Marco Bianchini e Marco Santucci: De Mister No a Tex

Marco BianchiniMarco SantucciPrecisamente nestes últimos dias, chegou às bancas italianas, a revista de Mister No, na qual o piloto Jerry Drake, se despede dos seus leitores, depois de trinta anos de vida editorial.
Numa redacção, o cancelamento de uma série comporta sempre uma série de repensamentos, de reajustamentos, de reposicionamentos, que afectam sobretudo os autores que em tal série estavam a colaborar.
Muitos aficionados “misternoianos“, assim como o blogue português do Tex, escreveram directamente a Sergio Bonelli, o editor e director geral da Sergio Bonelli Editore, perguntando qual seria o destino profissional dos ex-desenhadores de Mister No: “À parte Roberto Diso, que está ultimando a sua terceira aventura de Águia da Noite, posso antecipar-vos que também Marco Bianchini e Marco Santucci (respectivamente à esquerda e à direita nas imagens que encimam este texto, em auto-retratos de suas autorias) estão a desenhar uma história texiana.
História de onde provem o desenho que mostramos de seguida:

Tex por Bianchini (lápis) e Santucci (arte-final)Nascido em Arezzo em 19 de junho de 1958, Bianchini – que se estreou nestas lides em 1980 com a editora Edifumetto – é o criador gráfico de “Kerry il trapper“, a personagem de Tiziano Sclavi publicada em apêndice na série Bonelliana “Il Comandante Mark” entre 1983 e 1984. Depois de ter realizado histórias de banda desenhada para as revistas italianas “Boy Music” e “Fox Trot” é requisitado para o staff de Mister No em 1985, e para aquela colecção ilustrou dezoito aventuras, cinco das quais em colaboração com outro aretino, Marco Santucci.
Uma “sociedade” formou-se entre eles, nascida quando, há quase dezassete anos, em 1990, Santucci conheceu Bianchini e Fabio Civitelli, que o ajudaram a transformar, como ele próprio diz: “…os meus primeiros, desenhos amadores em um trabalho digno de serem apresentados a um editor.”Tex de SantucciA sua estreia acontece em 1994 nas páginas de uma série de super-heróis, “Nembo”, editada pela Phoenix. Pouco tempo depois, Santucci entra na lista de desenhadores da Star Comics, que lhe confia dois episódios de “Samuel Sand”; em 1998 vem enfim envolver-se com Bianchini no seu trabalho para Mister No. Actualmente lecciona na “Scuola Internazionale dei Comics” de Florença, e sempre junto com Bianchini, criou e continua a escrever  uma série de ficção científica, “Termite Bianca”, entregue graficamente a Patrizio Evangelisti e publicada em França e na Itália pelo editor Vittorio Pavesio.
Tex, os vê de novo unidos como desenhadores. “Admito que, inicialmente, a passagem da Amazónia de Jerry Drake ao Arizona de Águia da Noite foi traumática, porque senti muito o peso da responsabilidade de confrontar-me com uma personagem assim tão importante… ” confessa Santucci. “Hoje, porém, começo a sentir-me mais à vontade também no género western, tendo sempre como ponto de referência os desenhos realistas de Mestres como Civitelli ou Claudio Villa”.

Tex de BianchiniDepois de exactos vinte anos passados ao serviço de Mister No, também Marco Bianchini conseguiu superar as dificuldades iniciais: “Nas histórias de Tex são frequentes muitas personagens em cena, e cada vinheta requer uma particular atenção aos mínimos detalhes, para descrever o mundo material do Oeste. Das armas às roupas, dos interiores dos “saloons” (lojas de bebidas e centros de jogo e perversão) às aldeias indígenas… A Fronteira tem ambientações “sujas”, empoeiradas, que requerem um sinal gráfico de modo a evocar eficazmente a especial força dramática. Os “westerns” que marcaram a minha imaginação são sobretudo os clássicos cinematográficos, que ainda hoje revejo com prazer. O meu género preferido, porém, sempre foi a ficção científica, e “Termite Bianca”, deu-me a possibilidade de derramar numa revista de banda desenhada, ecos e sugestões imaginadas lendo as obras-primas de Isaac Asimov, de Ray Bradbury e de tantos outros grandes autores”.

Texto de José Carlos Francisco, baseado na rubrica “Caro Tex…“, de Sergio Bonelli, inserida em Tex Nuova Ristampa nº 174 de 28 de Dezembro de 2006.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *