Entrevista com o fã e coleccionador: Rodolpho Villas Boas Neto

Entrevista conduzida por José Carlos Francisco.

Para começar, fale um pouco de si. Onde e quando nasceu? O que faz profissionalmente?
Rodolpho Neto: Sou Rodolpho Villas Boas Neto, tenho 32 anos, moro em São Paulo, Brasil, estudo e trabalho como autónomo. Sou também praticante de tiro desportivo, amante das armas, de banda desenhada  e fascinado por histórias do Oeste selvagem assim como filmes e livros relacionados com o tema.

Quando descobriu Tex?
Rodolpho Neto: O meu primeiro contacto com Tex foi há mais de 10 anos atrás. Ganhei um exemplar de presente do meu pai, porém nem atenção dei  a ela. Deixei-a em um canto até que alguém pegou e a levou; que pecado!!!  Merecia uns puxões de orelha pelo que fiz.

Porquê esta paixão por Tex?
Rodolpho Neto: Uma vez dei uma segunda oportunidade ao Ranger e resolvi comprar um exemplar de Tex e comecei a ler com atenção, reparei nas histórias, nas cidades, nos modos e nos costumes de como era a vida no Oeste selvagem norte-americano. Aprendi sobre várias coisas importantes que ultrapassam as histórias aos quadradinhos e que de facto aconteceram como a Guerra Civil, conflitos com índios, tramas políticas  como aquela que acabou com a morte do presidente Abraham Lincoln que fora assassinado, sobre o tráfico de bebidas, ópio, coronéis prepotentes e desonestos, bando de chineses  que cometiam os mais diversos crimes, saqueadores, assaltantes de banco, xerifes corruptos, etc…

O que tem Tex de diferente de tantos outros heróis dos quadradinhos?
Rodolpho Neto: Tex  como gosto de dizer não é uma revista infantil, mas se todas as crianças o lessem, elas iriam aprender mais sobre a história e a vida e  iriam desenvolver-se como nunca. Tex é sempre digno para cada leitor que o compra pela primeira vez. Sempre que adquirirem uma revista leiam com atenção como era a vida no velho Oeste norte-americano, sonhe e deixe-se levar pelas diligências, pelas emoções que lhe trarão prazeres e alegrias. Repare nas conversas, nos hábitos, no convívio, no jeito rústico mas feliz em uma das épocas mais bonitas e verídicas que o mundo já vivenciou.

Qual o total de revistas de Tex que você tem na sua colecção? E qual a mais importante para si?
Rodolpho Neto: Comecei a coleccionar no começo do recém terminado ano de 2013 ao comprar o número 317 de Tex Coleção pensando que era apenas para ocupar um tempinho. Porém lendo com atenção apaixonei-me profundamente e agora além de todos os messes comprar um novo Tex, sempre que posso peço várias outras edições directamente à Mythos, comprando também por vezes em sebos (alfarrabistas em Portugal). Já possuo dois Tex Gigantes, cinco Tex Ouro, as edições especiais nº 300 (com o póster) e nº 500 de Tex (com um livrinho que contém todas as suas capas). Sou recém-coleccionador mas quem vê as edições de Tex que junto e que compro imagina que as colecciono há muito tempo. Arrependo-me bastante de há 10 anos atrás, desde aquela época em que conheci o Tex, não ter começado a coleccioná-lo.

Colecciona apenas livros ou tudo o que diga respeita à personagem italiana?
Rodolpho Neto: Livros eu possuo o da Historia de Tex, porém pretendo adquirir outros e seguramente com o tempo o farei.

Qual o objecto Tex que mais gostava de possuir?
Rodolpho Neto: Uma escultura de Tex em bronze. Gostaria demais de possuir uma.

Qual a sua história favorita? E qual o desenhador de Tex que mais aprecia?
Rodolpho Neto: A minha história favorita é a de Os Sete Assassinos, publicada nas edições de Tex nº 378 a 381 que descreve a história de Jack Thunder, um cego que liderava um bando de saqueadores psicopatas que aterrorizavam a cidade. Também gosto muito da aventura de Os Donos do Vale, história sobre o inescrupuloso e ambicioso Coronel Watson. Quanto ao melhor desenhador de Tex até agora com certeza é V. Monti.

O que lhe agrada mais em Tex? E o que lhe agrada menos?
Rodolpho Neto: O que  me agrada em Tex  é o facto dele ter personalidade e não dar vida fácil aos malfeitores. É amigo dos seus amigos a quem sempre auxilia e junto com o seu pard Kit Carson são capazes de descer até o inferno para resolver um problema e voltam limpinhos como sempre. E o que menos me agrada é que na sua condição de Ranger ele não pode fazer a justiça das formas mais rápidas e efectivas pois fica submetido às ordens de seus superiores e devido à burocracia ele acaba perdendo a chance de ajudar mais pessoas e resolver mais problemas.

Em sua opinião o que faz de Tex o ícone que é?
Rodolpho Neto: A sua longa história, os  seus fãs que vão desde um velhinho de 80 anos a um menino de 8 e o fascínio pelas maravilhosas histórias de Western.

Costuma encontrar-se com outros coleccionadores?
Rodolpho Neto: Neste ano farei de todo o possível para estar sempre presente e conhecer outros coleccionadores e admiradores do Ranger.

Para concluir, como vê o futuro do Ranger?
Rodolpho Neto: Tomara que ele prossiga firme e mais forte em cima do seu cavalo e ao lado dos seus três pards sobre as imensas pradarias. Uma história de 65 anos não pode acabar, é a história de uma vida e de várias gerações. Se  um adolescente não  mexeu com coisas que não devia ou não seguiu caminhos errados com certeza deve ter lido Tex antes. Tex antes de tudo é uma leitura educativa aonde você aprende o significado do respeito, da honra, da amizade, da gratidão e da prudência. Vida longa a Tex Willer! E eu ainda espero poder comprar o exemplar comemorativo aquando do centenário do nosso maior herói.

Prezado pard Rodolpho Neto, agradecemos muitíssimo pela entrevista que gentilmente nos concedeu.

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

5 Comentários

  1. Que bom ver nosso Ranger de número 33 dando uma excelente entrevista e em tão pouco tempo já dono de uma grande e promissora coleção.
    Vai nessa tua força Rodolpho, pois eu voltei a colecionar Tex com 125 revista e uma só coleção e foi a Tex Coleção, ai foi crescendo, crescendo e deu no que deu, para fechar as coleções brasileiras faltam menos de 20 revista.
    Mas temos muito chão ainda pela frente, agora é trazer novos leitores para conhecer nosso Águia da Noite e crescer nosso universo de texmaniacos.
    Saiba que é uma honra ter um texiano corajoso e aguerrido como você como associado do Clube Tex Brasil.
    Vamo que vamo pard.

  2. Você vai muito bem para um texiano tão recente, pard Rodolpho. Certamente logo logo formará uma bela coleção. Manitu guie seus passos nas trilhas de Tex e que você seja soprado por bons augúrios para encontrar boas ofertas de revistas e tomara mesmo que uma coleção completa te caia nas mãos por um preço bem camarada.
    Falei.
    G.G.Carsan

  3. Caro Pard Rodolpho,

    digníssimo Sócio nº 33 do Fã Clube Tex Brasil.
    Muito legal sua entrevista, sua história com Tex.
    Faço coro aos demais e torço para que tenha sempre mais coleções em mãos (de hobby vira vício, mas um vício saudável)… rsrsrs
    Aproveitamos a oportunidade para cumprimentar nosso grande pard Zeca pelo excepcional trabalho que faz na divulgação de Tex e pelas oportunidades que nos concede, nas entrevistas. Muito legal poder conhecer aqui a história de cada um. Parabéns e muito obrigado.
    Grande abraço.
    José Leonardus, Presidente do Conselho Deliberativo
    do Fã Clube Tex Brasil.

  4. Bela entrevista pard Rodolpho, continue lendo e colecionando Tex, pois é um vício que faz bem pra todos que lêem esse gibi,e que Tex continue nas bancas do Brasil pois é um dos únicos personagens que estão há mais de 30 anos aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *