Fabio Civitelli no 17º Fest Comix

Por Vander Dissenha [1]

17º Fest Comix

Unindo o útil ao agradável, fui participar do 17º Fest Comix em São Paulo. Aproveitei que actualmente as passagens aéreas estão mais baratas que as de outros meios de transporte em alguns casos, que a minha namorada mora em São Paulo e que muitos amigos (um do exterior inclusive) estariam presentes nessa feira de banda desenhada, resolvi arrumar a mala e viajar 700 km (80 km de carro e 620 km de avião) e ir participar do “Fest Comix”. E outro atractivo seria a presença de Fabio Civitelli, desenhador italiano de renome internacional que faz parte do staff da Bonelli Editore e desenha aventuras do Tex. A decisão de participar da feira foi muito acertada, pois foi um final de semana muito divertido, onde pude rever amigos que já conhecia e conhecer pessoalmente alguns amigos com quem me comunicava pela Internet há oito, nove anos. A Andrea, minha namorada acompanhou-me nos dois dias de feira e mesmo não entendendo e nem gostando muito de quadradinhos, acabou gostando da experiência e fez novos amigos e amigas.

Os amigos que já conhecia pessoalmente e pude rever foram: Felipe (Curitiba), Valdivino e seu filho John Lucas (Curitiba), Gervásio (Sapucaia do Sul – RS), Maria Eddy (São Paulo), José Carlos Francisco, o “Zeca” (Anadia – Portugal), Nilson Farinha (Jundiaí – SP), Júlio Schneider (Curitiba), Dorival Vitor Lopes (São Paulo) e José Ricardo (Rio de Janeiro). E dos amigos que conhecia somente pela Internet e desta vez pude conhecer pessoalmente foram: Ary Canabarro, Neimar Capela e Jesus Nabor (todos do Rio Grande do Sul), Antonio Moreira (Niterói – RJ), G. G. Carsan (João Pessoa – PB), Levi Trindade (São Paulo), João Batista (Tatuí – SP) e também o Paulo César Lopes, Nei Souza, Elias, Filipe Ferreira e o Mário Latino. Também conheci o Marcos Maldonado, legendador de quadradinhos Bonelli desde que comecei a minha colecção no inicio dos anos oitenta e sua simpática esposa, Dolores. E conheci o grande Fabio Civitelli, que se mostrou uma simpatia de pessoa e com quem até consegui conversar um pouco em italiano. Confesso que esqueci o nome de alguns outros coleccionadores com quem tive contacto na feira, mas era tanta gente que no tumulto alguma informação sempre se perde.

Quando cheguei na feira já estava acontecendo uma palestra com o Fabio Civitelli. Na mesa junto ao orador estavam o G. G. Carsan e o Zeca, que fazia as vezes de tradutor, já que o avião do Júlio Schneider, o tradutor oficial, atrasou. Ficou até engraçado ver um português traduzindo um italiano. Mesmo tendo engasgado algumas vezes o Zeca saiu-se bem e já pode até negociar com o Dorival uma vaga de tradutor na Mythos Editora. A palestra foi muito interessante, o público participou fazendo perguntas e o Fabio Civitelli foi atencioso nas respostas. Se não fosse o pessoal da organização do evento a  pedir para encerrar, pois tinha outro palestrante esperando a vez, a palestra com o Fabio seguiria tarde afora certamente.

A feira teve três dias e participei somente dos dois últimos, mas mesmo assim valeu muito a pena e tomara que no futuro existam outras oportunidades de se reunir num mesmo local a mesma quantidade de amigos coleccionadores de quadradinhos. Na noite do sábado para encerrar o dia com chave de ouro fomos comer uma pizza. Ao todo estávamos em 12 pessoas, incluindo o Fabio Civitelli. Como o pessoal estava cansado e o dia seguinte seria longo para muitos, que inclusive iam viajar para suas casas, a conversa á mesa da pizzaria não se prolongou muito, mas mesmo assim não deixou de ser um momento agradável e marcante.

Comparado a muitos amigos que estiveram presentes no Fest Comix, posso considerar-me um privilegiado. Viajei uma hora de carro e mais uma hora de avião. Desembarquei em Congonhas, que é um aeroporto dentro de São Paulo. A minha namorada mora bem em frente ao aeroporto e além de ficar hospedado na casa dela, ela foi minha motorista exclusiva o tempo todo. Então perto de amigos que vieram de lugares bem mais distante do que eu, que tiveram gastos com hospedagem, que precisaram andar de ónibus e metropolitano sem conhecer a cidade direito e outros que desembarcaram no Aeroporto de Guarulhos ou em Viracopos e tiveram que viajar mais uma hora para chegar a São Paulo, o meu “sacrifício” para participar do Fest Comix foi “café pequeno”. Admiro o esforço e sacrifício desses amigos que passaram por dificuldades e tiveram altos gastos para estarem presentes na feira e que mesmo assim estavam muito entusiasmados e felizes de estarem presentes nesse evento que para os texianos de plantão será inesquecível.

Fabio Civitelli

No 17º Fest Comix, Fabio Civitelli não se portou como uma “estrela” conhecida mundialmente, mas sim como fã de quadradinhos. Distribuindo sorrisos, simpatia, autógrafos e sempre disponível para tirar fotos, ele conquistou todos os fãs de Tex e das demais personagens Bonelli que estavam presentes na feira, além de leitores de outros tipos de banda desenhada. Civitelli é italiano de Lucignano, nascido em 9 de Abril de 1955. Começou a trabalhar profissionalmente como ilustrador em 1974, na editora Studio Origa, desenhando a série Lady Lust. Em seguida trabalhou para a editora Edifumetto, desenhando Lo Scheleto, I Sanguinari e I Notturni para a Ediperiodici. Depois a secção Super Eroica para a Dardo. Após isso, desenhou a série Karatex, Zanna Bianca e Zordon. No ano de 1977 trabalhou em Corrier Boy, L’Intrepido, Il Monello e Doctor Salomon. Para a editora Cenisio ele ilustrou Terror Blue e Furia. Fabio Civitelli chegou a ilustrar aventuras do Quarteto Fantástico e do Homem Aranha. Começou a trabalhar para a Bonelli Editore em 1979, desenhando a personagem Mister No. Em 1983 desenha Pomeriggio Cubano e a partir de 1985 passa a fazer parte do staff de Tex, onde permanece até hoje, sendo um de seus principais desenhadores.

Em sua passagem pelo Brasil, Fabio Civitelli teve como cicerones o editor Dorival Vitor Lopes, da Mythos Editora e José Carlos Francisco, o Zeca, um português que é fã incondicional de Tex e que veio ao Brasil exclusivamente para acompanhar Fabio Civitelli e participar do 17º Fest Comix. E aproveitando a presença de Fabio Civitelli no Brasil, a Mythos Editora promoveu dois lançamentos alusivos a essa visita. Foi lançado o livro “O Oeste Segundo Civitelli” e o “Especial Civitelli nº 1”.

O especial tem 336 páginas, e traz a aventura “O Presságio”, que além de ser a história favorita de Civitelli, conta com seus desenhos e argumento. Já o livro “O Oeste Segundo Civitelli”, traz a cronologia de toda a obra de Fabio Civitelli, bem como traz a explicação e comentários do autor para as principais passagens de cada aventura de Tex que ele desenhou. Também mostra em detalhes pelo próprio autor a sua elaborada técnica para desenhar e a quadrinhografia de tudo o que ele realizou durante a sua carreira artística. E de bónus traz dezenas de ilustrações inéditas e 16 páginas a cores. Em formato grande, com 154 páginas e capa quase dura, vale a pena conhecer e ter essa obra em sua bedeteca.

Durante a sua participação no Fest Comix, Fabio Civitelli distribuiu cópias de um desenho que mostra Tex e seu cavalo passeando tranquilamente pela avenida Paulista, em São Paulo. Devidamente autografado, esse desenho será uma bela recordação e um tesouro na colecção dos coleccionadores e fãs de quadradinhos que estiveram visitando o “canto” da Mythos Editora durante o 17º Fest Comix.

[1]Texto de Vander Dissenha apresentado no blogue do Vander Dissenha em 24 de Outubro de 2010.
Adaptação a cargo de José Carlos Francisco.
Copyright: © 2010, Vander Dissenha

5 Comentários

  1. Valeu Vander pelo seu testemunho de sua presença na Fest Comix e por ter conhecido o grande Fabio Civitelli. Pelos comentários até agora vistos ele é o cara. Além é claro de ser para mim o melhor desenhista de Tex da atualidade. Como moro longe, em Arcoverde – PE, esse ano não pude ir, mas quem sabe em uma próxima vez. Aqui na minha cidade já comprei a edição especial O Presságio e logo, logo, vou adquirir o belissimo livro do mestre para ler e coloca-lo na minha bibliotex. Parabéns mais uma vez.

    Abraços.

  2. Oi Zeca entrei em vosso blog para deixar uma msg, e acabei vendo o texto do Vander por aqui. Então aproveito para dizer que gostei muito de participar da feira e conhecer um pouco mais do Tex, fui uma leitora de gibi da Mônica e da Disney em minha infância, mas não passou disso.
    Queria parabenizar o trabalho de vocês, o trabalho do Fábio Civitelli que é incrível!! Foi interessante ver vários fãs do Tex de todo o Brasil e exterior se reunindo, e o esforço de cada um para comparecer a feira!

    Um abraço
    Andrea

  3. Olá Andrea,
    Que bom vê-la por aqui e ainda por cima, de saber que você gostou de participar neste grande convívio Texiano. Para mim foi um grande prazer conhecê-la e espero que um dia ainda fique cativada pelo Tex e possa dar continuação á sua leitura que está suspensa e se torne novamente uma assídua leitora de gibis 😉

    • É verdade, Vander, o tempo passou mesmo muito rápido… parece que ainda foi há tão pouco tempo… mas foram momentos tão bons que ficaram e ficarão nas nossas memórias para todo o sempre… e seus textos são uma presença habitual aqui no blogue do Tex… faça uma pesquisa pelo seu nome e verá quantos republiquei… todos de excelente qualidade porque você tem o dom da escrita, meu Amigo!
      Um abraço desde Portugal.
      Quanto ao seu “novo” blogue, tenho-o acompanhado também 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *