A experiência PORTUGUESA de Keiko Ichiguchi (esposa de Andrea Venturi) – Parte 5

agosto 20, 2017

A experiência PORTUGUESA

de Keiko Ichiguchi

(esposa de Andrea Venturi)
-
Parte 5

Keiko Ichiguchi, desenhadora e esposa do grande, e também desenhador, Andrea Venturi, fez questão de homenagear a 4ª Mostra do Clube Tex Portugal e a sua passagem por Portugal, publicando as suas impressões pessoais sobre esta sua experiência portuguesa no seu blogue pessoal “KeikoSan”!

Para ler a PARTE 1 da sua experiência portuguesa, clique AQUI!

Para ler a PARTE 2 da sua experiência portuguesa, clique AQUI!

Para ler a PARTE 3 da sua experiência portuguesa, clique AQUI!

Para ler a PARTE 4 da sua experiência portuguesa, clique AQUI!

Por Keiko Ichiguchi [1]

Eu aprecio vinho. Agradam-me os museus. Assim sendo, eu não podia deixar de visitar o Museu do Vinho onde se desenrolava o evento organizado pelo Clube Tex Portugal.

A propósito desta cidade que se chama Anadia, encontra-se a cerca de três horas de Lisboa viajando-se de carro. A sua área é mais de 8 vezes maior do que a da minha cidade natal no Japão, mas a sua população é quase um quarto. Caramba! De facto inicialmente eu tive a impressão que era bastante vazia, mas depois reparei que era cheia de vinhas.

Tanto da janela do quarto do hotel…

Como por trás do museu…


Inclusive no almoço em casa do José Carlos Francisco, o presidente do Clube Tex Portugal, havia em cima da mesa uma garrafa de vinho português.


Vinho verde… Bem, efectivamente parecia um pouquinho verde. Era bom! Muito bom! Bom odor a fruta, sabor fresquíssimo e com uma graduação alcoólica relativamente baixa… Assim eu pude bebê-lo como se fosse água! É perigoso!!!

Falando do Museu do Vinho Bairrada, imagino que este museu seja uma demonstração do orgulho das gentes locais relativamente ao seu vinho.


Talvez por isso(?) também os instrumentos agrícolas estavam expostos de uma maneira muito elegante.


Vejam as enxadas! ENXADAS! Parecem uma obra de arte moderna!! Que iluminação genial!

Penso que seja um instrumento para esmagar as uvas…


Que beleza… É quase solene…

E depois, a certo ponto já não compreendo para que servem alguns instrumentos (sobretudo porque infelizmente as explicações são apenas em português)


Vindo do mundo de Steampunk?


Este instrumento parece uma pequena torre de metralhadoras de um bombardeiro de um filme de ficção científica.


Parece o Santo Graal. Mas são cálices e porta garrafas, certo?


Inclusive os instrumentos que os sommelier (profissional especializado, encarregado em conhecer os diferentes tipos de vinhos) usam  para provar o vinho parecem sagrados devido à toalha de cor bordeaux  e às luzes colocadas de forma estratégica.


Vendo estes objectos recordei-me da palavra “valorizzare” (“valorizar). Estas exposições fizeram com que eu visse a beleza estética dos instrumentos agrícolas.

MAS! Depois destas elegantes exposições, esperava-me uma surpresa absolutamente surpreendente!!
Ei-la:

Madonna mai…!! Não, não posso dizer em italiano

Sendo Portugal um país muito católico e tendo as pessoas uma fé concreta, fiquei muito admirada com esta estátua. Mas nesta região  consome-se muito leitão, por isso acredito que também o leitão seja considerado sagrado. Pode ser!
E além disso esta estátua é muito agradável!!!

A minha viagem portuguesa continua no próximo episódio >

[1] (Texto publicado originalmente no blogue “KeikoSan, em 14 de Agosto de 2017)

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

Leave a Reply