Entrevista com o fã e coleccionador: Sebastião Roberti da Costa Júnior

Entrevista conduzida por José Carlos Francisco.

Para começar, fale um pouco de si. Onde e quando nasceu? O que faz profissionalmente?
Sebastião Roberti da Costa Júnior: Eu sou de Paconé, um município brasileiro do estado de Mato Grosso e que se situa a 100 km de Cuiabá, a capital do município, tendo nascido a 14 de Junho de 1988 e tenho a profissão de pedreiro.

Quando nasceu o seu interesse pela Banda Desenhada?
Sebastião Roberti da Costa Júnior: O meu interesse pela banda desenhada vem desde pequeno, pois sempre gostei de histórias em quadrinhos de todo o tipo.

Quando descobriu Tex?
Sebastião Roberti da Costa Júnior: Foi em 2000, quando encontrei pela primeira vez uma revista em uma lata de lixo. Foi paixão à primeira vista.

Porquê esta paixão por Tex?
Sebastião Roberti da Costa Júnior: A paixão é incrível, você começa a ler e depois não quer parar mais. É aquela vontade que toma conta da gente.

O que tem Tex de diferente de tantos outros heróis dos quadradinhos?
Sebastião Roberti da Costa Júnior: Com certeza a lei da bala, sem falar das aventuras com os índios. O que outros personagens não costumam ter.

Qual o total de revistas de Tex que você tem na sua colecção? E qual a mais importante para si?
Sebastião Roberti da Costa Júnior:
No total são umas 400. A mais importante sem dúvida é o Tex Coleção por ter várias histórias desenhadas pelo saudoso Galep.

Colecciona apenas livros ou tudo o que diga respeita à personagem italiana?
Sebastião Roberti da Costa Júnior: Apenas livros. Digo isso por ser raro encontrar objectos do Tex na minha cidade.

Qual o objecto Tex que mais gosta de possuir?
Sebastião Roberti da Costa Júnior: Infelizmente não possuo nem um objecto, só revistas que são mesmo a minha maior paixão.

Qual a sua história favorita? E qual o desenhador de Tex que mais aprecia? E o argumentista?
Sebastião Roberti da Costa Júnior: A minha história favorita é O navio do deserto. O desenhador é o grande Claudio Villa e o argumentista é o Claudio Nizzi.

O que lhe agrada mais em Tex? E o que lhe agrada menos?
Sebastião Roberti da Costa Júnior: O que me agrada mais em Tex são as aventuras que acontecem nas pradarias do grande deserto do Arizona. O que me agrada menos são as histórias com pouca acção, aquelas que têm muitas falas e pouca emoção.

Em sua opinião o que faz de Tex o ícone que é?
Sebastião Roberti da Costa Júnior: Com certeza o seu estilo incomparável e as suas revistas: umas mais maravilhosas que outras. Sem falar dos seus desenhadores geniais.

Costuma encontrar-se com outros coleccionadores?
Sebastião Roberti da Costa Júnior: A vontade não falta, mas a falta de contactos com outros coleccionadores impedem-me de conhecer outros pards que eu gostaria muito de conhecer.

Para concluir, como vê o futuro do Ranger?
Sebastião Roberti da Costa Júnior: Eu vejo um futuro longo para o nosso Ranger, digo isso pela Mythos Editora estar sempre lançando edições novas como por exemplo as Tex em cores. São maravilhosas, confesso que eu nunca cheguei a imaginar-me a ler uma edição toda em cores do nosso Tex. Para mim é umas das melhores colecções do Ranger.

Prezado pard Sebastião Roberti da Costa Júnior, agradecemos muitíssimo pela entrevista que gentilmente nos concedeu.

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *