As Leituras do Pedro: J. Kendall – Aventuras de uma criminóloga #124 – “Faixa preta” e “O caso dos Grafites Apagados”

março 17, 2017

As Leituras do Pedro*

J. Kendall #124 – Aventuras de uma criminóloga

Faixa preta
Berardi e Mantero (argumento)
Pittaluga e Antinori (desenho)

O caso dos Grafites Apagados
Berardi e Mantero (argumento)
Antinori e Pittaluga (desenho)
Histórias originalmente publicadas em Julia #142 e em Almanacco del Giallo 2011

Mythos Editora
Brasil, Setembro/Outubro de 2016
135 x 180 mm, 224 p., pb, capa mole, bimestral
R$ 23,90 / 8,00 €

Madura ou jovem

No promissor início da sua publicação no Brasil, para além da colecção regular, J. Kendall teve direito a seis edições especiais, anuais, com as histórias da jovem Julia, ainda estudante de criminologia na faculdade. Agora, noutro contexto editorial, menos auspicioso, essa jovem Julia surge no título regular, a partir desta edição #124 e até se esgotarem as quatro narrativas ainda inéditas no Brasil. Para além de suprir uma lacuna, é também uma forma de o editor garantir estabilidade do preço (no Brasil, descida em Portugal face à queda do real) pela redução do número de páginas totais.

Em Faixa preta, o relato da Julia madura que nós melhor conhecemos, encontramo-la à procura de melhorar as suas noções de defesa pessoal – face aos riscos acrescidos que tem sofrido nos últimos casos… – o que acabará por a envolver com o assassinato de um homem, mesmo que numa primeira fase tudo pareça indicar acidente automóvel. Como habitualmente, o aprofundar das investigações vai revelar aspectos menos claros da vida da vítima, questionar relacionamentos, desvendar segredos (mal) escondidos, em mais um mergulho no comportamento social e individual dos habitantes de Garden City, que mais não são do que espelhos dos seres humanos com quem nos cruzamos.


Quanto a O Caso dos Grafites Apagados, revela-nos uma jovem Julia (ainda?) impetuosa, (já) insegura e à procura de si própria e do seu lugar, a braços com a morte de um jovem que acabara de conhecer, famoso pelos grafitis que exibia nalguns locais da cidade. Descoberto todo coberto com tinta branca, ao mesmo tempo que as suas pinturas começam a desaparecer pelo mesmo método, esta será uma corrida de Julia contra o tempo para descobrir qual o segredo que aquelas pinturas urbanas revelavam.


*Pedro Cleto, Porto, Portugal, 1964; engenheiro químico de formação, leitor, crítico, divulgador (também no Jornal de Notícias), coleccionador (de figuras) de BD por vocação e também autor do blogue As Leituras do Pedro
(http://asleiturasdopedro.blogspot.com/).

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

Leave a Reply