O POVO CHEROKEE E A TRILHA DE LÁGRIMAS

Por AMoreira

O POVO CHEROKEE E A TRILHA DE LÁGRIMAS

O POVO CHEROKEE E A TRILHA DE LÁGRIMAS - Imagem 1Diz uma lenda Cherokee que os Cherokees vieram de longe, do Noroeste.
Isto pode ser verdade, uma vez que há séculos atrás, as pessoas provavelmente vieram da Sibéria, e alguns chegaram mais ao sul e tornaram-se conhecidos como os índios da América do Sul, mas muitos permaneceram na América do Norte.
Os Cherokees viviam ao norte da Geórgia, Tennessee Oriental, Ocidental e Carolina do Norte.

Os Cherokees diziam que o Grande Espírito deu-lhes as suas terras, e estas terras eram terras boas e bonitas no território Apalaches, e abrangiam oitos estados. Os Cherokees formavam o povo da floresta.
Como eles precisavam de uma “capital”, eles a fundaram na Geórgia e a chamaram de Cidade Nova, mas mais tarde eles mudaram o nome para Nova Echota.

O POVO CHEROKEE E A TRILHA DE LÁGRIMAS - Imagem 2A maior parte dos Cherokees vivia em casas em suas vilas / aldeias. Algumas eram feitas de barro e de gramíneas. Gramíneas selvagens eram utilizadas para os telhados, e tinham lareiras de calor, para o frio de Inverno e eram construídas pelos homens.
O seu único meio de transporte era de canoa, que geralmente eram feitas com fósseis (de madeira) carbonizadas (carvão). Eles faziam as canoas riscando (cavando) a madeira calcificada com uma pedra afiada.

Os Cherokees plantavam milho, abóbora, batata-doce, e feijão.
Eles também colhiam plantas selvagens, e o peixe era importante na sua alimentação, e eram capturados em armadilhas colocadas nas águas frias dos riachos das montanhas.
A maioria de suas roupas eram feitas de peles de animais, as saias eram feitas com plantas do cânhamo, e seu comprimento ia até o joelho.

O POVO CHEROKEE E A TRILHA DE LÁGRIMAS - Imagem 3Os homens da tribo tinham muitas responsabilidades, eles caçavam veados, utilizando blowguns, lanças e arcos e flechas para matar os animais. Os homens também tinham que cortar as árvores, para preparar a terra para o plantio das culturas, além de construir casas e fazer canoas.
As mulheres também tinham uma série de responsabilidades, tal como os homens. Elas faziam roupas, plantavam sementes e colhiam as safras, mas também participavam do conselho da comunidade.

O POVO CHEROKEE E A TRILHA DE LÁGRIMAS - Imagem 4As mulheres tinham suas próprias representantes, que eram denominadas “Ghigau” ou “Mulher Amada”. Cada clã seleccionava uma “mulher honrada” para assistir aos conselhos anuais.
As crianças também tinham suas responsabilidades. Meninas trabalhavam o milho, preparavam alimentos, recolhiam os frutos de cascas duras, buscavam água e cuidavam da carne, além de aprenderem, observando, os deveres domésticos da mãe.
Os meninos ajudavam a cuidar das irmãs e irmãos mais novos, e também participavam na tecelagem de cestas e na jardinagem.

O POVO CHEROKEE E A TRILHA DE LÁGRIMAS - Imagem 5Os meninos tinham muitas outras responsabilidades, eles aprendiam a caçar alimentos e os rapazes mais velhos, junto com os homens adultos aprendiam a ser guerreiros. Eles ouviam as histórias contadas pelos adultos, que era a forma utilizada para se passar a história da tribo, eles aprendiam a resistir à fome e à dor, e como resultado, tinham sua tradição levada adiante, alem de formar respeito pela terra e seus animais. A cerimónia mais importante era a Cerimónia de Milho Verde, que era realizada quando o milho estava maduro.

O POVO CHEROKEE E A TRILHA DE LÁGRIMAS - Imagem 6O Cherokee nunca teve um idioma escrito, mas um homem, chamado Sequoyah, viu o quanto era importante ter uma linguagem escrita. Sequoyah nasceu cerca de 1775. Sua mãe era uma Cherokee e seu pai era um comerciante branco. Sequoyah nunca frequentou a escola e nunca aprendeu a ler ou escrever em Inglês.
Ele viu brancos usando o que ele chamava de “deixa falar”, e por meio de estudos, ele desenvolveu uma língua indígena que continha 80 caracteres. Cada símbolo (caracteres) originava-se de uma sílaba, em breve, os símbolos (caracteres) tornaram-se conhecidos como o alfabeto Cherokee.

O POVO CHEROKEE E A TRILHA DE LÁGRIMAS - Imagem 7Assim como a maioria das tribos, entre os chefes Cherokee, havia os Chefes da guerra e os Chefes da paz. Sempre havia rituais antes de se iniciar uma incursão de guerra, que geralmente eram travadas contra os Iroquois e os Chickasaw. Eles guerreavam com as tribos ribeiras em Tali’wa na Geórgia, e também com o homem branco.
Embora o Supremo Tribunal dos Estados Unidos declarasse que as terras pertenciam aos índios. Andrew Jackson ordenou-lhes que a deixassem de qualquer maneira. Soldados foram recrutados para prender todos os Cherokees que encontrassem. Oito mil foram presos, e até barcos foram utilizados para levá-los até Fort Gibson.

Eles chegaram no Inverno, não houve qualquer actividade agrícola e os alimentos eram escassos. O vestuário não era adequado para o frio e a terra era diferente.
Os Cherokees que foram deixados para trás, foram, caminhando através de Nashville, Tennessee, até Hopkinville, Kentucky, através da Southern Illinois e o Missouri até chegar em Fort Gibson, Arkansas.

O POVO CHEROKEE E A TRILHA DE LÁGRIMAS - Imagem 8Mais de dezassete mil Cherokees começaram a marcha, e cerca de quatro mil morreram ao longo do caminho. É por isso que esta é a chamada “trilha de lágrimas”. Finalmente os Cherokees se instalaram em Tahlequah, no estado de Oklahoma. A capital nacional da nação Cherokee foi construída.
Hoje, os descendentes dos índios Cherokees ocupam diferentes postos de trabalho. Alguns são fazendeiros, agricultores, médicos, advogados e professores. Outros têm empregos como artistas, escritores e músicos.

Existem actualmente duas alas de Cherokees. Os da parte Oriental e os da parte Ocidental.
A Reserva Oriental Cherokee tem a sua sede em Cherokee, Carolina do Norte. Ela foi fundada por 112 Cherokees que tinham escapado da trilha de lágrimas. Muitos outros vivem na Carolina do Norte ou perto do Parque “Montanhas Great Smoky”.

Alguns Cherokees vivem dos rendimentos obtidos dos turistas, outros têm casas ao longo Oconulftee River, estes Cherokees criaram uma típica vila Cherokee.
Os Cherokees originários do Oeste tinham 53.000 membros.
No Estado de Oklahoma, os Cherokees são chamados de “ Ala Ocidental”. Algumas famílias da Ala Ocidental recebem o rendimento da exploração do petróleo em suas terras. Outros vivem do gado.

O POVO CHEROKEE E A TRILHA DE LÁGRIMAS - Imagem 9

Texto de A.Moreira, baseado na seguinte Bibliografia:
Fogeson, Raymond D. “Cherokee índios”, O Mundo enciclopédia Book, 1992, volume 3.
Lepthien, Emilie U. A Cherokee. Chicago: crianças Press, 1985.
McCall, Barbara A. O Cherokee. Vero Beach Florida: Rourke Publicações, 1990.
Sneve, Virginia Condução Hawk. O Cherokee. New York: Holiday House, 1996.
Thomas, Robert D. “Sequoyah”, O Mundo enciclopédia Book, 1990, Volume 17

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

6 Comentários

  1. Boa matéria de um tema fascinante: os índios! Agora brincando um pouco: quando li que a cerimónia mais importante era a Cerimónia de Milho Verde, imaginei os índios cantando “Milho Verde, Milho Verde ai à sombra do milho verde…” e com danças de foclore português, LOL. Um abraço. Orlando Santos Silva. Lisboa, Portugal

  2. Os índios – quero dizer… nativos-americanos – sempre me fascinaram e li este trabalho com muito interesse. Parabéns.
    PS: Quando vejo algo errado na Escrita Portuguesa, eu não consigo resistir à tentação de chamar a atenção… Além do texto conter DEMASIADAS vírgulas algumas das frases parecem um pouco confusas.

  3. Oi!!! Boa matéria!!! No entanto, gostaria de saber se aquela história, do ritual cherokee de que o pai levava o filho pra uma montanha para que ele se tornasse homem, é verdade?

    Me mande a resposta por e-mail. Obrigado!

  4. Com tanta informação preciosa, ainda há pessoas que se prendem à ortografia!
    Gratidão pelo texto e pela sua iniciativa.
    Quem bem souber a essência, guarda e aprecia.
    Luz e amor!

  5. Parabéns pelo trabalho de pesquisar e nós mostrar um pouco da história e cultura desse povo fascinante

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *