Um Porto de Honra para Fabio Civitelli e Dorival Vitor Lopes

Por José Carlos Francisco (texto e fotos), Carlos Moreira (fotos)  e Orlando Santos Silva (fotos)

Para assinalar a presença de Fabio Civitelli e Dorival Vitor Lopes na cidade do Porto, a propósito do MAB Invicta 2012, os pards texianos portugueses ofereceram-lhes um Porto de Honra servido no final de uma visita guiada às prestigiadas Caves Sandeman (fundada em 1790 por George Sandeman, membro de uma antiga família escocesa), num circuito onde foi explicado todo o processo de fabrico e armazenamento de um dos mais famosos vinhos do mundo, sendo revelados os segredos da mais antiga região demarcada de vinho a nível mundial!

Majestosamente situada em frente ao centro histórico do Porto, num edifício de granito de 1811, com vista para o rio Douro, The House of Sandeman  foi o local para dar a conhecer aos ilustres Texianos uma experiência plena de mistério e sensualidade, num ambiente tradicional e contudo cosmopolita, isto porque Fabio Civitelli e Dorival Vitor Lopes na companhia de diversos fãs de Tex (acompanhados das respectivas famílias), provaram e celebraram o vinho generoso na cave do prodigioso entreposto Sandeman de Vila Nova de Gaia. Sentiram-se ambos embevecidos pelas fragrâncias que envolviam o íngreme empedrado da calçada. Depois, na atmosfera daquela fortaleza imponente, daqueles armazéns e sede de uma das mais prestigiadas empresas de vinho do Porto, a beatitude vínica convidou à contemplação.

Ao entrarmos, ressoava a colheitas que aromatizam aquele templo, guardião de seculares e requintadas essências. É o coroar do sangue da terra arrancado ao xisto e torriço do alto Douro. Respirávamos vinhos adormecidos, lentamente envelhecidos no fantástico “bebedouro”, o maior do País, testemunha de dramas, suores, glorificações. Um património de saberes ao longo de formidáveis corredores, num museu cheios de maravilhas ligadas às mais belas sensações báquicas colecção de garrafas, quadros, documentos, antigos laboratórios e instrumentos de medição, panos de azulejos, mobiliário, travejamentos.

Caves, catacumbas. Silêncios enredados em fungos, milhões de garrafas, montes de tonéis, balseiros, pipas, ondas de pipas, labor de mestres de tanoaria, inclusive do tempo da tanoaria a vapor. Nestas clausuras pontificadas pela serenidade de espírito, até o sublime instante do desarrolhar, Fabio Civitelli, Dorival Vitor Lopes e todos os restantes pards percorremos mundos de visões e sensações. Por fim, pausa no esclarecimento do guia ou nas imagens do vídeo, pois já os cálices de ruby ou tawny reluziam, estimulando brindes “ao Tex”, quantas vezes travos de preciosidades gustativas com mais de cem anos de aformoseamento. O carácter, a pujante natureza de vintages e de reservas, o prestígio de lotes aveludados, doces, frutados, redondos, leves, delicados, sedosos, persistentes, com picante a especiarias. Vinhos complexos e elegantes, taninos que se pretendem equilibrados. Que bouquet!

Tradição e história encantando os Texianos que puderam ainda comprar o vinho fino da sua eleição. Vinho para mais tarde recordar, para solenemente saborear as emoções “vindimadas” no MAB Invicta…

(Para aproveitar a extensão completa das fotos acima, clique nas mesmas)

4 Comentários

  1. Foi uma visita memorável. E o vinho muito bom. Tanto, que comprei uma garrafa. Chegado à rua, para tirar mais uma foto na zona ribeirinha, do lado de Gaia, máquina na mão, saco com a garrafa, guarda chuva… Cai o saco no chão, rebenta a garrafa, vinho do Porto a sair pelo saco. Passa um casal espanhol por mim, vendo o meu desespero diz “bebe, bebe!” apontando para o saco que escorria vinho por todos os lados. Sentia-me tão mal, que decidi voltar às Caves Sandeman (só tinha andado poucos metros), expliquei o acidente e trocaram a garrafa! Uma enorme gentileza, obrigado Sandeman!! Ganhei o dia e voltei para junto dos companheiros texianos.

  2. Não há dúvida de que o generoso vinho do Porto inebriou o Zé Carlos, estimulando-lhe a prosa e o talento criativo… e de que maneira!
    Muitos parabéns por esta reportagem! Como já comentou um texiano (o G. G. Carsan), o Zeca virou repórter e cronista literário, “com as palavras na ponta dos dedos“, tornando este blogue, em todos os sentidos, ainda mais valioso.

  3. Sois uns alcólicos!

    E eu um invejoso!

    Já visitei essas caves há muitos anos atrás, mas a companhia não era tão interessante!!!

  4. Bela manhã de domingo passada com grandes amigos.
    Orlando esqueceste de dizer que partiste a garrafa porque já tinhas bebido duas lá dentro! eheheheheh

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *