“A Presa”, história de Mauro Boselli e Fabio Civitelli pela primeira vez A CORES fora de Itália, na revista nº 4 do Clube Tex Portugal

Primeira vinheta (em português) da história de Tex – A Presa

* A Revista Clube Tex Portugal #4, com lançamento previsto para Junho deste ano, revista essa EXCLUSIVA para sócios do clube português, para além de colaborações de sócios contará também como é habitual com colaborações de grandes nomes do staff oficial de Tex, tanto na Itália como no Brasil, nomeadamente Enrique Breccia, Bruno Brindisi, Alessandro Nespolino, Dante Spada, Moreno Burattini, Paulo Guanaes e Júlio Schneider.

* Mas o destaque deste número vai sobretudo para a publicação de uma HISTÓRIA (oficial) INÉDITA (no Brasil) DE TEX e que em Portugal nunca foi publicada a cores, um feito de NÍVEL MUNDIAL, já que por gentileza da Sergio Bonelli Editore e em especial do seu responsável maior, Davide Bonelli, a Revista Clube Tex Portugal #4 terá o GRANDE PRIVILÉGIO e a GRANDE HONRA de publicar, totalmente a cores e num excelente papel no formato A4, a história curta de Tex La Preda (A Presa), escrita por Mauro Boselli e desenhada por Fabio Civitelli.

* Originalmente A Presa foi publicada a 24 de Junho de 2012 pelo jornal italiano Corriere Della Sera (Correio da Tarde) no seu suplemento dominical La Lettura (A Leitura) em 4 páginas em formato grande e que a Sergio Bonelli Editore converteu em 8 páginas de molde ao BDjornal #29 poder publicá-la no nosso país em Outubro de 2012 no habitual padrão bonelliano, embora a preto e branco..

Fabio Civitelli mostra orgulhosamente a primeira vinheta da história inédita de Tex – A Presa

A publicação de A Presa, história curta publicada pela primeira vez em Itália em 24 de Junho de 2012, inserida no suplemento dominical La Lettura do jornal italiano Il Corriere della Sera, constitui um motivo de orgulho para o Clube Tex Portugal, porque se trata da primeira vez que esta aventura é publicada a cores fora de Itália, apesar de não ser inédita em Portugal, uma vez que foi publicada no BDjornal #29 em 2012, numa versão a preto e branco.

Na sua génese parece ter estado o próprio director do La Lettura que, depois de ter apreciado o trabalho de Civitelli exposto na galeria de arte Ca’ di Fra, terá telefonado ao próprio desenhador, pedindo-lhe uma história especialmente para publicação no suplemento cultural do periódico italiano. Civitelli transmitiu este desejo à Sergio Bonelli Editore, o qual foi prontamente aceite pelo curador Mauro Boselli e pelo director Mauro Marcheselli. Boselli escreveu a história num só dia, tendo Civitelli trabalhado a um ritmo de doze horas diárias, levando oito dias a desenhar e pintar toda a aventura, para além de ter feito a sua legendagem original.

Tex de Fabio Civitelli em A Presa

A trama da história relata um breve, mas intenso encontro mantido entre Tex e Yozhe, um Apache Chiricahua que foge de um comboio, em busca da liberdade e do seu povo. No entanto, no seu encalço encontram-se dois caçadores de prémios, que terão que enfrentar também o ranger.

É notável como em apenas oito páginas Boselli consegue resumir toda a filosofia texiana, o seu amor pela liberdade, o seu ideal de justiça e um total desprezo por qualquer forma de opressão e por todos os que a pratiquem. Se as histórias curtas desafiam os seus autores a condensarem a mensagem que pretendem transmitir junto dos leitores, a verdade é que para quem não conhece Tex, estas poucas páginas servem a contento para identificar a personagem, as suas principais características, o herói das causas justas. Tão poucas páginas, mas ao mesmo tempo uma notável síntese, com os acontecimentos a sucederem-se de quadrado em quadrado. Neste sentido, A Presa recupera a narração bonelliana dos primeiros anos e dos primeiros episódios, quando as aventuras de Tex corriam fluidamente à mesma velocidade da fértil imaginação do seu criador Gianluigi Bonelli, através de um ritmo que não deixava espaço a grandes diálogos, privilegiando a acção e uma constante alternância de cenas.

Yozhe, o Apache Chiricahua na arte de Fabio Civitelli

Mas as semelhanças ficam-se por aqui, porque A Presa é uma história contida, onde cada gesto e cada olhar assume uma importância acrescida, e onde pontifica um Tex decisivo, de olhar glacial e implacável perante os bounty hunters que perseguem Yozhe.

Sobre o trabalho de Civitelli, qualquer palavra que possa ser escrita soará a pouco, tanta é a qualidade imposta pelo desenhador em cada desenho, em cada cena e em cada expressão. Tudo servido por um conjunto de cores que acentuam ambientes e sentimentos, confirmando Fabio Civitelli como um artista de corpo inteiro que marcará para sempre a história de Tex.

A Presa, na revista nº 4 do Clube Tex Portugal

Para fazer parte do Clube Tex Portugal – cujos estatutos podem ser consultados em http://texwillerblog.com/?page_id=47999 – e usufruir de todos os brindes e regalias, entre os quais se inclui a revista do Clube, é necessário pagar uma jóia de inscrição de € 5,00 e uma quota mensal de € 2,00 (€ 2,50 para sócios não residentes em Portugal).

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

3 Comentários

  1. Não há dúvida.
    Civitelli tem traço mais perfeito entre os desenhistas de Tex.
    Há até quem não goste desses traços limpos e perfeitos para Histórias do velho oeste, mas não se pode negar que o Civitelli é perfeito.

  2. Salve. Atualmente, esta foi a última pequena história de Tex que saiu?Já totalizam quantas historietas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *