Tex Série Normal: Conspiração no Canadá

Conspiração no CanadáArgumento de Claudio Nizzi, desenhos de Ferdinando Fusco e capas de Claudio Villa.
Com o título original Athabasca Lake, a história foi publicada em Itália nos nº 530 a 533 e no Brasil pela Mythos Editora nos nº 436 a 439.

 
Acusado de espionagem, o coronel Jim Brandon é condenado por um tribunal militar a prisão perpétua e trabalhos forçados. Para todos os que o conhecem esta decisão do tribunal é injusta, mas na verdade, o coronel foi vítima de uma terrível conspiração e todos os indícios apontam para a sua culpa. Gros-Jean escreve a Tex contando-lhe o sucedido e o ranger está de volta ao Canadá juntamente com os seus pards.
Enquanto não consegue provar a inocência do seu amigo, Tex planeia a sua fuga da penitenciária. Mas altas patentes políticas e militares actuam na sombra para apagar de vez com Jim Brandon e emperrar o plano urdido por Tex.
 
Os Predadores do RioConfesso ser grande apreciador das aventuras canadianas de Tex. Não só por se tratar de um teatro onde o ranger não actua com o mesmo à vontade com que o faz no oeste americano, também pelas paisagens sempre mais hostis, mas sobretudo porque quase sempre estamos em presença de Jim Brandon, personagem que vale pelos seus valores, pela sua conduta, pela honra com que age.
No fundo, neste particular Jim Brandon funciona como um sósia de Tex, mas estando confinado ao juramento e ao rigor militar. Quando juntos, existe uma simbiose perfeita na actuação e quando ao militar não se permite ir mais além, surge Tex, cuja actuação não está constrangida a qualquer disciplina ou qualquer código de conduta que não aos seus próprios valores.
 
O Preço da HonraVale isto para dizer que a acusação feita a Jim Brandon nunca poderia deixar Tex indiferente, levando-o inclusive a correr todos os riscos necessários para o libertar. Em nome da amizade que os une, para o ranger primeiro que tudo está a libertação do militar e depois tentar a sua inocência e reabilitação.
Com outros, com toda a certeza que estas prioridades seriam alteradas. Neste ponto Nizzi esteve bem, como também esteve no facto de envolver toda esta conspiração com factos históricos, como o caso da venda dos estados de Alberta, Saskatchewan e Manitoba, territórios da Hudson Bay Company, uma sociedade inglesa que possuía vários monopólios na baía de Hudson e cujos direitos acabou por ceder ao Canadá em 1869.
 
Posto de BloqueioEsta é uma longa aventura, são mais de quatrocentas páginas, imensa nos espaços e locais e é uma aventura plena na defesa dos valores do ranger. Uma aventura onde Tex assume-se sempre como o líder, o chefe do grupo que vai tentar salvar Jim Brandon e toda a sua actuação vai nesse sentido, a de um Tex carismático e a quem todos reconhecem essa autoridade. É caso para dizer que, afinal, Nizzi não esqueceu as características nem os fundamentos que deram o sucesso à série e ao herói, conseguindo aqui fazê-los funcionar perfeitamente.
 
Fernando Fusco apresenta-se em boa forma na aventura, apesar do desgaste da idade. Talvez seja mesmo um dos desenhadores que melhor soube envelhecer. Hoje o seu traço é mais carregado, mas ainda firme, o seu Tex mais velho e forte, mas todo o dinamismo, os enquadramentos e os ângulos estão ainda bem patentes nas suas páginas. Boas sequências de acção, bons cenários, algum cuidado nos detalhes acabam por contribuir para um trabalho de qualidade de um autor nem sempre bem amado no universo texiano.
 
Tex em acçãoAthabasca Lake pode constituir um marco na carreira de Fusco, uma vez que o autor já deixou bem expressa a sua vontade em desenhar apenas pequenas aventuras em função da sua já avançada idade.
 
Texto de Mário João Marques

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *