Entrevista com o fã e coleccionador: Miguel Júlio Zinelli da Costa

Entrevista conduzida por José Carlos Francisco.

Miguel Zinelli e TEXPara começar, fale um pouco de si. Onde e quando nasceu? O que faz profissionalmente?
Miguel Zinelli: Chamo-me Miguel Júlio Zinelli da Costa, sou natural de Uruguaiana, Rio Grande do Sul, Brasil, onde nasci em 6 de Outubro de 1965, sou casado e tenho um filho de 15 anos. Aos 12 anos vim para Alegrete (RS) e aqui casei e actualmente resido. Sou formado em Administração de Empresas e Técnico em Contabilidade.

Quando nasceu o seu interesse pela Banda Desenhada?
Miguel Zinelli: Quando li pela primeira vez o Tex nº 35 “Alarme no Forte Summer” da 2º edição (Março de 1980) e foi aí que me interessei pelos quadradinhos. Tentei ler todos os tipos, até para o meu conhecimento sobre os quadradinhos no Brasil. Hoje posso dizer que não imaginava que havia tantos quadradinhos publicados e até alguns que provavelmente nem os nossos pais ou avós imaginassem que houvessem, hoje, totais raridades.

Tex's números 1Quando descobriu Tex?
Miguel Zinelli: Como disse anteriormente foi com a história “Alarme no Forte Summer”, mas como não podia adquirir as revistas do Ranger na época, pensei, quem sabe um dia eu consiga ter a colecção e voltar a ler! Apesar de que naquela época não tínhamos tantos títulos e não sabia o que me esperava sobre o futuro de TEX, futuro este, que hoje digo que valeu a pena esperar. E esse é o meu objectivo, completar todas as edições de TEX.

Porquê esta paixão por Tex?
Miguel Zinelli: Sempre fui ligado a filmes de faroeste, não perdia um, principalmente na década de 70, quando era o auge dos filmes famosos como Trinitá (Trinity, no Brasil) e Django entre outros (quem não lembra!). Vi quase todos eles e a cada semana esperava o dia de “reapresentação” nos cinemas. Esse foi um dos motivos em passar das telas para os quadradinhos. É lamentável que muitos cinemas tenham sido esquecidos…

Tex's JúniorO que tem Tex de diferente de tantos outros heróis dos quadradinhos?
Miguel Zinelli: TEX conseguiu fazer com que o tempo passasse mas as suas historias têm sempre o mesmo objectivo: ser um justiceiro  sem utilizar da tecnologia de hoje de super-herói, numa época de tanta diversidade no quotidiano e, isso é um facto positivo. Nada como o velho oeste.

Qual o total de revistas de Tex que você tem na sua colecção? E qual a mais importante para si?
Miguel Zinelli: Na minha humilde colecção, eu tenho as seguintes séries completas: TEX Ouro, TEX Mini-séries, TEX Especial Colorido, TEX Especiais Gigantes, TEX Anual, TEX de Férias, TEX Grandes Clássicos, TEX e os Aventureiros, Almanaque do TEX, os TEX Coloridos. Possuo também uma colecção incompleta do Zagor, da Record. Além das edições de lançamentos, tenho edições do TEX Júnior e algumas importadas. Incompletas: TEX 1ª Edição, TEX Coleção, TEX da 2º Edição (iniciada há pouco) e TEX Edição Histórica. As que considero mais importantes são as edições especiais da série normal, são verdadeiras histórias e relíquias dos quadradinhos.

Edições várias nº 1Colecciona apenas livros ou tudo o que diga respeita à personagem italiana?
Miguel Zinelli: Como já comentei anteriormente, comecei com o TEX, que é meu favorito e com o tempo fui adquirindo outras revistas de banda desenhada como Ken Parker, Dylan Dog, Zagor, Nick Ryder, Martin Mystère, Mister No, Mágico Vento (todas incompletas). Também colecciono outras revistas somente de nº 01, de todos os títulos e editoras.  Devido à grande quantidade e ao investimento ainda não decidi se sigo estas colecções, pois seria uma grande perda.

Qual o objecto Tex que mais gostava de possuir?
Miguel Zinelli : Para mim, o que mais gosto de ter na minha colecção, além da própria revista, são os produtos de divulgação que fazem parte da colecção como o chaveiro, calendário, póster, marcador de páginas, botton, o filme em VHS, autocolante do Tex (Tex nº 300) e as revistas Júnior e, nessa relação não poderia faltar o TEX nº 01, itens estes, que fazem parte da minha colecção. Agora vou atrás dos itens que me faltam, como bonecos, selos, edições de outros países, etc… tudo de TEX. (Agradeço doações  ;-))

Objetos TexQual a sua história favorita? E qual o desenhador de Tex que mais aprecia? E o argumentista?
Miguel Zinelli: Como toda a edição, seja qual for a personagem, é necessário escolher um tema ou história que prenda a atenção do leitor ou que sua imaginação dê aquele final que você gostaria, por esse motivo as histórias devem ter esse objectivo e TEX consegue passar isso ao leitor mas, as minhas preferidas são as que marcaram a vida de TEX, como por exemplo “Pacto de Sangue“ e “Pat, o Irlandês”. Sem dúvida nenhuma considero Gianluigi Bonelli e Galep os maiores, sem querer desmerecer outros famosos desenhadores e argumentistas, pois seus traços são perfeitos e aprendemos a gostar de TEX desde as suas primeiras edições.

O que lhe agrada mais em Tex? E o que lhe agrada menos?
Miguel Zinelli: A maneira como TEX se apresenta para resolver os problemas, usa a sua honestidade, carácter e lealdade, passa a confiança a quem quer que seja de que o bem prevalecerá sobre o mal. Quanto ao que menos me agrada seria a sua “perfeição”, alguns factos poderiam dar errado ou ser mal interpretados pelo nosso herói mas, no final tudo se resolveria por outro caminho (poderia levar uns tabefes a mais. Pasmem!!).

Tex's EspeciaisEm sua opinião o que faz de Tex o ícone que é?
Miguel Zinelli: Creio que pelo facto de completar os seus 60 anos, já é um marco na história dos quadradinhos de faroeste. Isso deve-se aos seus idealizadores que o criaram e deram a ele a função de justiceiro. Passar uma personagem para o papel e dar-lhe uma imagem, não é tão fácil quanto criar uma história ou uma aventura, é saber que ele representa algo de bom, mesmo no imaginário, a toda a humanidade e que sempre há uma saída para os problemas, por mais complicados que eles sejam.

Costuma encontrar-se com outros coleccionadores?
Miguel Zinelli: Estou sempre à procura de novos e velhos coleccionadores, pois sempre se tem algo novo ou curiosidades em aprender e ensinar sobre o nosso herói, principalmente para a troca de materiais. Em Outubro, tive o prazer de voltar à minha cidade natal, Uruguaiana, num encontro de coleccionadores onde levei material para expor, já que foi a primeira vez que participei e senti-me muito feliz, apesar da minha cidade ser distante do centro do Estado onde existem outros encontros anuais.

Na exposicão de UruguaianaPara concluir, como vê o futuro do Ranger?
Miguel Zinelli: Acredito que seus fãs e coleccionadores não têm que se preocuparem com o futuro de TEX. Já tem o seu nome e a sua marca consolidada na história da banda desenhada; primeiro, alguém imaginava que ele seria um ícone? Não! Segundo, que venha o próximo século, seremos sempre fiel a ele. Daria apenas uma sugestão, como colaboração, de que constasse nas revistas o número da tiragem das edições. Vida longa ao TEX!

Prezado pard Miguel Zinelli, agradecemos muitíssimo pela entrevista que gentilmente nos concedeu.

(Para aproveitar a extensão completa das imagens acima, clique nas mesmas)

6 Comentários

  1. E você chama isso de HUMILDE COLEÇÃO?? Isso é um TEX-OURO… Magnífica coleção, e é mais um gaúcho colecionador… Êta Estado pra ter texiano…
    Alegrete é a cidade natal de meu pai e tem vários texianos. Um abraço Miguel,e parabéns pela coleção… (favor enviar e-mail para neimarcapela@yahoo.com.br)…

  2. Parabéns Miguel!! Realmente é UMA MAGNÍFICA COLEÇÃO.
    Saudações Texianas da Fronteira Oeste.

  3. Pard Zin-Rs, do Nordeste(do Recife) lhe envio Parabéns pela grande e espetacular coleção do nosso herói de papel.

  4. Parabéns pela coleção Miguel, queria ter a oportunidade de folhear todas e ler a mais clássica de todas, a TEX n.1 no Brasil. Moro na outra ponta do país quem sabe um dia não passe por aí.
    Valeu.
    Paulo
    Campina Grande-PB

  5. Grande Pard Zin,

    sócio do Fã Clube Tex Brasil. Muito boa sua entrevista meu amigo. Grande colecionador, hein?
    Grande abraço.
    José Leonardus, Presidente do Conselho Deliberativo do Fã Clube Tex Brasil

  6. Buenas, sete anos depois, a coleção já não deve ser mais humilde assim, eh eh eh eh. Gostei muito dos gibis de Tex de outros países que tu tens e que levou lá para Carazinho para mostrar, foi muito legal vê-las. Abraço.

Responder a Paulo Luciano Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *