A experiência PORTUGUESA de Keiko Ichiguchi (esposa de Andrea Venturi) – Parte 6

setembro 1, 2017

A experiência PORTUGUESA

de Keiko Ichiguchi

(esposa de Andrea Venturi)
-
Parte 6

Keiko Ichiguchi, desenhadora e esposa do grande, e também desenhador, Andrea Venturi, fez questão de homenagear a 4ª Mostra do Clube Tex Portugal e a sua passagem por Portugal, publicando as suas impressões pessoais sobre esta sua experiência portuguesa no seu blogue pessoal “KeikoSan”!

Para ler a PARTE 1 da sua experiência portuguesa, clique AQUI!

Para ler a PARTE 2 da sua experiência portuguesa, clique AQUI!

Para ler a PARTE 3 da sua experiência portuguesa, clique AQUI!

Para ler a PARTE 4 da sua experiência portuguesa, clique AQUI!

Para ler a PARTE 5 da sua experiência portuguesa, clique AQUI!

Por Keiko Ichiguchi [1]

Das grandes janelas do Museu do Vinho Bairrada em Anadia (Portugal), local onde se desenrolava o quarto evento do Clube Tex Portugal, vislumbrava-se esta vista:

Serão umas caves? Bem, vou ver.
Então saí sozinha do museu.

A cor do céu, talvez até o ar, pareciam-me um pouco diferente de Itália.

Era um fim de tarde de sábado. Mas não via ninguém na rua. Seria por se tratar de uma pequena cidade? Eu senti-me um pouco como se estivesse a andar pelo meio de um set cinematográfico de um filme Western.

As paredes de pedra, plantas de cor verde acinzentadas, uma pequena cidade silenciosa…

Quase irreais…
Então, inesperadamente apareceu este portão:

Um portão do paraíso?!

O portão estaca escancarado. Bem, eu vou em frente! E eis, cheguei ao edifício que eu vi do museu do vinho.

Ao lado do edifício havia esta árvore enorme cheia de pequenas flores roxas:

Para mim, as coisas mais impressionantes desta pequena cidade foram essas flores. Muitas ruas estão decoradas com estas árvores. Em certos locais até parece uma névoa roxa. As suas flores tinham um aroma semelhante, mas muito mais delicado, do que o do jasmim.


Infelizmente à volta do museu não havia nenhuma:

Então dirigi-me para outro portão que estava à minha frente. Ao passar o portão, olhei para trás…
E vi uma placa.

“Património do estado”.

Eh?! Esta vinha é património do estado?! Não havia ninguém de guarda! Eu entrei sem nenhuma permissão!!

Este relaxamento demonstra o quão segura é esta cidade?

Fui caminhando por cerca de uma hora, mas encontrei apenas alguns habitantes.
O sol já se estava a pôr. Desfrutei desta vista tranquila…

O cemitério da cidade. Isto também me trouxe à lembrança cenas de um filme western… Não, pelo contrário, fez-me pensar nos países sul americanos que eu tinha visto em filmes.

Naquele momento lembrei-me de algo óbvio, “É verdade, Portugal colonizou a América do Sul.” Realmente, quem levou os arcabuzes pela primeira vez ao Japão foram os portugueses.

Portugal. Um antigo gigante marítimo que colonizou a América do Sul juntamente com a Espanha. Hoje há apenas um aroma delicado das flores roxas.

P.S. – Descobri o nome das árvores com as flores roxas que eu vi em Anadia; chamam-se Jacarandás. São originárias da América do Sul, América Central, etc.. Regressei a Itália com uma haste que eu encontrei sob uma dessas árvores. Meti-a num dos bolsos do meu casaco e esqueci completamente. Mas cerca de um mês depois encontrei-a por acaso. Sem muita esperança, plantei-a… Agora brotou! Wow! Crescerá…?

A minha viagem portuguesa continua no próximo episódio >

[1] (Texto publicado originalmente no blogue “KeikoSan, em 22 de Agosto de 2017)

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

2 Responses to “A experiência PORTUGUESA de Keiko Ichiguchi (esposa de Andrea Venturi) – Parte 6”

  1. Adoro esse diário de viagem, isso daria um livro lindo :-)

  2. E a Keiko ainda tem muito para contar sobre os dias passados em Portugal. Aguarde pelos próximos ‘episódios’ ;-)

Leave a Reply