Fanzine “A Conquista do Oeste” – Maio/Novembro 2001 – Páginas 64 e 65 – Rick O’Shay

RICK O’SHAY
.
Rick O'Shay nas suas várias fases de publicação, desde 1959 até 1973
Fanzine “A Conquista do Oeste” – Página 64Esta é também uma das personagens que não poderíamos deixar de incluir aqui, não pelo seu sucesso, embora tenha sido razoavelmente divulgada no nosso país, mas porque é o ultimo “herói” de “western” a ser publicado aos jornais. Stan Lynde, ao criar esta série em 1958, tinha a intenção de se dedicar a um trabalho realista, o mais possível fiel à verdadeira vida do Oeste, já que ele próprio vivia num rancho em Montana e conhecia a fundo o ambiente que o rodeava. Mas o Sindicato queria uma personagem humorística…

“Rick O’Shay” inicia-se a 27/4/58 como prancha dominical e como tira a 19/5/58. A acção da série situa-se em “Conniption”, uma pequena cidade estereotipada e anacrónica do Oeste. “Rick” é um jovem louro e simpático xerife. As personagens secundárias são o seu ajudante “Manuel Labor”, “Deuces Wilde”, um “mayor” fiel mas um jogador inveterado, “Hipshot Percussion”, um pistoleiro de coração de ouro, “Gaye Abandon”, a proprietária do Salão, que tem um fraquinho por “Rick”, a tribo de índios vizinha, etc..

Arte de Stan LyndeAs peripécias narradas em cada aventura de “Rick O’Shay”, seguem um percurso caricatural do Oeste e não faltam por isso, várias cenas de humor, embora nem sempre muito bem conseguidas. Com o tempo a série vai melhorando, deixando de parte o caricato e entrando mais no realismo. A partir de 1964, dá-se o rompimento total e  “Rick O’Shay” transforma-se numa verdadeira série de aventuras de “cow-boys”.

Stan Lynde consegue então dedicar-se em pleno ao seu sonho, desenhar uma série realista. As personagens mantêm-se e o nosso “herói” acaba por casar com “Gaye” em 13/4/73 e terão dois filhos: “Guyat” e “Seth”. Entretanto “Rick” torna-se “marshal” e tem como ajudante o índio “Olho de Perdiz”.

A prova do álcool num condutor de diligências em Rick O'Shay

As paisagens são cada vez mais perfeitas e soberbas na sua concepção, ao mesmo tempo que o artista atinge o seu apogeu na criação, tomando cada vez mais autêntico os seus traços. Ao mesmo tempo, a série consegue conquistar novos leitores, devido aos factos que vai narrando, já que a série acaba por ser semi-autobiográfica. O “herói” vive nas suas histórias as experiências do seu autor, dos cinco filhos que terá e do seu próprio pai.

Fanzine “A Conquista do Oeste” – Página 65A 7 de Maio de 1977 resolve abandonar a série, depois de divergências que teria com o Sindicato. “Rick O’Shay” passará a ser escrito por Marian Dern e desenhado por Alfredo Alcala, por pouco tempo, já que será Mel Keefer a continuar a desenhá-la até ao fim, em Fevereiro de 1981.

Mais tarde, Stan Lynde resolve publicar a sua personagem num álbum barato, já que possuía os seus direitos. Em 1992 publicará uma nova aventura de “Rick” em 64 páginas, sob a forma de “comic-book”.
Em Portugal a série foi divulgada no “Jornal do Cuto” e no “Mundo de Aventuras”.

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, e/ou imprimí-las, clique nas mesmas)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *