (e deve) ser visitado clicando AQUI, mas antes veja então a magnífica página de homenagem ao Ranger feita por Gabriel Baltazar Souza:

Página de homenagem a Tex realizada por Gabriel Baltazar Souza

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

0

Tex: “Patagónia” (da Polvo) na análise de João Ramalho-Santos

março 11, 2016

Tex: Patagónia(da Polvo)

na análise de João Ramalho-Santos

Tex: Patagónia

Por João Ramalho Santos [*]

Algumas personagens, autores ou locais tornam-se, por diferentes motivos, figuras de culto. A admiração profunda de leitores pode ser sinal de um universo fascinante, ou de provincianismo “geek”. Ou algo de intermédio. Depende, como sempre, da perspectiva de quem aborda cada fenómeno, seja visitar a Dublin de Joyce, as convenções de “Trekkies” (fãs de “Star Trek”) ou procurar sinais de Corto Maltese em Veneza. Mas em banda desenhada dificilmente se encontra um fenómeno como Tex Willer.

Criado pelo argumentista Gian Luigi Bonelli e pelo desenhador Aurelio Galleppini na Itália do pós-guerra (1948) à primeira vista pouco distingue “Tex” de outros registos em que autores europeus recriaram/reinterpretaram o Velho Oeste norte-americano, como antes o escritor alemão Karl May, como mais tarde os também italianos filmes de “Western Spaghetti”. Mesmo em banda desenhada os exemplos abundam, como “Jerry Spring” (criado por Jijé em 1954) ou “Blueberry” (Charlier/Giraud, 1963). “Tex” tem, no entanto, um apelo que transcende o mero fascínio pela iconografia do “Western” (Gary Cooper terá inspirado a personagem) e a sua clássica dicotomia Bem/Mal. Desde logo o volume de histórias, patente ainda hoje nas versões brasileiras em qualquer (sobrevivente) banca nacional de jornais e revistas. Imitando a estratégia de produção em massa dos super-heróis as BDs de “Tex” foram/são criadas por vários autores. No entanto há uma manutenção de linha editorial impressionante ao nível do desenho e do argumento. “Tex” pode ser reajustado levemente, mas nunca é reinventado, como o foram quase todos os super-heróis, a essência mantém-se constante. Claro que há autores mais talentosos do que outros, mas “Tex” não desce abaixo de um patamar mínimo de qualidade; embora esse patamar (histórias muito repetitivas e previsíveis, e um desenho meramente funcional) apenas seja aceitável para os convertidos que retribuem a fidelidade, e pouco interesse a um leitor de banda desenhada com algum critério.

Arte de Pasquale Frisenda em Patagónia

Então porquê falar de “Tex”? Porque há histórias que transcendem em muito a média. Aproveitando a popularidade da personagem em Portugal a Polvo recuperou uma delas, “Patagónia”. Com um desenho muito elegante e detalhado de Pasquale Frisenda, no registo realista habitual em “Tex”, o argumento de Mauro Boselli é de facto muito interessante. Primeiro, desloca a personagem para as pampas, fazendo um “Western” mais a sul, revisitando situações familiares numa nova geografia. Depois identifica e trabalha as contradições do universo. É que, se “Tex” é um justiceiro “freelancer” como convém a qualquer herói, há uma vertente humanista em relação ao que estava em jogo na época, refletida no facto de a personagem ser igualmente “Águia da Noite”, chefe honorário dos Navajos. Ou seja, “Tex” é simultaneamente “cowboy” e índio. E sabe-se qual foi o resultado desse embate, na Patagónia como no Arizona, mesmo que não transpareça sempre na ficção. Boselli não foge ao posicionamento contraditório, por vezes ingénuo, de “Tex”.

Para além de personagens complexas, o tom de “Patagónia” é de um realismo cruel, em que a boa vontade e a razoabilidade no diálogo entre culturas esbarram na ambição (ou no “realismo”?). O desmoronar gradual da missão justiceira num genocídio em que o herói, apesar de cumprir tudo o que dele se espera, apenas limita o inevitável é uma construção inteligente na sua inexorabilidade, e o desenho vibrante de Frisenda sublinha, com alguma ironia, a desilusão inerente. Celebrando “Tex” sem o trair, mas também sem negar a História em que se insere, “Patagónia” é um complexo “Western” atípico, que se recomenda.

Patagónia. Argumento de Mauro Boselli, desenhos de Pasquale Frisenda. Polvo. 228 pp., 17 Euros.

[*] Texto originalmente publicado no blogue “As sequências rebeldes” em 8 de Fevereiro de 2016.

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

0

Póster Tex Nuova Ristampa 259

março 10, 2016

Póster Tex Nuova Ristampa 259

Emocionante ilustração de Claudio Villa onde vemos Tex Willer, em plena fortaleza malaia do Tigre Negro, prestes a iniciar uma luta  contra os dois temíveis guardiões do príncipe de Sumarkan.

Desenho INÉDITO no Brasil e inspirado na história “Un artiglio nel buio”, de Claudio Nizzi e Claudio Villa (Tex italiano #381 a #384).
(Para aproveitar a extensão completa do póster, clique no mesmo)

Texto de José Carlos Francisco

0

PRANCHAS INÉDITAS de Alessandro Nespolino a Alessandro Piccinelli passando por Stefano Biglia, Enrique Breccia e Majo Rossi

março 9, 2016

PRANCHAS INÉDITAS de Alessandro Nespolino

a Alessandro Piccinelli passando por Stefano

Biglia, Enrique Breccia e Majo Rossi

Hoje no blogue do Tex vamos dar, uma vez mais, conhecimento aos nossos leitores de algumas páginas INÉDITAS de Tex que estão sendo desenhadas por alguns dos grandes nomes do staff de Tex, de Alessandro Nespolino a Alessandro Piccinelli passando por Stefano Biglia, Enrique Breccia e Majo Rossi.

Prancha inédita de Alessandro Nespolino de uma história a ser publicada em 2016

Página 109 da história que Alessandro Piccinelli está a desenhar e trará o regresso de Lupe

Prancha inédita de Stefano Biglia que será publicada este ano

Página de um futuro Tex Gigante desenhado por Enrique Breccia

Página (parcial) 286 da história que está a ser desenhada por Stefano Biglia

Majo com uma página do seu Tex Gigante em produção

Enrique Breccia com o peso do seu Texone (que será publicado em Junho) nos braços

Stefano Biglia com uma página inédita da história que está a desenhar com textos de Mauro Boselli

Alessandro Piccinelli com uma prancha da história de Mauro Boselli que trará o regresso de Lupe

(Para aproveitar a extensão completa  das imagens acima, clique nas mesmas)

5