NAS PEGADAS DO “MESTRE”: MÉDICO, CIENTISTA, VILÃO E ASSASSINO {3}

NAS PEGADAS DO “MESTRE”:
MÉDICO, CIENTISTA, VILÃO E ASSASSINO {3}

A Sombra do Mestre

Por Zenaldo Nunes – Caruaru – Pernambuco – Brasil

Fevereiro de 2021

O MESTRE (Andrew Liddel): Nome original: Maestro – Criação: Mauro Boselli – Licenciador: Sergio Bonelli Editore.

**************************************************

Em 1986 o roteirista Mauro Boselli assinou seu primeiro “western de Tex”, escrito a quatro mãos com o criador do nosso ranger, Gianluigi Bonelli {22 de Dezembro de 1908, Milão – 12 de Janeiro de 2001, Alexandria / 92 anos}. Foi “A Tragédia do Shangai Lady”; lançado no Brasil em 1987. Naquela ocasião, os Texianos conheceram um novo vilão, que planejava envenenar o reservatório de água de São Francisco: Andrew Liddel, chamado de “O Mestre” por seus grandes conhecimentos científicos. Personagem criado por Boselli (que, naquele seu primeiro trabalho texiano publicado, foi o autor do argumento; “a ideia de base da trama”, que depois foi transformada em roteiro por G. L. Bonelli), mais de dez anos depois o autor resolveu trazer de volta o patife e, nas duas vezes, confiando os desenhos ao grande Guglielmo Letteri {11 de Janeiro de 1926, Roma – 2 de Fevereiro de 2006, Roma / 80 anos}.

**************************************************

3ª aparição: (Boselli/Maurizio Dotti) – Impressão: Gráfica São Francisco.

A SOMBRA DO MESTRE

TEX 596 – A Sombra do Mestre (Junho de 2019 – Ed. Mythos)Publicada originalmente em Tex n° 696/2018 – Sergio Bonelli Editore.

Tex e Carson foram convidados a testemunhar a execução de Andrew Liddel, o louco criminoso conhecido como o Mestre, desfigurado pela doença que ele mesmo criou. Enquanto isso, dois outros inimigos perigosos dos pards fugiram da Ilha da Neblina. Uma associação criminosa temível está se formando, com a intenção de ameaçar a cidade de Nova York.

Personagens: Tex, Kit Carson, O Mestre, Buffalo Bill, Ned Buntline, George Crum, Inspetor-Chefe Byrnes, Nick Castle – Arte: Maurizio Dotti – Texto: Mauro Boselli – Letrista: Marcos Maldonado – Tradutor: Paulo Guanaes – Adaptação: Dorival Vitor Lopes – Número de páginas: 116 – Formato: (13,5 cm x 17,5 cm) – Preto e branco / Lombada quadrada.

TRILHA DE MORTE

– Prólogo – p.5.
– Morte na “ilha da névoa” (estrangulamento) – p.17.
– Surge Nick Catle e Muggs (ex-cúmplices de “El Supremo”) – p.20. (ver Tex nº 537-540).

EL SUPREMO
(ex-militar mexicano e criminoso)

– Morte na ilha da névoa (tiros) – (ou “ilha do nevoeiro”) – p.23.

O RETORNO DO MESTRE

– O detento nº 814 (Andrew Liddel / “O Mestre”) – ps.30,31.
– “O Mestre” ressurge (Penitenciária Estadual da Louisiana) – p.34.
– Enforcamento na prisão – p.46.
– A cova vazia do cemitério – p.49.
– A “acromegalia” é novamente citada – p.50.
– O “enforcado” é encontrado – p.52.
– Ressurge Pat, o Irlandês (Manhattan) – p.69.
– Luta e tiroteio no beco (armadilha) – ps.82-89.
– Ressurge Buffalo Bill (trem) – p.92.
Annie Oakley é citada (Wild West Show) – p.96.
– A Broadway é citada – p.100.

Em 1811, Nova York começou a dar forma ao famoso Commissioner’s Plan, o projeto de ‘grade’ à cidade. Surgiu a Broadway (“via larga”), ligada ao planejamento da maior metrópole norte-americana. Até hoje, Manhattan mantém o formato marcado por avenidas traçadas horizontalmente, cruzando ruas numeradas de baixo para cima, com a Broadway Avenue cortando a ilha perpendicularmente. Fonte: https://blog.weplann.com.br/

– Rockfeller e Vanderbilt são citados – p.101.

John Davison Rockefeller (8 de Julho de 1839 – 23 de Maio de 1937). É o protótipo do empreendedor que construiu um império partindo do zero. Aos 16 anos, conseguiu o primeiro emprego como assistente de contador, onde aprendeu o que precisava para administrar um negócio. Em 1859, abriu seu primeiro negócio e ao lado do sócio Maurice B. Clark, levantou US$ 4 mil e começou a actuar no comércio de alimentos. Quatro anos depois, os dois decidiram mudar de ramo e se associaram ao químico Samuel Andrews para construir uma refinaria de petróleo na cidade de Cleveland, que foi inaugurada em 1863. Dois anos depois, comprou a parte de Clark na refinaria por US$ 72.500, o que o colocou em uma posição de comando dentro da empresa em um momento estratégico. O óleo de baleia, usado como combustível na época, estava muito caro, o que abriu espaço para a exploração de novas fontes de energia. Com o fim da Guerra Civil Americana, em 1865, o petróleo despontou como um recurso vital para a expansão da economia norte-americana rumo ao Oeste, por meio da construção de ferrovias e de indústrias movidas pelo combustível. Soube aproveitar as oportunidades; tomando empréstimos e reinvestindo os lucros na empresa, onde se tornou proprietário da maior refinaria de petróleo do mundo. Em Junho de 1870, abriu uma nova empresa, a Standard Oil, que nos anos seguintes se tornaria a administradora de praticamente todas as refinarias e transportadoras de petróleo dos Estados Unidos. Foi nessa época que passou a adoptar práticas mais agressivas para aumentar a participação de sua empresa no mercado e eliminar a concorrência. Fonte: https://www.terra.com.br/

– É apresentado a batata CHIPS – p.108.

Batata chips refere-se ao produto da preparação culinária de fatias finas e onduladas de batata que foram fritas ou cozidas até ficarem crocantes. São comumente servidas como petisco, acompanhamento ou aperitivo.

TEX 597 – Manhattan! (Julho de 2019 – Ed. Mythos)Publicada originalmente em Tex n° 697/2018 – Sergio Bonelli Editore.

Entre emboscadas, intrigas, brigas, tiroteios e dardos venenosos, a aventura de Tex e Carson em Nova York continua. Assassinos misteriosos estão atacando Nova York. O Inspetor Byrnes segue a pista no qual os chineses são responsáveis, mas Tex está convencido de que por trás deste enigma está, o Mestre!

Personagens: Tex, Kit Carson, O Mestre, Buffalo Bill, Ned Buntline, Inspetor-Chefe Byrnes, Nick Castle, Low Yet, Agente Maccoy – Arte: Maurizio Dotti – Texto: Mauro Boselli – Letrista: Marcos Maldonado – Tradutor: Paulo Guanaes – Adaptação: Dorival Vitor Lopes – Número de páginas: 116 – Formato: (13,5 cm x 17,5 cm) – Preto e branco / Lombada quadrada.

– Um corpo pendurado (ponte do Brooklyn) – p.20.

É um símbolo histórico de Nova York e parte fundamental da cidade, já que cruza o East River conectando Manhattan e Brooklyn. Esta obra arquitetônica do século XIX, se tornou uma das mais famosas do mundo. Ao finalizar sua construção em 1883, se tornou a ponte suspensa mais longa do mundo, com uma distância de 486 metros entre pilares (altura de 84 metros) e longitude total de 1.825 metros. Foi uma das primeiras estruturas de suspensão a utilizar cabos de aço. Na construção, que durou 13 anos (1870-1883), morreram 27 pessoas. Foi inicialmente chamada de Ponte de Nova York e Brooklyn; depois se tornou Ponte East River até receber o nome oficial de Brooklyn Bridge em 1915. Fonte: https://www.novayork.net/

Parte do texto extraido da matéria: “A Tragédia do Shanghai Lady”. – (Ver matéria {1}, sobre “O Mestre”). / Corroborando com o ano da conclusão da “construção” supracitada (1883).

CHINATOWN

Chinatown – O bairro Chinês fica localizado entre a Broadway nos lados oeste e leste, e Delancey e Chambers Street nos lados norte e sul. Chineses já habitavam este bairro desde 1850, mas as grandes ondas de pessoas só se mudaram para cá a partir de 1965, quando as leis de imigração ficaram mais tolerantes. Além de Chinatown, muitos também vivem em Flushing (no Queens), porém Chinatown em Manhattan continua sendo o principal bairro turístico chinês em Nova York. Fonte: https://www.visitenovayork.com.br/

ESTÁTUA DA LIBERDADE

A Estátua da Liberdade (The Statue of Liberty) é um grande monumento nos Estados Unidos; sendo declarada pela Unesco como Património Mundial, em 1984. Uma das mais famosas do mundo, é um ícone que simboliza a liberdade, a democracia e a esperança do povo norte-americano. Representa a deusa romana da liberdade: “Libertas”. Sustenta uma tocha na mão direita (que está erguida) e na esquerda a Declaração da Independência dos Estados Unidos com a data da Independência do país escrita em números romanos: IV DE VII DE MDCCLXXVI (4 de Julho de 1776). Seu nome oficial é “Liberdade Iluminando o Mundo” (Liberty Enlightening the World). Está localizada na Ilha da Liberdade (Liberty Island) em Manhattan, Nova York. Mede 92,99 metros com o pedestal. Só a estátua possui 46,5 metros com tamanho equivalente a um prédio de 22 andares. Em estilo neoclássico, foi construída em cobre, aço e cimento; sendo projetada pelo escultor francês Frédéric Auguste Bartholdi (1834-1904) e o engenheiro Gustave Eiffel (1832-1923), que também trabalhou no projeto da Torre Eiffel, em Paris. Foi oferecida aos Estados Unidos pelos franceses, em 1886, em comemoração ao centenário da Independência. Sua construção ocorreu em Paris e as 350 partes foram enviadas de navio para os Estados Unidos. Foi concluída em Julho de 1884 na França e inaugurada em 28 de Outubro de 1886, em Nova York. Fonte: https://www.todamateria.com.br/

Nota: Apesar de não ser citada ou vista a Estátua da Liberdade, nesta 3ª aventura histórica (ver Tex nº 596-599); torna-se de “grande relevância” a citação supracitada; pois são citados vários outros monumentos existentes em Manhattan. Além de sua existência e pré-inauguração {1885}, desde o 1º arco histórico sobre “O Mestre” (ver Tex nº 215-217).

– O 2º cadáver (envenenamento) – p.22.
– “O laudo pericial (Médico-Legal) – p.23. {ver Tex 362,363}
– O bacilo do “Mestre” – p.24.
– O “Jangshi” é citado (espécie de demônio que sai das sepulturas) – p.30.
– Mais 5 mortos na trilha de sangue (fuzilamento) – p.36.
– A marca do “Mestre” (envenenamento) – p.37.
– O Boweri Teather – p.39.

O Bowery Theatre era um teatro no Lower East Side de Manhattan, Nova York. Embora tenha sido fundado por famílias ricas para competir com o sofisticado Park Theatre, viu seu período de maior sucesso sob a administração populista e pró-americana de Thomas Hamblin nas décadas de 1830 e 1840. Inauguração: 4 de Agosto de 1845. Fonte: http://manhattanunlocked.blogspot.com/

– “O Mestre” reaparece (personificando o JANGSHI) – p.49
– Morte Chinesa (dardo envenenado) – p.50.
– Citação à nova Gothan (apelido dado à Nova York em 1820) – p.56.

Washington Irving (3 de Abril de 1783 – 28 de Novembro de 1859), foi um escritor, biógrafo, ensaísta, historiador e diplomata dos Estados Unidos, do início do século XIX. Com uma contribuição duradoura para a cultura americana foi ele que em um artigo de brincadeira, se referiu à cidade de Nova York como “Gotham“. A referência era a uma lenda britânica sobre uma cidade cujos residentes eram considerados loucos. Os nova-iorquinos gostaram da piada e então Gotham tornou-se um apelido perene para a cidade de Nova Iorque. Fonte: https://www.greelane.com/pt/humanidades/hist%C3%B3ria–cultura/washington-irving-1773629/

– O Museu de Cera é citado – p.59.
– Show de Horrores (Human Freaks) – ps.62,63.

Um show de aberrações (freaks show), também chamado de show ou circo dos horrores, consistia na exibição de humanos ou outros animais dotados de algum tipo de anomalia relacionada a mutações genéticas, doença e/ou defeito físico. Tais exibições ocorriam frequentemente em circos e carnavais, especialmente entre os anos de 1840. Durante o século 19, muitas das pessoas que nasciam com deficiências físicas eram abandonadas. Não havendo esperança na medicina e na necessidade de encontrar um meio para sobreviver, rendiam-se aos empresários destes shows, que usavam as anormalidades para lucrar. Phineas Barnum era um dos principais produtores do ramo e, em 1881, fundiu seus negócios com James Bailey, criando o “Barnum e Bailey”; chegando a ter mais de mil artistas contratados, sendo esse o maior circo do mundo por muito tempo. Fonte: https://super.abril.com.br/blog/turma-do-fundao/as-atracoes-humanas-do-8220-circo-dos-horrores-8221/

O homem de 2 cabeças (Pasqual Pinon), a menina pé-Grande (Fanny Mills), a mulher-macaco (Julia Pastrana), a mulher de 4 pernas (Josephene Myrtle Corbin), a garota-pássaro (Minnie Woolsey), a menor mulher (Lucia Zarate), o homem-elástico (Felix Wehler), o homem de 3 pernas (Frank Lentini), o menino-leão (Lionel), o homem-cachorro (Fyodor Yevtishchev), o homem-elefante (Joseph Merrick), a mulher mais feia do mundo (Mary Ann Webster), os gêmeos xifópagos (Chang e Eng Bunker), as irmãs siamesas (Daisy e Violet), o garoto-lagosta (Grady Franklin Stiles Jr.), a mulher-barbada (Annie Jones), a mulher pela metade (Gabrielle Fuller), o homem-coruja (Joe Martin Laurello); dentre centenas que existiram.

REFLEXÃO

– Rangers no show de Buffalo Bill – p.66.
– É apresentado o telefone – p.77.

Alexander Graham Bell (3 de Março de 1847 – 2 de Agosto de 1922), Boston, Massachusetts. Em 1872, abriu uma escola para alunos com dificuldades auditivas. Utilizava o método de pronúncia desenvolvido por seu pai em suas aulas aos surdos, chamado de “fala visível“, utilizando os lábios, língua e garganta na articulação do som. Deu início a suas pesquisas sobre como utilizar a eletricidade na transmissão de sons, idéias que vinha desenvolvendo desde os 18 anos; enquanto trabalhava em um telégrafo múltiplo, desenvolveu as idéias básicas do que seria o telefone. Em 14 de Fevereiro de 1876, entregou o pedido de patente ao escritório responsável; apresentando a sua invenção em uma exposição na Filadélfia. Fonte: https://www.tudosobreseufilme.com.br/2017/10/alexander-graham-bell-da-historia-para.html

Parte do texto extraido da matéria: “A Tragédia do Shanghai Lady”. (Ver matéria {1}, sobre “O Mestre”). / Corroborando com o ano de lançamento do “aparelho” supracitado (1876).

– É citado “Os Invencíveis” (O Bando dos Irlandeses) – p.84 {ver Tex 351-353}.
Nota: Formado por soldados mercenários que lutaram pelo Sul na Guerra de Secessão, o Bando dos Irlandeses começa a preocupar o Comando dos Rangers quando passa a realizar assaltos no Texas e no Novo México. Todos os seus integrantes são revolucionários do IRA, o Exército Republicano Irlandês, que luta para separar a Irlanda do Reino Unido. Fonte: http://www.guiadosquadrinhos.com/

Nota: 1ª história publicada pela Mythos Editora (Janeiro de 1999).

TEX EDIÇÃO DE OURO Nº 61 (Julho de 2012) / AS GRANDES AVENTURAS DE TEX N º 4 (Dezembro de 2019) / TEX COLEÇÃO Nº 491 (Dezembro de 2020) – O Bando dos Irlandeses / “Os Invencíveis”: Roteiro: Mauro Boselli – Arte: Carlo Raffaele Marcello – Publicada originalmente em Tex n° 438-440/1997 – Sergio Bonelli Editore.

– A “doença do Mestre” (deformidade facial) – p.98.
– Dardos mortíferos (envenenados) – ps.101-103.
– Armadilha subterrânea – ps.108-114.

PÂNICO NO TEATRO

TEX 598 – Pânico no Teatro (Agosto de 2019 – Ed. Mythos)Publicada originalmente em Tex n° 698/2018 – Sergio Bonelli Editore.

O terror está se apresentando no Teatro Bowery hoje! Usando toda sua coragem e recursos, Tex e Carson seguem os rastros juntos de Buffalo Bill, mas sabem que a morte pode vir de qualquer lugar, seja da coxia, do cenário, debaixo do palco ou das bancas!

Personagens: Tex, Kit Carson, O Mestre, Buffalo Bill, Nick Castle, Ned Buntline, Inspetor-Chefe Byrnes, Low Yet, Agente Maccoy, Annie Oakley, John Jacob Astor III – Arte: Maurizio Dotti – Texto: Mauro Boselli – Letrista: Marcos Maldonado – Tradutor: Paulo Guanaes – Adaptação: Dorival Vitor Lopes – Número de páginas: 116 – Formato: (13,5 cm x 17,5 cm) – Preto e branco / Lombada quadrada.

NO SUBSOLO DE MANHATTAN

– Uma mensagem para um Ranger – p.14.
– Uma jogada muito arriscada – ps.14-21.

– Cara a cara com “Nick Castle” – p.21.
– Tiroteio Infernal – ps.26-29.
– Visualizado “El Supremo” (flashback) – p.33 (ver Tex 537-540).
– Citação a Thomas Edison – p.38.

Thomas Alva Edison (11 de Fevereiro de 1847 – 18 de Outubro de 1931) – Foi especialmente conhecido como o criador da lâmpada elétrica incandescente e responsável por vários dispositivos importantes para a trajetória e desenvolvimento da humanidade (o fonógrafo, a bateria de carro elétrico, a câmera de cinema, a caneta elétrica, o mimeógrafo, a distribuição de energia elétrica, a embalagem a vácuo, etc.). Sempre estudou por conta própria e sua experiência como autodidata colaborou para torná-lo um dos maiores inventores da história dos Estados Unidos. Em seu nome, mais de mil patentes foram registradas ao longo da vida. Muitas das suas invenções tinham relação com a telegrafia, o processo de transmissão de mensagens a grandes distâncias. Embora a eficiência da lâmpada incandescente tenha sido contestada nos últimos anos, seu uso ainda é bastante comum e o mesmo acontece com outros dos seus inventos. Fonte: https://revistagalileu.globo.com/

– Surge o Fonógrafo – p.39. (1º Fonógrafo – 1878).

O fonógrafo foi anunciado por Thomas Edison em 21 de Novembro de 1877 e teve a sua primeira demonstração pública em 29 de Novembro do mesmo ano. Consistia em um cilindro com sulcos coberto por uma folha de estanho. Uma ponta aguda era pressionada contra este cilindro e, conectados à ponta oposta, ficavam um diafragma (uma membrana circular, cujas vibrações convertiam sons em impulsos mecânicos e vice-versa) acoplado a um grande bocal em forma de cone. O cilindro era girado manualmente e, conforme o operador ia falando no bocal, a voz fazia o diafragma vibrar, o que fazia a ponta aguda criar um sulco análogo na superfície do cilindro. Quando a gravação estava completa, a ponta era substituída por uma agulha e o cilindro era girado no sentido contrário; onde reproduzia as palavras gravadas e o cone amplificava o som. Fonte: https://historiaschistoria.blogspot.com/

A primeira gravação pelo fonógrafo foi do poema da Escritora Sarah Josepha Hale, “Mary had a little lamb” (Mary tinha um cordeirinho).

Mary had a little lamb,
Little lamb, little lamb.
Mary had a little lamb,
Its fleece was white as snow.
And ev’ry where that Mary went,
Mary went, Mary went.
Evrywhere that Mary went,
The lamb was sure to go.
It followed her to school one day,
School one day, school one day.
It followed her to school one day,
Which was against the rule.
It made the children laugh and play,
Laugh and play, laugh and play.
It made the children laugh and play,
To see a lamb at school.
So the teacher turned him out,
turned him out, turned him out.
So the teacher turned him out,
And sent him straight away.

Sarah Josepha Hale (24 de Outubro de 1788 – 30 de Abril de 1879). Nasceu em Newport, New Hampshire. Foi uma importante escritora americana que viveu entre os séculos 18 e 19, se tornou muito conhecida após ter criado a canção infantil “Mary Had a Little Lamb”. Porém, sua influência não se limitou à área das artes: o famoso Dia de Ação de Graças, uma das datas mais importantes para os americanos, se tornou em um feriado nacional devido a um pedido que fez a Abraham Lincoln, então presidente dos EUA. Como seus pais eram defensores da igualdade na educação de meninos e meninas; teve a oportunidade de estudar além da idade que era comum para as mulheres na época. Fonte: https://aventurasnahistoria.uol.com.br/

Parte do texto extraido da matéria: “A Tragédia do Shanghai Lady”. – (Ver matéria {1}, sobre “O Mestre”) / Corroborando com o ano de lançamento do “aparelho” supracitado (1878).

– A “voz do Mestre” (fonógrafo) – p.40.
– O pedido de resgate de US$ 2.000.000 de dólares (fonógrafo) – p.41.
– Morte nas catacumbas – ps. 44-49.
– O “Croton Reservoir” (reservatório hídrico / New York) – p.55.

Reservatório de Distribuição Croton, também conhecido como Murray Hill Reservoir, era um grande reservatório acima do solo na 42nd Street e Fifth Avenue, no bairro de Manhattan em Nova York. Tinha 4 acres e capacidade para 20 milhões de galões, onde abasteceu a cidade com água potável durante o século XIX. Fonte: https://pt.mcny.org/

0 Reservatório da Manhattan Company. 1825. {Museu da Cidade de Nova York. 29.100.1579} – Aqueduto de Croton em Sing Sing Kill. 1842. {Museu da cidade de Nova York. 2002.35.1}. Fonte: https://pt.mcny.org/

– Biscoitos da sorte (mensagens) – p.60.

É um biscoito pequeno, crocante e açucarado feito de farinha, açúcar, baunilha, óleo de gergelim e que contém dentro dele um pedaço de papel com uma “sorte”, geralmente um “aforismo ou uma profecia” vaga. Pode conter também um grupo de números que são geralmente utilizados por alguns como números de loteria. Fonte: https://acontecendoaqui.com.br/

– Mortes no palco – p.76.
– O “Ator” Kit Carson – ps. 85-96.
– Ressurge Annie Oakley (palco) – p.87.
– Citação do título da edição (Annie Oakley) – p.95.
– O “vírus do Mestre” – p.96.
– O “Le Parkour” (percurso acrobático) – p.112.

Le Parkour (o percurso) nasceu nos subúrbios de Paris, França, anos 80, quando Sebastian Foucan e David Belle passaram a usar técnicas da disciplina militar conhecida como Método Natural. Uma atividade onde os adeptos percorrem um caminho cheio de obstáculos com finalidade de chegar ao final do percurso em menos tempo e ter muito equilíbrio e velocidade, além de agilidade e força. Existem várias manobras, com graus de dificuldades diferentes; sendo uma das mais radicais, o salto de um prédio para outro, com alturas de 10 a 20 metros. Alguns movimentos radicais, foram vistos no cinema com os filmes “13º Distrito” e “007 – Casino Royale”. Belle e Foucan, deram início à modalidade do Parkour e são considerados os pais dessa disciplina. Fonte: https://mundoeducacao.uol.com.br/

NOVA YORK SOB AMEAÇA

TEX 599 – Nova York Sob Ameaça (Setembro de 2019 – Ed. Mythos)Publicada originalmente em Tex n° 699/2019 – Sergio Bonelli Editore.

“O Mestre” decide lançar o último aviso fatal: quando os habitantes inocentes de Nova York começarem a adoecer e morrer, talvez os mais ricos da cidade paguem o resgate de dois milhões de dólares! O inspetor Byrnes está cedendo ao desespero, e participa de uma reunião no Madison Square Garden, junto com mastim irlandês Pat Mac Ryan e o boxeador Jimmy Jones, na esperança de encontrar o Mestre! Enquanto isso, Tex segue seu próprio caminho, incluindo aberrações, estátuas de cera e subterrâneos escuros.

Personagens: Tex, Kit Carson, O Mestre, Buffalo Bill, Ned Buntline, Inspetor-Chefe Byrnes, Nick Castle, Pat O Irlandês, Low Yet, Agente Maccoy – Arte: Maurizio Dotti – Texto: Mauro Boselli – Letrista: Marcos Maldonado – Tradutor: Paulo Guanaes – Adaptação: Dorival Vitor Lopes – Número de páginas: 116 – Formato: (13,5 cm x 17,5 cm) – Preto e branco / Lombada quadrada.

– Jornais citados, impressos da época: The Sun, The Daily News, Herald Tribune – p.15.

– Papa batatas e Dagos (insultos para Irlandeses e Italianos) – p.25.
– O Mastin Irlandês (jornal) – p.31.
– Veneno na caixa d’água – p.38.
– Surge o telefone (Grahan Bell) – p.41.
– Hell’s Kitchen – p.44.

Hell’s Kitchen, traduzido como Cozinha do Inferno e também conhecido como Clinton e Midtown West é um bairro de Manhattan, Nova Iorque, que inclui a área entre as Ruas 34 e 59, e entre a 8ª Avenida e o Rio Hudson. O bairro oferece diversas opções para quem procurar boates e casas noturnas. A proximidade do Distrito Teatral e a desvalorização dos imóveis que ocorrera no passado, o transformaram num local ideal para atores aspirantes, possuindo diversas casas de shows. Fonte: https://www.visitenovayork.com.br/

– Um banho inesperado – p.53.
– O “Le Parkour” reiniciado – p.55.
– Referência ao Li-Pan – p.57.
– “O Mestre” espalha o terror (Jornal New York Tribune) – p.59.

– Astors e Vanderbilts – p.61.

John Jacob Astor IV (13 de Julho de 1864 – 15 de Abril de 1912), Walldorf, Ducado de Baden (Alemanha), de uma linhagem judaica. As origens judaicas foram ocultas e várias idéias da sua herança foram colocadas em circulação pelos Astors. Era açougueiro em Walldorf. Em 1784, veio para a América depois de uma parada em Londres, Inglaterra; embora a história seja de que ele chegou lá sem um tostão – e isso pode ser verdade. Logo se juntou à Loja Maçônica e em 2 a 3 anos, tornou-se o Mestre da Loja Holland nº 8 na cidade de Nova York. Morreu afogado e congelado na tragédia do transatlântico RMS Titanic; encontrado depois de vários dias. Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/John_Jacob_Astor_IV

Cornelius Vanderbilt I (27 de Maio de 1794 – 4 de Janeiro de 1877), o patriarca da família Vanderbilt; também conhecido pelos apelidos de O Comodoro ou Comodoro Vanderbilt. Durante a Guerra de 1812, foi contratado pelo governo para trazer suprimentos para as fortalezas em volta de Nova York, operando “escunas navegáveis”, ganhando o apelido de “Comodoro“. Foi um grande empreendedor americano que construiu sua fortuna através da marinha mercante e da construção de ferrovias com o nome Accessory Transit Company. Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Wikip%C3%A9dia:P%C3%A1gina_principal

– O guerreiro Africano (Pugilista) – p.65.
– O Mastin Irlandês (Pat) – p.66.
– Uma “pequena” ajuda – p.68.
– O abominável “Homem do Tibet” – p.69.

Tibet – É a região mais alta do mundo, com uma elevação média de 4.900 metros de altitude e por vezes recebe a designação de “o teto do mundo” ou “o telhado do mundo”. É uma região de planalto da Ásia situado ao norte da cordilheira do Himalaia, habitada pelos Tibetanos e outros grupos étnicos como os Monpas e os Lhobas, além de grandes minorias de Chineses. O budismo é um pilar importantíssimo nesta sociedade Tibetana, ao ponto de considerarem que, acima da sua religião, está aquela sua relevante filosofia de vida. Fonte: http://www.emo7iontour.com/pt/

– Luta de gigantes (ringue) – ps.70-80.
– A mulher barbada (show de horrores) – p.73.

Annie Jones Elliot (14 de Julho de 1865 – 22 de Outubro de 1902). Uma das artistas mais reconhecidas da história dos Freak Shows, a carreira como atração secundária começou quando ela foi apresentada no Museu Americano de P.T. Barnum com um ano de idade. Depois de um curto (mas muito bem sucedido) período no museu, Barnum ofereceu aos pais de Jones um contrato de três anos para a garota por 150 dólares por semana. Enquanto sob os cuidados da babá nomeada de Barnum, foi sequestrada por um frenologista de Nova York que tentou expor Annie em seu próprio show. Ela foi encontrada rapidamente no estado de Nova York, onde o frenologista alegou que ela era sua filha. Quando o assunto foi ao tribunal, Annie correu para os braços de seus pais. O juiz encerrou o caso e a mãe de Annie permaneceu perto de sua filha pelo resto de sua carreira. Fonte: https://www.zona33.com.br/2018/10/freak-show-historia-do-circo-ringling.html

– O museu de cera (madame Tussaud) – p.81.

O museu de cera é um museu no qual existe a exposição de peças feitas de cera, usualmente retrantando animais extintos ou celebridades. O Museu Madame Tussauds (1761-1850) é o mais famoso nome associado com os museus de cera. Em 1935, Marie Tussaud montou sua primeira exibição permanente em Baker Street, Londres. A sede principal do museu está em Londres, mas também existem 23 filiais: América do Norte (7), Europa (7), Ásia (9) e Oceania (1). Fonte: http://www.madametussauds.com/

– Referência a Abraham Lincoln (museu de cera) – p.81

Abraham Lincoln Loudspeaker (12 de Fevereiro de 1809 – 15 de Abril de 1865). Foi um político Norte-americano que serviu como o 16.° presidente dos Estados Unidos, posto que ocupou de 4 de Março de 1861 até seu assassinato em 15 de Abril de 1865. Liderou o país de forma bem-sucedida durante sua maior crise interna, a Guerra Civil Americana (Guerra de Secessão / 1861-1865), preservando a integridade territorial do país, abolindo a escravidão e fortalecendo o governo nacional. Cria advogado, líder do Partido Whig, deputado estadual de Illinois durante os anos de 1830 e membro da Câmara dos Representantes por um mandato durante a década de 1840. Após uma série de debates em 1858, que repercutiu em todo o país mostrando a sua oposição à escravidão, perdeu uma disputa para o Senado para seu arquirrival, Stephen A. Douglas. Garantiu a nomeação para a candidatura presidencial de 1860 pelo Partido Republicano. Com quase nenhum apoio do Sul, ele percorreu o Norte e foi eleito presidente. Sua eleição fez com que sete estados escravistas do sul declarassem sua secessão da União e formassem os Estados Confederados da América. A ruptura com os sulistas fez com que o seu partido obtivesse amplo controle do Congresso, mas nenhuma ação ou reconciliação foi feita. Em seu segundo discurso de posse, explicou que “ambas as partes desprezavam a guerra, mas uma delas faria guerra ao invés de permitir a sobrevivência da nação e a outra aceitaria a guerra ao invés de deixar esta”, e veio a guerra civil (entre a União (norte) e os Confederados (sul). Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Abraham_Lincoln

– Tiroteio no museu – ps.90-92.
– Outro dardo mortal – p.93.
– Citação ao 1º arco histórico do “Mestre” – p.93. (ver Tex 216).
– O “Jangshi” ressurge – p.96.
– A passagem secreta (subterrânea) – p.99.
– O Central Park – p.102.

O Central Park (Parque Central) é um grande parque dentro da cidade de Nova Iorque, localizado no distrito de Manhattan. Foi inaugurado em 1857, sendo considerado, por muitos nova-iorquinos, um oásis dentro da grande floresta de arranha-céus existentes. É o maior parque urbano de Nova York e um dos maiores do mundo, medindo mais de 4 km de comprimento e 800 m de largura. Dentro do parque se encontra o Zoo do Central Park, lagos artificiais, cascatas e outras atrações. Além de ser o principal pulmão de Manhattan, é um dos lugares preferidos para passear, tomar sol ou praticar desporto. Fonte: https://www.novayork.net/

– A “contaminação do Mestre” (acidental) – p.106.
– A “morte do Mestre” (tiros) – p.106.
Reflexão: Nick Castle será o novo “Mestre”? – p.111. {Só o tempo dirá! Aguardemos…}

3º PEDIDO DE RESGATE: US$ 2.000.000 (Dois milhões de dólares) – Vírus – Nova York.

“O MESTRE” – “On Demand”

Em formato italiano clássico (16 cm × 21 cm), lombada quadrada, capa cartão 250 g, miolo em papel offset alta alvura 90 g/m2. Junto com a edição, um postal especial com desenho do conceituado Claudio Villa. A “pré-venda” foi até o dia 15 de Maio de 2019. As edições, depois de impressas, começaram a ser enviadas a partir de 27 de Maio de 2019.

CARDS – “On Demand”
(Referente as edições nº 590-595)

**************************************************

Nota: “Arcos históricos” no Brasil: (1987, 1998, 2019 – Tex regular) e (2003, 2012 – Tex Edição de Ouro). Fontes: Tex Willer Blog {Portugal}, Texbr, Guia dos Quadrinhos {Brasil}, sites/páginas/web.

Nota final: Diante do “cenário atual” em que o mundo está passando (Pandemia do COVID-19); além de “estudar, ensinar e trabalhar com Ciência“; ousei fazer esta “busca investigativa” nos arcos históricos supracitados; diante das narrativas propostas de complô, traição, suborno, chantagem, ganância, politicagem, ódio, preconceito, racismo, escravidão, doença, morte, cura e sobrevivência. Vivendo estas aventuras; teremos os “registros históricos“, agregados com conhecimentos e curiosidades. Nestas “batalhas” realísticas, subjetivas, fictícias ou filosóficas: {bem X mal; herói X vilão; mocinho X bandido; vacina X vírus}; vos apresento “O Mestre“.

Foto: Zenaldo Nunes

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

Para ler a primeira parte da matéria de Zenaldo Nunes dedicada ao Mestre intitulada “A Tragédia do Shanghai Lady“, clique AQUI!

Para ler a segunda parte da matéria de Zenaldo Nunes dedicada ao Mestre intitulada “A Volta do Mestre“, clique AQUI!

8 Comentários

  1. Grande pard Zenaldo, que pesquisa em? Um texto fenomenal, vou tirar tempo pra ler na íntegra. Já sabia que estava sendo produzida essa matéria, mas não sabia da grande quantidade de detalhes, só quem tem uma grande admiração pelo personagem, pode produzir um trabalho de pesquisa dessa magnitude. Parabéns pelo empenho.

    • Grande pard Edison Bertoncello. Depois de madrugadas e feriados, estou naquele sentimento de “dever cumprido”. Ousei realizar este projeto desta grande narrativa histórica, mediante a correlação com a pandemia (COVID-19). Após a ideia inicial, o convite e a motivação de grandes pards; iniciei as pesquisas. Aumenta a responsabilidade, diante da credibilidade deste tão conceituado blog e de grandes conhecedores do universo Texiano; além do criador da personagem. Me sentindo honrado e privilegiado; além da parceria do mítico pard Zeca; onde, no “Cinquentenário” de publicação de Tex no Brasil (formatinho); recebo este “presente”. Viva Tex Willer e grande abraço Texiano.

  2. Uma Maravilha de matéria e um esplêndido trabalho de pesquisa e coleta de informações. Parabéns pard Zenaldo…

  3. Obrigado pard João. Você é um dos que aumenta minha motivação em aprender, ensinar e divulgar cada vez mais, a “saga” do Maravilhoso herói Tex Willer; a “Águia da Noite”.

    • Obg Fernando. Trabalhoso; mas imensamente prazeroso. É um privilégio poder estar sendo o “precursor” nesta forma de matéria e tendo este conceituado blog, como “elo de ligação” na divulgação desta pesquisa, para nosso aprendizado e conhecimento. Vida longa a Tex Willer. Saudações!

  4. Parabéns, Zenaldo, por todas essas informações criadas no mundo de Tex Willer, estou ansioso por mais matérias suas futuras visando outros vilões de Águia da Noite.

    • Obrigado pard Alexsandre. Em breve, o próximo “terrível” vilão, será um, inspirado na Mitologia Grega e que deu “muito trabalho” ao nosso herói. Abraço Texiano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *