Entrevista com o fã e coleccionador: Emerson Luiz da Cruz

Entrevista conduzida por José Carlos Francisco.

Para começar, fale um pouco de si. Onde e quando nasceu? O que faz profissionalmente?
Emerson Luiz da Cruz: Eu nasci na cidade de Ivaiporã no Paraná, Brasil, no dia 6 de Abril de 1974. Ainda criança vim para o Rio Grande do Sul e actualmente estou residindo em Cachoeirinha, sou casado há 15 anos e tenho uma filha de 13 anos e um filho de 7 anos. Trabalho como Técnico em Enfermagem em uma Unidade básica de Saúde.

Quando nasceu o seu interesse pela Banda Desenhada?
Emerson Luiz da Cruz: Sempre fui muito curioso e as revistas aos quadradinhos chamaram-me a atenção muito cedo mesmo antes de aprender a ler, lá pelo final da década de 70.

Quando descobriu Tex?
Emerson Luiz da Cruz: Eu devia ter uns seis ou sete anos de idade quando vi um exemplar de Tex pela primeira vez. Meu irmão Edson que é seis anos mais velho comprou e eu lembro como se fosse hoje, era  El Muerto. Fiquei encantado com aqueles desenhos, com aquele homem com o rosto desfigurado e com a coragem de Tex. Li muitas vezes aquela história e algumas outras, lá por 1991 comecei uma colecção, devia ter uns 200 exemplares, mas perderam-se com o tempo. Há quatro anos atrás entrei em uma pequena banca de revistas e encontrei um exemplar de Tex, comprei, li e não parei mais.

Porquê esta paixão por Tex?
Emerson Luiz da Cruz: Tex cativa todos os que amam a banda desenhada pelo preciosismo nos detalhes. O preto e branco das páginas torna-se colorido em nossas mentes como se fossem lembranças que nos levam directo ao velho Oeste junto de nossos pards.

O que tem Tex de diferente de tantos outros heróis dos quadradinhos?
Emerson Luiz da Cruz: É um misto de liberdade, aventura, acção e o censo de justiça acima de tudo que nos transporta ao mundo e ao tempo do nosso Ranger, é começar a ler e já poder ouvir o trote dos cavalos, os gritos de guerra dos navajos, sentir o calor do deserto ou o frio das nevascas. É esta sensação inexplicável que torna TEX único e imbatível.

Qual o total de revistas de Tex que você tem na sua colecção? E qual a mais importante para si?
Emerson Luiz da Cruz: Hoje, tenho 859 revistas do Tex, cada uma tem um valor especial para mim, mas podemos destacar o nº 112 El Muerto por ter sido a primeira que vi, o  nº 1 O signo da serpente, O Ídolo de Cristal colorido, Fumetti- O melhor dos quadrinhos Italianos e também dois exemplares italianos que acho bem especiais.

Colecciona apenas livros ou tudo o que diga respeita à personagem italiana?
Emerson Luiz da Cruz: Além das Revistas, tenho o Filme, o livro e pósters, só não tenho outros objectos pela dificuldade de encontrar por aqui.

Qual o objecto Tex que mais gostava de possuir?
Emerson Luiz da Cruz: Algumas estatuetas do mundo de Tex.

Qual a sua história favorita? E qual o desenhador de Tex que mais aprecia? E o argumentista?
Emerson Luiz da Cruz: Difícil, realmente difícil escolher uma entre tantas histórias e desenhadores, mas O Presságio, eu diria que pode ser uma das preferidas, tanto pelo argumento de Claudio Nizzi como a arte extraordinária de Fabio Civitelli.

O que lhe agrada mais em Tex? E o que lhe agrada menos?
Emerson Luiz da Cruz: A maneira justa com que trata todos, independente de cor, credo ou riqueza. Na personagem nada me desagrada, mas fiquei indignado com o encerramento da série Tex  em Cores no Brasil.

Em sua opinião o que faz de Tex o ícone que é?
Emerson Luiz da Cruz: O nosso Tex, vive livre, é extremamente justo, leal aos seus amigos, é de uma coragem inigualável. Isto é quase impossível nos dias de hoje, mas é a vontade de poder ser como ele aliada a óptimos argumentos e desenhos feitos de forma artística, com qualidade extraordinária, que torna real esse nosso sentimento e faz com que Tex seja prestigiado por tantas gerações.

Costuma encontrar-se com outros coleccionadores?
Emerson Luiz da Cruz: Não, conheço muitos que gostam e até compram Tex algumas vezes, mas não coleccionam.

Para concluir, como vê o futuro do Ranger?
Emerson Luiz da Cruz: O nosso grandioso Ranger, com certeza vai seguir firme e forte seu caminho, e nós estaremos sempre ao seu lado, torcendo, e às vezes também lutando. Estaremos levando o nosso Tex para mais e mais pessoas poderem se encantar e se tornarem leitores assíduos de Tex.

Prezado pard Emerson Luiz da Cruz, agradecemos muitíssimo pela entrevista que gentilmente nos concedeu.
Emerson Luiz da Cruz: Um grande e empoeirado abraço a todos.

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

5 Comentários

  1. Parabéns pela entrevista pard Emerson, pois sempre é bom conhecer um pouco dos leitores de Tex nesse nosso imenso Brasil. Parabéns também por já ter uma coleção tão grande em tão pouco tempo. Abraços.

  2. Temos que enaltecer o Emerson pela coleção, e pelas fotos onde as capas contrastam com essa camiseta de grande expressão aqui no Rio Grande do Sul. Um abraço aqui de Esteio.

  3. Domingo será o último jogo no Olímpico e eu aqui lendo um pard tricolor! Bom “Presságio” (que é uma história legal, desenhada com requinte). Gostei da tua entrevista, direto ao ponto. Tri a tua coleção Emerson, tem O Signo da Serpente até. Parabéns.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *