Roubada uma mega-colecção de Tex avaliada em 75.000€

Desapareceu o meu Tex’ouro

* Roubada uma mega-colecção avaliada em 75.000 Euros: “Roubaram-me os sonhos de criança”

Por Franco Binello e Enzo Armando *

Tex, o RangerRoubaram o meu sonho de criança, as lembranças, as fantasias, aventuras ainda que só imaginadas. O meu Oeste estava ali, naquelas histórias. E Tex o meu mito.

Não é uma fazenda aquela de Gian Luca Ferraris, 37 anos, funcionário dos Correios em Lichtenberg, cidade sobre as colinas da Província de Agrigento, na Sicília, Itália. Nada que recorde os desertos do Arizona, onde cavalgam os cavalos selvagens. No entanto, alguém entrou à noite na sua casa de campo. E apontou para um armário. Dentro havia uma colecção completa de Tex Willer: “Do número 1 ao 584: Deixaram-me apenas os últimos 10, os mais recentes“. E comenta a sua amargura assim: “Neste momento, digo aos senhores ladrões que podem muito bem vir buscar aqueles que me restam…“.

Uma incursão digna de uma razia de preciosos «puros-sangues», porque os quadradinhos com o “Ranger” inventado em 1948 por Gian Luigi Bonelli têm grande valor para coleccionadores. “Os primeiros números – recorda – tinham-me sido dados pelo meu pai, quando eu ainda nem sequer sabia ler. Depois, ao longo dos anos, apaixonei-me: não olho ao dinheiro, mas àquilo que representaram para mim aquelas revistas“. Um mistério que deveria intrigar também Bonelli. A polícia entretanto investiga o caso.

Colecção de Tex WillerE não faltam os conselhos, como aqueles de Franco Semenzin, de Viarigi, também na Província de Agrigento, possuidor de uma das maiores colecções de banda desenhada na Itália. “Para encontrar o culpado – sugere – é necessário procurar no círculo de conhecidos. É que um caso semelhante aconteceu em Casale Monferrato. Um coleccionador tinha recebido uma proposta para a compra de edições de Tex, mas, porém, ele percebeu que eram os mesmos que havia vendido a um cliente, ao qual haviam sido roubados por aqueles, que mais tarde foi descoberto, eram seus “amigos”. Obviamente que os denunciou.

Colecção de TexSemenzin organizou várias exposições sobre o Ranger: “Eu tenho 90% das edições (striscias) publicadas em 1948, para além de outras preciosidades da época.” Para os especialistas aquele material vale ouro. Semenzin desaconselha recorrer a seguros: “Eles custam uma exorbitância e são de facto impraticáveis. As minhas revistas são catalogadas e fotografadas. Também faço pequenos sinais de reconhecimento, que só eu sei reconhecer.

As revistas Tex podem constituir um pequeno património: “A série de 1954, a primeira no formato gigante, chega aos 75.000 euros. Parece que a possuem personagens como Jerry Scotti e o futebolista Alex Del Piero“. A actual publicação mensal, aquela que começa com o famoso episódio «La mano Rossa» (A Mão Vermelha), de 1958, tem quotizações variáveis. O número 1 pode chegar a 3 mil euros: “Na capa, no entanto, deve trazer o preço de 200 liras – explica o especialista – e ter certas características na paginação. Aqueles que valem realmente são os primeiros 70 números: o valor pode chegar a 20 mil euros.”

Logótipo do sítio Lastampa.it*Texto apresentado no sítio lastampa.it em 23/04/2010; Tradução e adaptação: José Carlos Francisco.
Copyright: © 2010, La stampa.it

10 Comentários

  1. Poxa vida, que lástima, é de doer o coração mesmo. Tomara que as autoridades consigam achar o ladrão.

  2. É a primeira vez que vejo um caso assim. Como alguém é capaz de fazer um crime desse, roubar uma coleção de Tex?

  3. Rapaz! Que história incrível! Eu, sinceramente, fiquei emocionado ao lê-la… Pois, comigo também aconteceu algo parecido, quando eu era criança e tinha 10 anos de idade, tive a minha “coleção de gibís” totalmente incinerada pelo fogo. Até os dias de hoje, eu não conseguí esquecer aquela cena, fiquei ‘traumatizado’. Hí,hí,hí!!!

  4. Eu também já tive algumas revistas Tex “surrupiadas”… uma vez sumiu de minha casa, misteriosamente, uma Tex Ouro. Casos que só Tex pode desvendar! rsrsrs

  5. Levem o caso às agências dos Rangers e falem com algum chefe dos índios para consultar Manitu ou chamen Tex Willer.
    Bom ele nao vai gostar… que roubaram esta preciosidade.

    Enviem com urgência uma carta à aldeia navajo central.

  6. Caso chocante, mas aqui na minha cidade (Presidente Prudente-SP) aconteceu algo parecido com um grande amigo, que infelizmente já faleceu. Sua coleção de Tex ficava no sitio da familia, e a mesma foi roubada. O boletim de ocorrência foi feito, com o detalhe de mencionar cada número, cada edição que havia sido furtada. Felizmente o ladrão foi pego pela policia, e parte do furto foi recuperada.

  7. Muito triste saber disso…

    Mas acho difícil essa coleção roubada passar despercebida, estou certo que, se feita uma investigação adequada, o culpado logo será encontrado.

Responder a Arlindo Willer Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *