Tertúlia Texiana em Viseu

Tertúlia Texiana em Viseu

Por José Carlos Francisco (texto e fotos) e Orlando Santos Silva (fotos)

Reservado Tertúlia Texiana

No fim de semana inaugural do 18º Salão Internacional de Banda Desenhada de Viseu, mais precisamente na noite de 10 de Agosto, sábado, realizou-se, no que ao Tex diz respeito, uma Tertúlia Texiana que começou por juntar quase 30 pessoas numa alongada mesa no restaurante churrasqueira A Grelha situado no interior da Feira de São Mateus e que se prolongou depois, e sempre com a presença de Andrea Venturi, madrugada fora no recinto de Festas.


Foi a segunda vez que um evento oficial português relacionado a Tex teve uma Tertúlia Texiana integrada na própria programação do Salão e foi seguramente um motivo mais para atrair alguns fãs e coleccionadores de Tex até Viseu de modo a poderem desfrutar de um maior espaço temporal junto de muitos outros fãs e coleccionadores de Tex, mas sobretudo de Andrea Venturi, já que o autor italiano tinha confirmado há muito a sua presença na Tertúlia.


Como o próprio nome diz, a Tertúlia é na sua essência uma reunião de amigos com pelo menos um gosto em comum, que se reúnem de forma mais ou menos regular, para discutir vários temas e assuntos, embora em Viseu e por motivos óbvios, tudo se concentrava em redor de Tex e de Andrea Venturi, daí ser denominada Tertúlia Texiana, já que no fundo todos os presentes eram (são) apaixonados pela personagem Tex Willer.


E foi uma verdadeira (e histórica) Tertúlia Texiana na real acepção da palavra, porque no quesito “Tertúlia” para além dos fãs e coleccionadores de Tex, acompanharam-nos em muitos casos as respectivas famílias e no quesito “Texiana” porque todas as conversas iam parar a Tex e também porque depois de um fausto jantar onde não faltaram sequer os famosos bifes de dois dedos de altura cobertos por uma montanha de batatas fritas, nasceu na presença de Andrea Venturi que apadrinhou a iniciativa, o CLUBE TEX PORTUGAL!


Já era perto da meia noite quando após registarmos as últimas fotos, abandonamos o restaurante churrasqueira A Grelha e foi a hora de algumas despedidas já que alguns texianos regressavam a casa nessa mesma noite, mas para aqueles que pernoitavam em Viseu, a Tertúlia Texiana prosseguiu no recinto da Feira como se pode atestar nas diversas fotos que ilustram este texto e que  mostram bem os magníficos e inesquecíveis momentos da Tertúlia Texiana integrada no 18º Salão Internacional de Banda desenhada de Viseu

Para finalizar a tertúlia um brinde a Tex com a famosa ginja de Óbidos

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

3 Comentários

  1. Taí um tipo de evento que eu adoraria ter participado. Deve ter sido muito legal isso, olhando as fotos eu só imagino o prazer que foi para os participantes. Tertúlia, aqui no meu estado, é um termo que se usa e tem a ver também com música. Tem uma canção do Leonardo, saudoso e famoso compositor regional gaúcho, que fala sobre isso:

    Tertúlia

    Uma chamarra uma fogueira
    Uma chinoca uma chaleira
    Uma saudade, um mate amargo
    E a peonada repassando o trago
    Noite cheirando a querência
    Nas tertúlias do meu pago. (REFRÃO)

    Tertúlia é o eco das vozes perdidas no campo afora
    Cantiga brotando livre novo prenúncio de aurora
    É rima sem compromisso julgamento ou castração
    Onde se marca o compasso no bater do coração.

    É o batismo dos sem nome
    Rodeio dos desgarrados
    Grito de alerta do pampa
    Tribuna de injustiçados
    Tertúlia é o campo sonoro
    Sem fronteira ou aramados
    Onde o violão e o poeta podem chorar abraçados.

  2. Realmente é muito bela esta canção, João Adolfo Guerreiro. Nós, aqui na América Lusófona, deveríamos organizar uma tertúlia texiana. Daí aproveitamos prá misturar com boa música. Aqui na nossa região seria bom de realizá-la. Sou de Santa Catarina. E, se possível, contar com a presença de alguém do staff da SBE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *