As Leituras do Pedro: J. Kendall – Aventuras de uma criminóloga #117 – “Pela melhor oferta” e “Os suicidas”

fevereiro 14, 2016

As Leituras do Pedro*

J. Kendall – Aventuras de uma criminóloga #117
.

Pela melhor oferta
Giancarlo Berardi e Lorenzo Calza
(argumento)
Roberto Zaghi
(desenho)

Os suicidas
Giancarlo Berardi e Maurizio Mantero
(argumento)
Enio
(desenho)

Mythos Editora
Brasil, Julho/Agosto de 2015
135 x 180 mm, 260 p., pb, capa mole, bimestral
R$ 20,50 / 10,00 €

Um registo diferente, na continuidade da série, abre mais um volume – duplo – de J.Kendall – Aventuras de uma criminóloga, actualmente distribuído em Portugal.

A novidade de Pela melhor oferta, vem do esquema narrativo escolhido: a fazer recolha de informação para um livro a editar proximamente, a jornalista Tina Davis, da Garden TV entrevista longamente o sargento ‘Big’ Ben Irving sobre um caso que resolveu em parceria com Julia.

É o caso do desaparecimento de uma estudante universitária, cuja investigação – recheada de inflexões – vai mergulhar no submundo do sexo no ciberespaço, enquanto aborda questões sociais prementes e relevantes: as relações pais/filhos, a facilidade da mentira, a falta de objectivos, a busca de soluções fáceis, como a origem dos perigos está muitas vezes onde menos se espera…

Se, em termos temáticos, esta opção nada altera nas linhas mestras da série, oferece o protagonismo a Tina Davis e Ben Irving e abre uma oportunidade para aprofundar o carácter de ambos e de dar espessura – e no caso deste último também humanidade, pela situação em que (oniricamente?) se vê envolvido – a duas personagens recorrentes, secundárias, sim, mas fundamentais no universo que Berardi criou e que com mestria tem desenvolvido de forma global e coerente. Ao mesmo tempo, de forma menos evidente, mas talvez até mais forte, revela (muito) mais sobre Rose Irving, tantas vezes presente sob um manto de invisibilidade cujas razões este caso agora (re)contado ajuda a perceber.


O mesmo se passa, de certa forma, em Os Suicidas, segundo conto deste volume, em que a passagem de Julia por Dunveary, cidade natal do Dr. Tait, é o pretexto para dar protagonismo ao médico forense de Garden City, numa investigação sobre o (eventual) suicídio, a intervalos regulares, de 11 jovens locais, no que parece ter como ponto de partida um pacto comum.

Dessa forma, a temática encontra diversos pontos de ligação com a história anterior e confere a este número de J. Kendall – Aventuras de uma criminóloga, uma consistência ainda maior do que a que habitualmente existe.


(Pranchas provenientes do blogue pessoal de Roberto Zaghi)

*Pedro Cleto, Porto, Portugal, 1964; engenheiro químico de formação, leitor, crítico, divulgador (também no Jornal de Notícias), coleccionador (de figuras) de BD por vocação e também autor do blogue As Leituras do Pedro (http://asleiturasdopedro.blogspot.com/).

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

Leave a Reply