BDjornal #30 lançado no XXIV FIBDA traz mais de VINTE páginas dedicadas a Tex

BDjornal #30, lançado no XXIV FIBDA traz
.
mais de
VINTE páginas dedicadas a Tex

Por José Carlos Francisco

O BDjornal #30 que dá um grande destaque a Tex Willer, com nada mais nada menos do que mais de 20 (sim, VINTE) páginas dedicadas ao Ranger criado em 1948 por G. L. Bonelli e Aurelio Galleppini, já se encontra à venda e pelos ecos que nos têm chegado, tem vendido muito bem no stand PedranoCharco nestes primeiros dias do XXIV Festival Internacional de BD da Amadora 2013, havendo o “perigo” da edição se esgotar, pelo que caro pard texiano, se ainda não comprou esta edição que para todo e qualquer fã e coleccionador de Tex é um número VERDADEIRAMENTE  IMPERDÍVEL e que não pode deixar de ser mais um item obrigatório na colecção de todo e qualquer TEXIANO que se preze, apresse-se a comprá-la ou corre o sério risco de ficar sem mais este exemplar verdadeiramente texiano na sua colecção.

Capa do BDjornal #30

Falando somente do que a Tex diz respeito, este número 30, traz a continuação de Desenhadores de Tex – Ensaios Biográficos (a terceira parte do mais completo artigo a NÍVEL MUNDIAL sobre TODOS os inúmeros desenhadores de Tex que nestes sessenta e cinco anos de ininterrupta vida editorial desenharam a mítica personagem italiana, biografias detalhadas sobre a vida e história de todos estes desenhadores ), a presença de Andrea Venturi no Salão de Viseu 2013 e ainda a apreciação de Pedro Cleto ao Tex Gigante #27 – A Cavalgada do Morto, de Mauro Boselli (nos textos) e Fabio Civitelli (nos desenhos).

Desenhadores de Tex – Ensaios Biográficos (3) no BDJornal #30

Do EDITORIAL alargado (não coube – nem metade – na 1ª página da edição impressa):

.
Era nossa intenção terminar a publicação do BDjornal com este #30, mas… chegámos à conclusão que, se calhar seria mais interessante terminar no #32, em 2015, quando se completarem 10 anos de edição – a sair precisamente no Festival de Beja, que foi onde o BDj nasceu: o BDjornal #1 saiu no 1º Festival de BD de Beja, publicando quase todo o programa do Festival. Assim, ainda teremos pano para mais algumas (duas) mangas… Já agora, em 2015 a Pedranocharco fará 20 anos. Um duplo aniversário a comemorar, portanto.

Cumprindo uma promessa feita no ano passado, não falaremos este ano do Festival da Amadora no BDjornal. Ao fim de vinte anos a apontar o que nos parecia não estar bem realizado no FIBDA, sem grandes resultados, chegámos à conclusão de que não valia a pena o esforço inglório (porque para criticar é preciso ver, analisar e perceber o que está menos bem e podia estar melhor – o que dá algum trabalho). As pessoas neste país, gostam mesmo é que se diga apenas bem das realizações, ignorando, ou reagindo muito mal às críticas construtivas que se lhes fazem.

A matéria sobre o web magazine Aces Weekley, que o brtânico David Lloyd (o desenhador de V for Vendeta) se lembrou, em boa hora, de iniciar, com dezenas de desenhadores de vários países e que, a partir de 14 de Outubro, passou a integrar o português Carlos Páscoa, é um daqueles projectos fascinantes que nos entusiasmam. Pena que, como o próprio Lloyd diz, na pequena entrevista que lhe fizemos sobre Aces Weekley, o público afecto à banda desenhada ainda não esteja habituado (e não só em Portugal, como pensávamos que era) a consumir revistas – ou livros – publicados online (pagos, já agora, como os impressos, mas muito mais baratos porque não têm as despesas de impressão). Magazines de BD publicados na internet em Portugal, ocorre-nos apenas o The Lisbon Studio Mag (gratuito), apesar de conhecermos uma série de autores a utilizar o meio para publicar histórias em episódios.

Prosseguindo o trabalho de entrevistar autores portugueses de Banda Desenhada, iniciado no BDjornal #26 – em que apesar do “portugueses” incluimos também uma entrevista com um brasileiro (Julio Shimamotto) – era fundamental entrevistar Nuno Saraiva, o único autor que neste país trabalha exclusivamente para periódicos. Com apenas dois álbuns criados de raiz para esse fim (os outros são compilações ou participações colectivas), Nuno Saraiva desenvolve um trabalho semanal metódico, profissional quanto baste, produzindo tanto bandas desenhadas curtas como ilustrações, para os periódicos que contratam os seus serviços. Construiu a sua “imagem de marca” a que chamámos “o burlesco satírico-erótico”, depois da colaboração com Júlio Pinto (iniciada com Zé Inocêncio, n’O Inimigo e depois com Filosofia de Ponta, n’O Independente) e, mesmo depois da morte deste jornalista, publicitário, activista político, argumentista… continuou nessa linha, que tem contribuído para o seu reconhecimento como autor a nível nacional.

Depois o texto de Nuno Franco sobre Chantal Montellier, a autora francesa conhecida como a “Georgette Orwell” da BD franco-belga, justamente pelos temas que aborda, sempre a denúncia do estado policial, da exclusão dos desfavorecidos, em suma da sociedade com toda a sua espécie de injustiças e de ditaduras mas também abordando o sofrimento ditado por doenças incuráveis… Trata-se da primeira mulher a colaborar como autora na mítica revista Métal Hurlant e isso quer dizer muita coisa.

Os temas de crítica ou de História da BD/Ilustração formam um bloco de qualidade de topo, como é apanágio dos colaboradores habituais do BDjornal:

O texto de João Miguel Lameiras (este não censurado pela DC Comics) sobre Lanterna Verde/Arqueiro Verde, que devia ter saído como está nesta edição do BDj, no volume 10 da colecção DC Comics editada pela Levoir em colaboração com o jornal Público. A apreciação crítica de João Ramalho-Santos a Les Ignorants, de Étienne Davodeau. A longa prelecção analítica de Pedro Moura sobre os super-heróis. Também a continuação da história dos Pioneiros do Modernismo Português, com a biografia do ilustrador Correia Dias, por Osvaldo Macedo Sousa. A leitura de Anos Dourados, de Marco Mendes, por Sara Figueiredo Costa. Ou as apreciações das leituras de Pedro Cleto.

E não podia faltar Tex Willer, com a continuação de Desenhadores de Tex – Ensaios Biográficos (parte 3), ou apreciação de Pedro Cleto ao Tex Gigante #27 – A Cavalgada do Morto

Arte de Giovanni Ticci no BDJornal #30

Depois as colaborações do Brasil, com destaque para a qualidade analítica de Edgar Indalécio Smaniotto, sobre o que se vai publicando no Brasil, de e sobre Histórias em Quadrinhos, mas também com a estreia no BDjornal de Ezequiel Guimarães (em parceria com o nosso já conhecido Júlio Schneider).

Por fim, as reportagens dos Salões de BD de Moura e Viseu, dos Festivais de BD de Beja e da Corunha e do Iberanime LX2013.

Enfim, muita matéria para leitura.

ÍNDICE DE MATÉRIAS

4 – Aces Weekly – o magazine de BD da era digital, com uma curta entrevista com David Lloyd, J. Machado-Dias e Carlos Páscoa
9 – Carlos Páscoa na Aces Weekly – The Statue, J. Machado-Dias
10 – Nuno Saraiva – Para uma Bio-bibliografia, J. Machado-Dias
24 – Entrevista com Nuno Saraiva, J. Machado-Dias
33 – Lanterna Verde/Arqueiro Verde – Uma saga de uma era de mudança, João Miguel Lameiras
38 – Uma palavra sobre Super-Heróis, Pedro Moura
45 – Catálogo para uma releitura, Anos Dourados de Marco Mendes, Sara Figueiredo Costa
46 – Chantal Montellier, Nuno Franco
54 – Exercícios (possíveis) de interdisciplinaridade – “Les Ignorants”/”The Initiates” de Étienne Davodeau, João Ramalho-Santos
58 – Fernando Correia Dias e os Pioneiros do Modernismo, Osvaldo Macedo de Sousa
65 – Astronauta – Magnetar, Pedro Cleto
66 – IR$ Team #1 – Football Connection, Pedro Cleto
67 – Le Client, Pedro Cleto
68 – Tex Gigante #27 – A Cavalgada do Morto, Pedro Cleto
70 – Os Desenhadores de Tex – Ensaios Biográficos (3), J. Machado-Dias

87 – Resenha Teórica – Série Quadrinhos Poético-Filosóficos, Edgar Indalécio Smaniotto
88 – HQ Brasil – Seguindo seu próprio Camiño di rato, Edgar Indalécio Smaniotto
90 – Entrevista com Moreno Burattini, Ezequiel Guimarães e Júlio Schneider
92 – XVIII Salão Internacional da Banda Desenhada de Moura, J. Machado-Dias
95 – IX Salão Internacional de Banda Desenhada de Beja, Diogo Campos
99 – XVIII Salão Internacional de Banda Desenhada de Viseu, Luís Beira, Carlos Almeida, José Carlos Francisco
103 – Iberanime LX2013, Pedro Trabuco
105 – XVI Viñetas Desdo o Atlántico, Diogo Campos

COLABORAÇÕES: Carlos Páscoa, Clara Botelho, David Lloyd (textos originais sobre Aces Weekly), Diogo Campos, Edgar Indalécio Smaniotto, Ezequiel Guimarães, João Miguel Lameiras, João Ramalho-Santos, José Carlos Francisco, Julio Schneider, Luís Beira, Carlos Almeida, Nuno Franco, Nuno Saraiva, Osvaldo Macedo de Sousa, Pedro Cleto, Pedro Trabuco, Pedro Vieira Moura, Sara Figueiredo Costa.

Arte de Fabio Civitelli no BDJornal #30

Por tudo isso e muito mais prezado pard, não deixe de comprar esta edição do BDjornal, uma vez que se pode considerar um verdadeiro item de coleccionador de Tex! Para a adquirir recomendamos o contacto via e-mail (bdjornal@gmail.com) com o editor Jorge Machado-Dias.

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

6 Comentários

  1. Caros amigos Jorge e Zeca, vocês sempre estão nos surpreendendo; primeiramente o grande editor Jorge Machado Dias, com suas publicações perfeitas, sempre incluindo o Tex Willer, e você José Carlos Francisco, como representante do personagem em Portugal, divulgando sempre, suas envolventes e profundas matérias!
    Portanto parabéns ao BDJornal e ao Tex Willer Blog!

    Abraços do sempre amigo
    Wilson

  2. Os meus mais cordiais cumprimentos “texianos” a todos os pards, “ou será vice-versa?”!, que têm contribuído para o crescimento e divulgação de Tex Willer e seus pards das aventuras. Começo a pensar que estes personagens, Tex e amigos, irão ser um caso muito sério em Portugal e a partir de Portugal.
    Os meus parabéns por isso.

  3. Caríssimo Carlos,
    A venda do BDjornal no Brasil é por conta de Wagner Macedo, da Redwood. Nesta altura estamos a tratar da edição do BDjornal #30 no Brasil, pela Redwood, mas ainda vai demorar um pouco.

  4. Eu acho que deveria ter mais matérias com outros personagens bonellianos e não ficar só em Tex. Mágico Vento, Ken Parker e muitos outros deveriam estar na revista. É legal falar de Tex mas se esquecem que muitos outros fãs comprariam a revista se tivessem Ken Parker, Mágico Vento, Júlia, e muitos outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *