Entrevista com o fã e coleccionador: Matheus Henrique Ottersbach

Entrevista conduzida por José Carlos Francisco.

Para começar, fale um pouco de si. Onde e quando nasceu? O que faz profissionalmente?
Matheus Henrique Ottersbach: Nasci em Medianeira, estado brasileiro do Paraná e sou um jovem aprendiz de mecânico em uma indústria.

Quando nasceu o seu interesse pela banda desenhada?
Matheus Henrique Ottersbach: Assim que eu li Tex pela primeira vez.

Quando descobriu Tex?
Matheus Henrique Ottersbach: Meu já falecido tio tinha uma edição em casa e me deu. Eu adorei e depois de dois anos a minha mãe comprou duas revistas. Logo depois, em 2017 eu pedi algumas revistas para alguns pards que eu fui conhecendo e eles de bom coraçāo me enviaram. Aproveito para dizer que caso alguém me queira presentear com exemplares do Tex, agradeço de coração já que não tenho ainda disponibilidade financeira para comprar tudo que eu queria de Tex.

Porquê esta paixão por Tex?
Matheus Henrique Ottersbach: Por que eu tive um grande afecto quando eu li e ele me ajudou muito a curar o meu problema de ansiedade. Então eu o adoptei como uma forma de me auto-ajudar.

O que tem Tex de diferente de tantos outros heróis dos quadradinhos?
Matheus Henrique Ottersbach: Tex é realmente um herói humano que não tem super poderes e isso me deixa feliz ele mostra um pouco da realidade no tempo do Oeste selvagem.

Qual o total de revistas de Tex que você tem na sua colecção? E qual a mais importante para si?
Matheus Henrique Ottersbach: Tenho apenas 80. A mais importante é o Tex Almanaque número 37, pois foi a primeira.


Colecciona apenas livros do Tex ou também de outras personagens?
Matheus Henrique Ottersbach: Apenas o Tex mas se alguém me oferecer algo de Zagor ou Mágico Vento, eu aceito.

Qual o objecto Tex que mais gostaria de possuir?
Matheus Henrique Ottersbach: A revista Tex Anual número 19. Sempre quis tê-la.

Qual a sua história favorita? E qual o desenhador de Tex que mais aprecia? E o argumentista?
Matheus Henrique Ottersbach: Para mim a melhor história é “O sinal de Yama”, o desenhador é o Fabio Civitelli e o escritor G. L. Bonelli com certeza.

O que lhe agrada mais em Tex? E o que lhe agrada menos?
Matheus Henrique Ottersbach: Agrada-me mais histórias com muita acção e tiros ou história de soldados e índios e o que menos me agrada são histórias sem acção.

Em sua opinião o que faz de Tex o ícone que é?
Matheus Henrique Ottersbach: É toda a maravilhosa história que ele tem e toda a sua trajectória.

Costuma encontrar-se com outros coleccionadores?
Matheus Henrique Ottersbach: Não, nunca cheguei a me encontrar com outros coleccionadores.

Para concluir, como vê o futuro do Ranger?
Matheus Henrique Ottersbach:
Com historias magníficas, belas bandas desenhadas.

Prezado pard Matheus Henrique Ottersbach, agradecemos muitíssimo pela entrevista que gentilmente nos concedeu.

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

6 Comentários

  1. Existem muitas pessoas de menos de 30 anos que leiam Tex?

    Eu tenho 21 e ontem quando fui comprar o número 2 de Tex Willer a moça da banca se surpreendeu e disse que é difícil ver um jovem comprar Tex.

    • Prezado Fábio,
      Não há assim tantas como todos nós gostaríamos, mas há várias pessoas, como são por exemplo o seu caso e o do Matheus Henrique, pois de vez em quando entrevistamos também jovens leitores como vocês 😉
      A propósito, se você estiver disponível/interessado em conceder uma entrevista sua ao nosso blogue, escreva para o e-mail josebenfica@hotmail.com que eu lhe envio as perguntas para você responder consoante a sua disponibilidade e inspiração 😉

  2. Eu pretendo mas antes quero aumentar minha coleção para não passar vergonha. Conheci Tex há uns 2 meses entâo tenho pouca coisa ainda.

    Quanto a jovens ingressarem nesse mundo de Tex, vocês que tem grande influência poderiam combinar com a Mythos de divulgar mais Tex, tipo, não teve comercial na TV ou cartazes no metrô sobre a nova Tex Willer que é perfeito para mais jovens conhecerem. A Panini faz isso aqui com novos titulos.

  3. Quanto à coleção do Matheus está demais, muito legal mesmo, parabéns e que mais jovens leiam Tex e a Bonelli em geral igual a nós dois.

  4. Meu caro Fábio, bom dia. Infelizmente a Mythos não investe em propagandas em bancas, livrarias, comic shops, etc.
    Nem propagandas virtuais, em sites sobre quadrinhos. A política deles é lançar nas bancas, e o leitor se virar para descobrir a revista e depois comprar. Um pensamento bem século 20, e já ultrapassado. Graças a Deus temos o Zeca, para divulgar Tex pelo blogue e redes sociais, além das muitas convenções em Portugal, obrigado pard Zeca.

  5. Muito bom saber que existem novos leitores de Tex! Precisamos de gente nova sempre para eternizar nosso ranger favorito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *